segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

Projetos da Net e Telebras largam na frente

Valor Econômico - 20/12/2013

A Net e a Telebras foram as primeiras a terem projetos de isenção fiscal aprovados pelo governo no novo plano nacional de banda larga. A Telebras porque, como estatal, está acostumada a atender a todos os detalhes exigidos em processos relacionados ao governo. A Net porque foi criteriosa na interação com os técnicos. O esforço valeu a pena. Roberto Catalão, vice-presidente financeiro da Net, não diz quantos projetos foram submetidos ao governo, mas ainda faltam muitos para serem liberados. A Telebras cadastrou 72 projetos, mas a grande maioria ainda não foi submetida à aprovação.

O orçamento da Telebras para este ano era superior a R$ 250 milhões, mas foi reduzido para R$ 200 milhões, devido a dificuldades para importar, disse o presidente da empresa, Caio Bonilha. A empresa é atacadista e não atende clientes finais, só operadoras, provedores de internet e governo.

A Claro está trabalhando no programa e pretende apresentar seus projetos até junho. A meta é atingir 90% da rede com fibras ópticas. Atualmente, a tele conta com 120 mil km de fibras.

Com 240 mil km de fibras no país, a Embratel e o grupo América Móvil já submeteram alguns projetos ao governo e preparam outros, diz o diretor-executivo da Embratel, André Sarcinelli. O aporte para expansão da rede neste ano é de R$ 3 bilhões.

A Telefônica/Vivo está adaptando seus projetos. A Oi não informa detalhes, diz apenas que sua rede de fibra tem 330 mil km.

José Gontijo, diretor do Ministério das Comunicações, diz que ainda há grandes operadoras que não enviaram projetos. O ministério recebeu pedido de teles para segurar a análise de projetos enviados até que elas entendam melhor o processo e corrijam as falhas, diz Gontijo.