quarta-feira, 3 de junho de 2015

Telebras esclarece à BM&FBOVESPA sobre lucro em dois anos e outros assuntos


TELEBRAS (TELB)

Esclarecimentos - Reapresentacao

Em atencao a consulta da BM&FBOVESPA, a empresa enviou o seguinte:

Ref.: Oficio 2097/2015-SAE - Telebras
Solicitacao de esclarecimentos sobre noticia veiculada na imprensa 

Em relacao a noticia veiculada pela Agencia Estado - Broadcast, em 29/05/2015, na qual consta, entre outras informacoes, que:

- Essa empresa so deve dar lucro daqui a dois anos;

- estao previstos investimentos de R$ 700 milhoes em 2015 no satelite nacional que deve ser colocado no espaco no final do proximo ano;

- a empresa planeja aumentar sua malha de fibras opticas em mais 8 mil quilometros este ano - chegando perto dos 30 mil km de rede

Esclarecemos que as informacoes acima destacadas sao de amplo conhecimento publico, inclusive constam na Mensagem Presidencial enviada pela Exma. Sra. Presidenta da Republica Dilma Rousseff ao Congresso Nacional em fevereiro de 2015, como acoes e desembolsos a serem realizados pelo Governo Federal e por empresas controladas pela Uniao no ano de 2015, conforme transcrito abaixo:

"b.9) Projeto Satelite Geoestacionario de Defesa e Comunicacoes Estrategicas
A construcao do Satelite Geoestacionario de Defesa e Comunicacoes Estrategicas (SGDC) teve avanco significativo em 2014, estando em fase de montagem na Franca, sob a supervisao da Visiona Tecnologia Espacial, joint-venture entre Embraer (51%) e Telebras (49%). Em setembro de 2014, a Telebras lancou a Licitacao do projeto arquitetonico do Centro de Operacoes (Cope) do satelite com sedes em Brasilia/DF e no Rio de Janeiro/RJ. O Satelite SGDC provera a comunicacao entre os orgaos e entidades da administracao publica federal e trara total seguranca as comunicacoes estrategicas do Governo e as comunicacoes militares, pois seu controle sera realizado no Brasil em estacoes localizadas em areas militares, sob a coordenacao da Telebras e do Ministerio da Defesa. Estima-se que o satelite servira para atender a mais de dois mil Municipios, em complemento a rede terrestre da Telebras, oferecendo servicos de acesso a Internet em banda larga, em especial na regiao Norte do Pais, carente de infraestrutura."
(Mensagem Presidencial 2015 pg. 309 - publicada no http://www2.planalto.gov.br/acompanhe-o-planalto/mensagem-ao-congresso/mensagem-ao-congresso-nacional-2015)

"b.10) Rede de Fibra Optica
Nos quatro anos de existencia do PNBL, a infraestrutura de rede da Telebras cresceu de 400 km, em 2010, para 21 mil km ao final de 2014, e completara 25 mil km no primeiro semestre de 2015, interligando todas as regioes do Pais, com investimentos de mais de R$ 415 milhoes. Atualmente a empresa possui 1.325 provedores cadastrados na sua base de dados, com potencial de demanda de cerca de 1,5 terabits por mes. Como pode-se ver no mapa a seguir, a rede e particularmente estrategica principalmente nas regioes Norte e Nordeste, chegando aos Municipios mais distantes e, com isso, melhorando a qualidade dos servicos oferecidos e contribuindo para reducao dos precos aos consumidores finais. Como exemplo desses projetos, destacam-se a ativacao do cabo optico na linha de transmissao (OPGW) entre Tucurui e Manaus e a parceria com o Governo do Amazonas, na interligacao de Manaus a Coari, no coracao da Floresta Amazonica. Tambem destacaram-se, em 2014, as negociacoes para conclusao das conexoes terrestres com o Paraguai e com a Argentina, dando continuidade a primeira conexao terrestre para a criacao de um anel optico sul-americano estabelecida em 2013 com o Uruguai. Para 2015, a Telebras pretende ampliar o backbone com fibra optica iluminada para 28 mil km." (Mensagem Presidencial 2015, pg. 309/310-publicada no http://www2.planalto.gov.br/acompanhe-o-planalto/mensagem-ao-congresso/mensagem-ao-congresso-nacional-2015)

