quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Ministros aprovam teste com balões para oferta de internet banda larga

Telebras - 21/11/2013

Ministros aprovam teste com balões para oferta de internet banda largaOs ministros Paulo Bernardo (Comunicações) e Marco Antonio Raupp (Ciência e Tecnologia) e o presidente da Telebras, Caio Bonilha, acompanharam nesta quinta-feira (14), em Cachoeira Paulista (SP), distante 220 km da capital São Paulo, o lançamento de um balão troposférico equipado com aparelhos de telecomunicações para levar sinal de internet banda larga a comunidades isoladas, onde não chega a rede de fibra óptica convencional.

O primeiro teste foi positivo, com o ministro Paulo Bernardo estabelecendo conexão de vídeo da unidade do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), em  Cachoeira Paulista, com dois usuários – um na sede da igreja Canção Nova, a 8 km de distância, e outro próximo à rodovia, em uma distância aproximada de 30 km.

Trata-se do projeto Conectar, desenvolvido pela Telebras, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD) e Ministério das Comunicações, e que visa agregar tecnologia espacial de fronteira a um sistema de telecomunicação embarcado em um balão troposférico, permitindo a oferta de banda larga a localidades carentes de infraestrutura de redes do Serviço de Comunicação Multimídia (SCM). O objetivo é levar o Programa Nacional de Banda Larga (PNBL) a municípios isolados, distantes dos grandes centros urbanos.

photo 23 O balão foi içado a 240 metros de altitude e está sendo usado para a realização de ensaios com a finalidade de avaliar a qualidade da cobertura de sinais WiFi. Seu raio de cobertura (radiohorizonte) é de aproximadamente 70 km.

Para o ministro Paulo Bernardo, esse sistema será fundamental para levar internet banda larga de alta qualidade a comunidades distantes e de difícil acesso para a chegada de rede terrestre de fibra óptica. “Será fundamental para cidades isoladas da região Amazônica, que ainda não são atendidas pelas operadoras”, ressaltou.
Ministros aprovam teste com balões para oferta de internet banda larga 
O presidente da Telebras, Caio Bonilha, considerou o teste um passo importante para o desenvolvimento de unidades industriais com maior capacidade de cobertura e maior potência de banda larga. “Vamos aperfeiçoar o sistema, desenvolvendo equipamentos mais potentes para chegar com melhor qualidade de banda aos usuários. Como primeiro teste está excelente e superou as expectativas”, disse, ressaltando a importância das parcerias com empresas nacionais, que forneceram equipamentos para o teste com o balão troposférico.

O ministro Marco Antonio Raupp também considerou um avanço o teste desta quinta-feira e disse que os engenheiros do INPE, da Telebras e do CPqD irão agora avaliar o que precisa ser melhorado e definir as configurações necessárias dos equipamentos para se habilitar financiamentos junto a instituições como a FINEP – Financiadora de Estudos e Pesquisas. “Essa parceria com instituições de ponta é fundamental para o desenvolvimento de tecnologias avançadas e que resultem em benefício de comunidades mais isoladas”, destacou.

O projeto Conectar será desenvolvido em duas fases. A primeira foi o teste em Cachoeira Paulista, com o balão transportando transreceptores. A próxima etapa será o desenvolvimento de protótipos industriais e levados a todas as regiões carentes do País, incluindo a cobertura da região Amazônica.

domingo, 17 de novembro de 2013

Telebras vai resgatar construção de cabo submarino

O planejamento inicial previa a construção de cinco rotas

Tele.Síntese - 16/11/2013

O conselho de Administração da Telebras autorizou esta semana a empresa a voltar a elaborar os estudos para a construção de cabos submarinos, que ligam o Brasil aos demais continentes. Segundo o presidente da empresa, Caio Bonilha, a rota que oferecer maior viabilidade econômica será a escolhida para a primeira construção. O projeto, afirmou o executivo, será feito obrigatoriamente com uma operadora estrangeira, para assegurar que não haverá problemas com as licenças de funcionamento no ponto estrangeiro.

A construção de cabos submarinos, prevista no planejamento inicial da estatal foi paralisada no ano passado, quando foram retiradas as dotações orçamentárias para este projeto. Naquela época, explicou o executivo, o governo federal, que é o controlador da empresa, entendeu que era preciso priorizar a construção do bacakbone em território brasileiro. O executivo não disse, mas o corte no orçamento se deve ao forte arrocho monetário implementado pelo Ministério da Fazenda, que se repetiu este ano.

Conforme Bonilha, quando a Telebras foi reconstituída, foi planejada a construção de cinco cabos submarinos: a rota Fortaleza/Estados Unidos; a Fortaleza/Europa; a Fortaleza/África; a Fortaleza/Rio de Janeiro e Rio de Janeiro/Cone Sul. A rota Brasil África continua a ser tocada, porque ela está sendo toda construída pela Angola Cable, e a Telebras vai só participar com a conexão de Fortaleza.

Para Bonilha, a construção de cabo próprio irá possibilitar à Telebras comprar capacidade de internet (de banda larga IP) em mercados externos cuja oferta é bem menor do que no mercado brasileiro. "Lá fora, posso comprar megabit a menos de três dólares", afirma. Com acesso a este mercado, a Telebras pode continuar a reduzir os preços de sua oferta para os pequenos provedores, dentro do PNBL - Plano Nacional de Banda Larga.

PNBL

Bonilha tem, por sinal, uma avaliação bem mais otimista do que o mercado sobre os resultados do PNBL. "Entre 2011 e 2013, a banda larga fixa passou de 18 milhões para 22,4 milhões. É um aumento de 4,4 milhões de novas linhas. E o PNBL vendeu 2,5 milhões de linhas, ou 50% do mercado total. Isto não pode ser considerado um resultado ruim", concluiu.