sexta-feira, 26 de julho de 2013

Exército quer apoio do Minicom para conectar hospitais

Ministro destacou importância do satélite que o país pretende lançar no sentido de conectar áreas remotas


O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, e o secretário-executivo interino, Genildo Lins, receberam na tarde desta sexta-feira (26) o general Sérgio Westphalen Etchegoyen, chefe do departamento pessoal do Exército Brasileiro.

Acompanhado de outras autoridades do Exército, como o vice-chefe do departamento de pessoal, Marco Edson Gonçalves Dias, e o responsável pelo departamento de direitos de saúde, Josemar Câmara Feitosa, o general demonstrou a intenção de buscar apoio do Ministério das Comunicações para interligar os hospitais militares do país. Segundo ele, a conexão entre esses centros tem potencial não só para telemedicina, mas também para a educação.

Bernardo afirmou que se trata de um projeto de suma importância para o país e afirmou que o governo tem se empenhado em ampliar as redes de conexão em regiões desprovidas de rede de fibra óptica, como a Amazônia e as áreas de fronteiras com outros países. Bernardo reforçou ainda a importância estratégica do satélite que o governo vai lançar em breve, tanto para as comunicações militares quanto para o fornecimento de internet em regiões remotas.

Genildo Lins informou que a proposta do Exército será analisado por uma equipe técnica do Ministério das Comunicações, que contará também com apoio da Telebras.

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Snowden y el anillo óptico

Télam - 25/07/2013

Parece que el ex espía de la CIA, Edward Snowden, dejará de ambular por los pasillos del aeropuerto de Moscú, y permiso del gobierno del Putin mediante, pisará finalmente tierra rusa. Más allá del destino de Snowden, lo más relevante ya ocurrió: ahora sabemos que el gobierno norteamericano tiene un programa (conocido por sus siglas, PRISM) que le permite interceptar mails, archivos digitales, cuentas de redes sociales, chats, etc, de ciudadanos de todo el mundo. Básicamente, a través de la información que le suministran las principales empresas que operan en Internet (Microsoft, Google, Apple, Facebook, etc).

La noticia repercutió en la región cuando los gobiernos sudamericanos advirtieron que sus dirigentes y funcionarios también eran parte del listado de espiados por las agencias de seguridad de EEUU.

Vuelve relevante preguntarse, ya no en modo de usuario-individual-globalizado, sino como parte de una ciudadanía política regional, en qué situación de dependencia informática se encuentra América latina, cuando la estructura de comunicación más importante de nuestra época puede ser monitoreada por un manojo de burócratas de mediano rango.

Primero una constatación. La “era de la información”, para desengaño de los posmodernistas y de la propia filosofía virtual ligada a Internet, reafirma la idea de un mundo donde el poder está, sorprendentemente, hiper localizado. Y al viejo estilo: concentrado en algunas pocas naciones, en detrimento del resto.

En los últimos tiempos, Internet, con su espejo de horizontalidad y aparente libertad sin límites, terminó siendo la plataforma de escándalos internacionales que vienen a mostrar que el mundo, para bien y para mal, sigue funcionando con una lógica no tan distinta a la del siglo pasado.

Si Wiikileaks muestra que una fisura en la seguridad de la diplomacia norteamericana puede terminar con millones de cables secretos desparramados en las redacciones de cualquier diario del mundo, el caso Snowden plantea el reverso de ese escenario: la circulación y almacenamiento de la información que pasa por Internet está en las mismas manos que la mayoría de las cosas que importan a la hora de definir el rumbo internacional (las armas, los dólares, la tecnología, etc). Y ese dominio del ciber espacio es usado por EEUU para, obviamente, aumentar el control sobre lo que piensan y dicen la personas influyentes, sin reparar si son políticos sudamericanos, empresarios chinos o cualquier otra especie humana potencialmente relevante para la “seguridad norteamericana”.

Hasta ahora, en parte porque la comprensión del “mundo virtual” está demasiado tamizada por por la experiencia individual, los “miedos” se concentran en el uso de la información que pueden hacer unas pocas empresas (norteamericanas) de Internet. Es decir, una serie de plataformas, programas, y servicios de comunicación de los que no tenemos, como ciudadanía, ninguna posibilidad de control.