"b.11) Cabo Submarino Brasil - Europa
Atualmente, cinco cabos submarinos ligam o Brasil ao exterior: quatro para os EUA e um para a Europa, este ja completamente esgotado em sua capacidade de transmissao de dados. Todos os cabos sao de propriedade de empresas privadas, controladas por grupos estrangeiros. O projeto Cabo Submarino da Telebras preve a construcao de um cabo que interliga o Brasil, a partir da cidade de Fortaleza/CE, a Lisboa, em Portugal. Para viabilizar esse projeto, a Telebras desenvolveu ao longo de 2014 uma serie de negociacoes com a empresa espanhola Islalink, com vistas a formacao da JVCo (Joint-Venture Company), em uma estrutura de capital que preve o controle nacional. A entrada em operacao do cabo esta prevista para o ultimo trimestre de 2016. A capacidade total do cabo sera de 30 terabits por segundo, iniciando a operacao com 500 gigabits. O cabo submarino Brasil-Europa sera interligado ao backbone da Telebras, que por sua vez tera conexao com a rede de fibra optica dos paises sul-americanos vizinhos."
(Mensagem Presidencial 2015, pg. 310 - publicada no http://www2.planalto.gov.br/acompanhe-o-planalto/mensagem-ao-congresso/mensagem-ao-congresso-nacional-2015)

Despesas e desembolsos com projetos estrategicos de comunicacao do Pais, como o Satelite Geoestacionario de Defesa e Comunicacoes Estrategicas (SGDC) e a rede de fibra optica da Telebras estao, tambem, listados no Orcamento de 2015 da Telebras, de conhecimento publico (publicado no DOU de 22 de abril de 2015 -secao I pg. 1). Inclusive o lancamento do satelite no quarto trimestre de 2016.

Em relacao a declaracao reproduzida pela Agencia Estado - Broadcast: "Planejamos chegar a sustentabilidade da empresa em ate dois anos, justamente com a entrada em operacao do satelite. Com ele, nosso potencial de atendimento mudara completamente e poderemos atender qualquer demanda com rapidez e qualidade", projeta Bittar. Esta declaracao reflete o esforco da empresa para que os seus investimentos sejam devidamente rentabilizados.

Nota: a integra do esclarecimento encontra-se a disposicao no site da BM&FBOVESPA (www.bmfbovespa.com.br), em Empresas Listadas
/ Informacoes Relevantes.

Telebras terá rede subterrânea de 200 km em São Paulo

Telebras - 03/06/2015

A Telebras vai investir este ano na construção de uma rede subterrânea de 200 km na cidade de São Paulo, em parceria com a prefeitura da capital. Serão utilizados dutos já existentes na cidade para a passagem dessas fibras, anunciou na terça-feira (2) o gerente regional da Telebras para São Paulo, Luiz Nelson Vergueiro, durante o 7º ISP, encontro de provedores da Associação Brasileira de Provedores de Internet e Telecomunicações (Abrint), em São Paulo.

Essa rede tem como foco atender a periferia da metrópole e integra o Banda Larga para Todos, projeto do governo federal para expandir o acesso rápido à internet em todo o território nacional.

Para executar esse projeto de expansão da rede metropolitana paulista, a Telebras reservou R$ 20 milhões em 2015. O valor vai custear os equipamentos e passagem dos cabos. A Prefeitura cederá os dutos, mas toda a implantação fica sob responsabilidade da Telebras.

No caso de São Paulo, o acordo vem sendo tratado com a SPTrans, que detém o controle do solo por onde passarão os fios, e estaria próximo de ser fechado. O projeto completo da Telebras prevê passar 1 mil km de fibra pela cidade.

“Estamos finalizando a parceria com a Prefeitura de São Paulo, por meio da SPTrans, que é responsável pelo uso e ocupação do solo, e da CET, que já tem toda uma infraestrutura implantada de dutos para podermos finalizar essa rede e atender principalmente a periferia, como o bairro de Perus, e chegar até a cidades da região metropolitana, como Mairiporã”, explicou Vergueiro.

“Lançaremos os cabos, faremos avaliação, desobstrução e solapamento dos dutos. Tem muito duto com cabos que nem são mais utilizados”, garante. A negociação está avançada. “Só estamos dependendo da aprovação da Prefeitura para começar”, completou Vergueiro.

Telebras planeja 200 km de rede subterrânea em São Paulo para 2015

Teletime - 02/06/2015

A Telebras está trabalhando em parceria com a Prefeitura de São Paulo, por meio da SPTrans, para a construção de uma rede metropolitana de 200 km na capital paulista, utilizando a rede subterrânea de dutos já existentes na cidade ainda esse ano. De acordo com gerente regional da Telebras para São Paulo, Luiz Nelson Vergueiro, o orçamento aprovado na empresa para o projeto é de R$ 20 milhões em 2015.

"Nossa rede nacional está com implantação mais lenta do que esperávamos. Ainda estamos trabalhando em coisas que deveriam terminar em 2013 e em 2014. Não é apenas falta de dinheiro, há muitos empecilhos para construir rede, especialmente nas principais cidades brasileiras", admite Vergueiro.