Sin embargo, los problemas no terminan ahí, solo se vuelven visibles. Si nuestra región, supongamos, tuviera su “propio” Google o Facebook, y esas empresas se ajustaran a leyes locales, todavía ocurriría que al enviar un mail a un amigo esa información, en casi todos los casos, pasará primero por EEUU antes de llegar a su bandeja de entrada.

Esa extrañeza tiene que ver con que Internet, a pesar de su “virtualidad” existe y funciona porque tiene su “materialidad”. Cientos de miles de kilómetros de cables, en su inmensa mayoría subacuáticos, conectan a los cinco continentes. Una trama de fibra óptica obliga a que la información, lejos de estar en la horizontal y democrática “nube”, pase por algunas fronteras bien precisas y permita así, que algunos países sean en los hechos los dueños del caudal informativo y tengan en su poder la llave para desconectar y conectar al resto.

El caso de América latina es particularmente claro: el 80% de su tráfico internacional pasa por Estados Unidos. Cualquier información del mundo que llegue a nuestro continente, hace una parada previa por las redes norteamericanas. Y lo mismo su salida.

Al menos desde 2011, el gobierno de Brasil tiene una lectura categórica sobre cómo funciona Internet. A través del portavoz del ministerio de Relaciones Exteriores decía: "hoy en día, la gestión de flujos de información está muy concentrada. No es inclusiva, no es segura, no es justa, ni es deseable. La idea es agregar nuevos actores, ya que el manejo de Internet está hoy en manos del gobierno norteamericano".

Y para eso, como para casi todo, lo primero es construir una infraestructura propia. En ese sentido, toma relevancia el proyecto de la Unasur de crear un tendido propio que arme un anillo de fibra óptica, rodeando la geografía de América del Sur. 10.000 kilómetros de tendido de cables por debajo del océano se calcula que necesita la región para estar interconectada por su propios medios. Ese tendido ya fue aprobado como parte del programa de inversiones estratégicas de Unasur, en una reunión que se llevó a cabo en Asunción en marzo de 2012 y se espera que en dos años esté lista.

Muchas veces se trata de conectar los sistemas nacionales. El 18 de junio pasado, los gobiernos de Brasil y Uruguay anunciaron la primera interconexión de sus redes de fibra óptica, a través de las empresas públicas respectivas, Telebrás y Antel. Hace unas semanas, Bolivia informó oficialmente que también será parte del anillo de fibra óptica sudamericano. Tratándose de un país sin salida al mar, el interés pone de manifiesto el segundo objetivo del anillo. Un sistema de interconexión propio permitirá la conectividad de las zonas interiores del continente, a precios más razonables y mayor velocidad que en la actualidad. Hoy, los costos de tener internet para algunos países y regiones bajo el esquema de “dependencia” norteamericana, resultan en comparación cuatro veces más caro que, por ejemplo, el continente europeo.

FInalmente, aún resolviendo la cuestión de la infraestructura, el avance para generar algún tipo de soberanía informática deberá contemplar el desarrollo de software propios o, por lo menos, la masificación del uso de tecnología libre, escapando de la lógica de las patentes y licencias privadas.

Como pasos aún iniciales, se destacan los avances en Brasil y Venezuela, donde los gobiernos nacionales crearon normas y disposiciones para comenzar la migración de la administración pública de los sistemas de patentes hacia los software libres. En Brasil se hicieron avances parciales en algunos ministerios y estados municipales. El 26 de junio pasado Caracas fue la sede del IX Congreso de Software Libre, auspiciado por el gobierno y que busca dar impulso a un cambio tecnológico en todas las instancias públicas que, a esta altura de la masificación del uso de las tecnologías digitales es, también, un cambio cultural.

En un contexto donde el ímpetu de la integración regional parece, por lo menos, haber entrado en pausa, el éxito en la construcción del anillo de fibra óptica puede volverse un signo para su relanzamiento. Más aún porque está vinculado con un área donde la integración tuvo todavía mucha más poesía que realizaciones palpables, como es la infraestructura.

Los “escándalos” informáticos que asomaron en lo que va del siglo XXI están dando señales que parte de la disputa por la forma que tendrá el mundo que viene está ligada al control político de esta tecnología. Como en otras tantas áreas, por ahora nuestra región tuvo más éxito en mostrar una intención de cambiar el rumbo que en mostrar resultados concretos de esa voluntad. Como el pobre Edward Snowden, vive en un limbo con la promesa diaria de llegar a destino.

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Telebras implanta rede de segurança contra ataque de hackers

TVNBR - 23/07/2013


A Telebras está implantando uma rede de fibra ótica em todo o Brasil que impede possíveis interceptações, como ataques de hackers. A tecnologia utilizada é 100% nacional. 

Para falar sobre o tema, o NBR Entrevista convida o presidente da Telebras, Caio Bonilha.




terça-feira, 23 de julho de 2013

Telebras licita backhaul e negocia com prefeituras

Convergência Digital :: 03/07/2013

A Telebras sabe que o calcanhar de aquiles para ampliar a oferta de serviços está no backhaul - infraestrutura que permite à interligação com o backbone. E para acelerar a sua construção, a estatal está pressionando os seus fornecedores. Ainda em julho, revela o presidente da empresa, Caio Bonilha, vai ser realizado um pregão para contratar rádios com 1Giga de capacidade.

"Temos dificuldades de levar fibra a todos os lugares para o backhaul. O rádio é uma solução para chegarmos aos provedores. Tivemos problemas no fornecimento nos últimos meses, por conta da demanda do 4G das teles. Mas já regularizamos a entrega e estamos interligando cerca de 50 localidades com rádio. Mas queremos maior capacidade para escoar o tráfego de voz e dados", detalhou Bonilha, que participou nesta quarta-feira, 3/7, do Broadband Latin America, evento realizado na capital paulista.

Segundo ainda o executivo, o backbone da Telebras já está com 25 mil quilometros e possui 1187 provedores de Internet cadastrados no banco de dados para atendimento. Mas, hoje, apenas 100 já estão atendidos e consumindo cerca de 500 gigabits da infraestrutura. "Vem daí a nossa necessidade de investir em backhaul. Aliás, acho que é preciso compartilhar o backhaul. E estamos abertos a negociar", ponderou. A Telebras, informou ainda Bonilha, já está ampliando nos pontos de maior demanda - Rio, São Paulo e Brasília - a capacidade para 100 gigabits.

Dentro desa linha de expansão do backbone para as pontas do acesso, a Telebras espera fechar acordo com as prefeituras para expandir os anéis metropolitanos. "Eles podem ser bons parceiros porque, agora, poderão monetizar o investimento", avalia Bonilha. No caso do Rio de Janeiro, por exemplo, já foram fechados acordos com a prefeitura para atender Jacarepaguá, na Zona Oeste, onde boa parte dos esportes das Olimpiadas 2016 estará concentrada. Também já há uma linha sendo puxada para a Ilha do Governador, para atender o aeroporto do Galeão. "Fechamos também com a Prodabel, em Belo Horizonte, para termos anel óptico metropolitano interligando a capital mineira e outras nove cidades da zona metropolitana", acrescenta.

"O desafio que nos impõe é fazer essa rede (backbone com 25 mil km) dar dinheiro. Monetizar o investimento. Essa equação é nossa e de todas as teles. No nosso caso, vamos nos preparar para oferta de serviços", explicou Bonilha. Mas toda essa parte de serviços ficará para 2014. Oferta de CDN - Content Delivery Network - é um dos meios para ganhar dinheiro.

"Os provedores, por conta da Lei do SeAC (que permite que eles possam ofertar vídeo e voz), querem mais rede. Queremos ser essa opção, mas precisamos investir em equipamentos de cache. Já conversamos com fornecedores, mas precisamos antes finalizar a rede para a Copa do Mundo nas 12 cidades-sede", acrescenta o presidente da Telebras.

Copa do Mundo - Cuiabá e Manaus são os pontos fracos
Com relação à Copa do Mundo, a Telebras acredita que as cidades de Cuiabá e Manaus - que não estão na rota do backbone da Telebras - são as mais 'complicadas' para atendimento das exigências da FIFA. Mas para isso, a empresa negocia com as operadoras. "Vamos apostar no swap de fibra para capilarizar esas áreas". O prazo que a Telebras trabalha é encerrar toda a parte de infraestrutura de telecom até dezembro de 2013. "Vamos trabalhar duro para chegar a meta. Na Copa das Confederações, o nosso teste, fomos aprovados pela FIFA", destacou.