As parcerias com prefeituras foi a forma que a Telebras encontrou de continuar expandindo suas redes em um cenário, agora, de contingenciamento de recursos imposto pelo governo e, assim otimizar os recursos gastos com a implantação para o atendimento das arenas da Copa do Mundo. "Tivemos que investir em redes metropolitanas nessas 12 cidades dos estádios da Copa e aprendemos como fazer parcerias", lembra Vergueiro, citando como exemplo a parceria com a Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte (Prodabel) para a interligação dos vários segmentos de rede da empresa da prefeitura da capital mineira e compor, assim, uma rede metropolitana.

"Agora estamos finalizando a parceria com a Prefeitura de São Paulo, por meio da SPTrans, que é responsável pelo uso e ocupação do solo, e da CET, que já tem toda uma infraestrutura implantada de dutos para podermos finalizar essa rede e atender principalmente a periferia, como o bairro de Perus, e chegar até a cidades da região metropolitana, como Mairiporã", revela Vergueiro.

A Prefeitura cederá os dutos, mas toda a implantação fica sob responsabilidade da Telebras. "Lançaremos os cabos, faremos avaliação, desobstrução e solapamento dos dutos. Tem muito duto com cabos que nem são mais utilizados. Vamos colocar ordem na casa", garante. A negociação, segundo Vergueiro, está avançada. "Só estamos dependendo da aprovação da Prefeitura para começar". A expectativa da Telebras é alcançar uma rede de cerca de mil km na Grande São Paulo.

Backbone da Telebras avança na periferia de São Paulo


Tele.Síntese - 02/06/2015

Embora atrasada para a implantação de seu backbone nacional, que previa instalação de cerca de 30 mil km de rede óptica por todo o Brasil até 2014, a Telebras garante que a iniciativa não está parada. Os projetos continuam a ser implementados, embora tenham sido impactados por mudanças no comando da estatal. Desde antes da Copa do Mundo, porém, houve uma mudança na mentalidade dos gestores, que agora parecem mais afeitos à ideia de expandir a rede por meio de parcerias – que poderá ser com prestadoras locais ou com entidades públicas.

Exemplo disso é o backbone da estatal na região metropolitana da capital paulista. Segundo Luiz Vergueiro, gerente regional da Telebras em São Paulo, a empresa está com dotação reservada para instalar 200 km de fibra óptica. Essa rede tem como foco atender a periferia da da metrópole, se antecipar ao Banda Larga para Todos, projeto do governo federal para expandir o acesso rápido à internet.

O orçamento para este trecho é de R$ 20 milhões. Pela parceria, o valor vai custear os equipamentos e passagem dos cabos. As prefeituras entram com os gastos com infraestrutura, que entre outras coisas abarcam a instalação de dutos ou reserva de prédios para guarda dos equipamentos. No caso da capital, os acordos vêm sendo tratados com a SPTrans, que detém o a licença do solo por onde passarão os fios, e estaria próximo de ser fechado. O projeto completo da Telebras prevê passar 1 mil km de fibra pela cidade.

Por outro lado, as parcerias também podem emperrar iniciativas. O cabo submarino que ligará Brasil à Europa está com projeto pronto, falta executar. Para sair do papel, depende de um terceiro investidor. Por enquanto, o projeto é fruto de uma joint venture entre a Telebras e a IslaLink, que vem encontrando dificuldades para obter os clientes que vão garantir a ocupação do cabo e liberar o dinheiro público que vai financiar a empreitada. Mas Vergueiro é otimista. “Há demanda para esse cabo. Mas tem gente mais interessada em fazer um cabo com os Estados Unidos, que é o maior gerador de conteúdo IP do mundo”, resume.

Outro projeto da Telebras, o satélite geoestacionário (SGDC), que será usado para segurança e ampliação da banda larga no país, deve se concretizar em 2016. Segundo ele, o satélite fica pronto em fevereiro, e o lançamento acontece em setembro do mesmo ano. Também deve ficar para o ano que vem a conclusão do projeto de lançamento de cabos subfluviais nos rios da Amazônia.

Vergueiro falou durante o 7o ISP, encontro de provedores da Associação Brasileira de Provedores de Internet e Telecomunicações (Abrint), evento que acontece até amanhã (3), em São Paulo.