Bonilha foi bastante político ao comentar o corte de R$ 43 milhões determinado pelo Congresso no Orçamento da Telebras - em função das manifestações populares contra recursos destinados à Copa do Mundo. Segundo ele, o corte aconteceu no orçamento do ministério das Comunicações, que saberá resolver a questão de aportes na estatal. "O orçamento nos limita. O lançamento de cabos submarinos para melhorar a conexão internacional e reduzir o custo da Internet depende de recursos que ainda não estão liberados", completa o presidente da Telebras.
Compra de satélite brasileiro mobiliza mercado da defesa

O Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações (SGDC) deve entrar em funcionamento em 2016.


O Brasil se prepara para adquirir seu próprio satélite. O governo deve anunciar nas próximas semanas o vencedor do contrato avaliado inicialmente em 1 bilhão de reais que vem movimentado o mercado da defesa. A Telebrás e a Embraer, são as encarregadas da compra através do consórcio Visiona. Três empresas foram pré-selecionadas e estão na disputa. São elas: a japonesa Mitsubishi Eletric Company, a norte-americana Space Systems Lora,l que agora integra o grupo canadense MDA, e a franco-italiana Thales Alenia Space, que adquiriu a brasileira Omnisys, em São Bernardo do Campo.

De extrema importância estratégica, o Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações (SGDC) deve entrar em funcionamento em 2016. Ele vai garantir a autonomia do governo brasileiro para a vigilância do território nacional. Além das fronteiras de floresta, outra grande preocupação brasileira é seu vasto espaço marítimo, onde, por exemplo, é extraída a maior parte do petróleo brasileiro.

O satélite também terá funções civis. Ele vai levar Internet para todo país, incluindo a plataforma marítima continental, aumentando a agilidade nos negócios e trabalhando para a inclusão digital, como parte do Programa Nacional de Banda Larga. Em entrevista à RFI, engenheiro de armamentos e diretor adjunto do Instituto de Altos Estudos de Defesa Nacional (IHEDN) em Paris, Robert Ranquet, explica como funciona essa tecnologia e fala da importância da posse de um satélite próprio na era da ciber-espionagem.
Prodest, Telebras e RNP vão atuar na expansão do Programa Nacional de Banda Larga no ES

Portal do Governo do Estado do Espírito Santo - 23/07/2013

O Instituto de Tecnologia da Informação e Comunicação do Estado do Espirito Santo (Prodest) e a Telebras estão concluindo as negociações para que o backbone (rede principal) da empresa federal atenda a um maior número de municípios capixabas.

Está sendo agendada para agosto uma reunião envolvendo diretores da Telebras e representantes do Governo do Estado para fechar os detalhes, para que o backbone nacional integre municípios do litoral do Espírito Santo. Essa integração pode ser viabilizada por meio do Ponto de Troca de Tráfego (PTT) instalado no Prodest.

O PTT permite que o fluxo de dados dos provedores locais de Internet permaneça no Espírito Santo, o que aumenta a velocidade do acesso e a disponibilidade das informações. Outro benefício desse recurso é a redução de gastos com alternativas de conexão à Internet.

Na semana passada, o presidente do Prodest, Victor Murad Filho, e o da Telebras, Caio Bonilha, participaram do Workshop Conectividade, promovido pela Associação Brasileira de Entidades Estaduais de Tecnologia da Informação e Comunicação (Abep), em Brasília. No evento, eles também abordaram sobre o uso da infraestrutura de fibra óptica da Rede Nacional de Pesquisa (RNP) para expandir as ações do Programa Nacional de Banda Larga (PNBL) no Espírito Santo.

“A intenção do Governo Federal é também viabilizar o PNBL em todo o território capixaba. Então, vamos levar banda larga para o interior do Estado e propiciar ao cidadão os benefícios da alta velocidade, como serviços de governo mais céleres e banda larga a baixo custo”, enfatiza o presidente do Prodest, Victor Murad Filho.
‘Entrega’ das comunicações a estrangeiros deixou país vulnerável à espionagem

Monitor Mercantil - 22/07/2013

O que tornou o Brasil vulnerável à espionagem dos Estados Unidos foi a privatização das telecomunicações. A afirmação é do engenheiro Telmo Cardoso Lustosa, membro do Conselho Diretor do Clube de Engenharia, ao comentar críticas veiculadas na mídia ao ministro das Telecomunicações, Paulo Bernardo.

De acordo com Lustosa, que participou da equipe da Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE) na gestão de Samuel Pinheiro Guimarães, o “pecado” de Bernardo é não dar seguimento ao plano do ex-presidente Lula, “de fortalecer a Telebrás e tratar a internet como um serviço público”.