A Telebras e os Provedores Regionais

TV ABRINT - 01/06/2015

BNDES e BB terão recursos para pequenos provedores no Banda Larga para Todos, diz Minicom

Teletime - 01/06/2015

O secretário de Telecomunicações do Ministério das Comunicações, Maximiliano Martinhão, garantiu aos provedores regionais de Internet que eles terão papel central no Plano Banda Larga para Todos. Martinhão falou pelo ministério nesta segunda, 1º, durante cerimônia de abertura do 7º Encontro Nacional de Provedores de Internet e Telecomunicações, realizado pela Abrint em São Paulo. "Desde o início do PNBL (Programa Nacional de Banda Larga) os pequenos provedores foram parceiros da iniciativa e temos a satisfação de ver que deu resultado. Agora vocês estarão no núcleo da política de universalização da banda larga. Estamos trabalhando com o BNDES e o Banco do Brasil para financiar a implantação de redes de fibra ótica (pelos provedores regionais) em 1,2 mil municípios com menos de 100 mil habitantes", disse Martinhão. Os ajustes com o Ministério do Planejamento estão sendo finalizados e o Plano Banda Larga para todos deve ser anunciado ainda esse mês, garante o secretário.

Também presente na cerimônia, o presidente da Telebras, Jorge Bittar, ressaltou a importância da parceria estratégica com os pequenos provedores para levar a Internet aos rincões do País. "Considero que os pequenos e médios provedores são os bandeirantes do século 21, desbravando esse País, entendendo a Internet como peça fundamental da sociedade e da economia do século 21."

Já o presidente da Anatel, João Rezende, citou os benefícios da entrada em vigor da resolução conjunta entre as agências de telecomunicações e de energia para o uso de postes como fomentador da competição e o leilão de sobras do espectro de 2,5 GHz para uso com tecnologia TDD (LTE fixo) até o fim.

segunda-feira, 1 de junho de 2015

Bittar promete ampliar parcerias e oferta de serviços a provedores de internet

O presidente da Telebras, Jorge Bittar, prometeu ampliar as parcerias com os provedores de internet de todas as regiões brasileiras e melhorar a entrega e a qualidade dos serviços prestados pela companhia, além de garantir a oferta de preços baixos. Bittar falou na abertura do 7º Encontro Nacional de Provedores de Internet, nesta segunda-feira (1º), em São Paulo.

Bittar destacou o esforço da Telebras nestes quatro anos de reativação, como a ampliação da sua rede de fibra óptica para chegar à quase totalidade dos Estados brasileiros, principalmente nas regiões Norte e Nordeste, ofertando links de qualidade a preços baixos. “Quando a Telebras chega com a oferta de serviços principalmente em locais mais distantes, os preços caem em até 50%. Isso já ficou comprovado”, ressaltou Bittar no evento.

Ele também destacou a missão da Telebras de prestar serviços com uma rede segura para o governo federal, por meio do decreto 8135, além de facilitar o acesso dos provedores à rede da companhia. “A empresa avançou, mas temos a consciência de que ainda há muito por fazer. Precisamos avançar na prestação dos serviços de qualidade e para isso contamos com a parceria dos provedores, que são estratégicos e os nossos maiores clientes”.

Bittar informou que está trabalhando junto ao Ministério das Comunicações para estabelecer uma linha de financiamento aos provedores, a juros baixos, para a construção da última milha para acesso à rede da Telebras. “Será um fundo garantidor para permitir os investimentos dos pequenos provedores, para que eles possam oferecer melhores serviços e crescer”, ressaltou.

Além disso, Bittar destacou que a Telebras não quer apenas oferecer link de internet, mas também distribuir conteúdo, participando efetivamente para a disseminação da educação e da cultura do nosso País.

Também na solenidade de abertura do encontro, o presidente da Associação Brasileira de Provedores de Internet e Telecomunicações (Abrint), organizadora do evento, Basílio Rodrigues, lembrou que a data coincidiu com os 20 anos do início oficial da internet comercial no Brasil, que permitiu o surgimento de milhares de provedores em todo o País e a oferta de serviços de qualidade e melhores preços.

Participaram também da abertura do encontro o secretário de Telecomunicações do Ministério das Comunicações, Maximiliano Martinhão, que representou o ministro Ricardo Berzoini; o presidente da Anatel, João Rezende; o diretor do NIC Br, Demi Getschko.

A Telebras tem um estande no evento, que segue até o dia 3 de junho no Centro de Convenções Frei Caneca. Nos últimos encontros, foram fechadas parcerias e iniciados vários negócios com provedores.

Na terça-feira de manhã, dia 2, o gerente regional da Telebras em São Paulo, Luiz Nelson Vergueiro, participará como palestrante no painel “Telebras e provedores: o que pode evoluir” – Como os provedores poderão contribuir para a oferta da última milha para a Telebras e de que forma a estatal pode ajudar a chegar aos PTTs.