O engenheiro, que representa o Clube de Engenharia na Frente Parlamentar pela Liberdade de Expressão e o Direito a Comunicação, coordenada pela deputada Luiza Erundina (PSB-SP), sublinha que nenhum país desenvolvido entregou o controle das comunicações a empresas privadas, muito menos estrangeiras. “A própria área militar hoje está muito preocupada. Os satélites que tínhamos estão nas mãos de uma empresa mexicana, após passarem por uma americana”, argumenta.

Lustosa acrescenta que mesmo o satélite sendo estrangeiro e lançado de bases não controladas pelo Brasil poderia ser controlado pelo Estado, algo que não está ocorrendo. “Antes o controle dos satélites era feito pela Embratel, o que não mais ocorre. Temos tecnologia para fabricar pequenos foguetes e satélites, desenvolvida em São José dos Campos, em parceria com a China e depois com a Ucrânia. Mas os americanos estão pressionando contra e o projeto não está caminhando”.

O engenheiro reitera que Paulo Bernardo não deu continuidade ao que Lula deixou encaminhado. “A Telebrás continua com orçamento limitado. O ministro tem defendido as teses das empresas, tanto ao não considerar a internet como serviço público, quanto ao fazer o discurso da direita em relação à liberdade de expressão quando o assunto é radiodifusão”, resume.

segunda-feira, 22 de julho de 2013

Brasil está exposto à espionagem graças a Paulo Bernardo, diz ex-presidente da Telebrás

O lobby venceu a soberania

O Brasil está tão exposto à espionagem telemática, diz Rogério Santanna, graças a Paulo Bernardo

Carta Capital - 22/07/2013

O Brasil poderia estar mais protegido da espionagem dos Estados Unidos denunciada pelo ex-agente da CIA, Edward Snowden, se o governo não tivesse abandonado a ideia de revigorar a Telebrás, acredita o ex-presidente da estatal Rogério Santanna.

A recuperação da companhia e seu uso estratégico eram pilares do Plano Nacional de Banda Larga lançado em maio de 2010. Segundo o PNBL, a Telebrás assumiria a rede de órgãos públicos, por exemplo, (após três anos, só a Presidência e o Exército têm o serviço). Também seria um ponto de apoio a empresas brasileiras de telecomunicações, como a Petrobras faz no petróleo.

Santanna foi o primeiro presidente da nova Telebrás, mas deixou o cargo em maio de 2011, após se ver enfraquecido em Brasília. Segundo ele, o PNBL está emperrado por força do lobby das operadoras privadas de telefonia, crescente desde a nomeação de Paulo Bernardo para o Ministério das Comunicações.

CartaCapital: Por que não foi possível levar adiante os planos do PNBL para a Telebrás?

Rogerio Santanna: O lobby das operadoras foi mais forte do que a intenção de soberania. Vimos claramente a Telebrás mudar de direção. Ela se tomou uma empresa fornecedora de infraestrutura para as grandes operadoras privadas.

CC: Em que momento se deu isso?

RS: Com a ascensão do ministro Paulo Bernardo. Desde o início ele deu sinais de que levaria a política de telecomunicações mais para perto das operadoras. Ele chegou a se declarar, pelo Twitter, como “o ministro das teles”. Parece que ele vem cumprindo bem esse papel.

CC: Como o ministro Paulo Bernardo interferiu nos rumos da Telebrás?

RS: Ele nunca conversou comigo sobre qualquer orientação estratégica nem liberou os recursos combinados. A primeira transferência de dinheiro do governo para a Telebrás foi feita exatamente no dia em que eu saí. Como diria Maquiavel. é mais importante saber o que um governo pretende olhando onde ele bota as mãos do que olhando onde bota as palavras.

CC: Por que acha que o ministro agiu assim?

RS: É uma orientação do grupo político dele. Ele é o padrinho do presidente da Anatel, o João Rezende, que claramente tem essa posição. Não sei se por opção ideológica ou outra razão, mas não fazia parte dos planos do ministro dar à Telebrás o papel que havíamos concebido no governo Lula. Infelizmente, o PNBL teve pouco tempo de governo Lula para ser consolidado. Na prática, ele só iria funcionar no governo Dilma.

CC: Nada foi feito como previsto no PNBL original?

RS: Muitas das coisas concebidas no governo Lula não foram executadas, a começar pelo Orçamento. Havia uma previsão orçamentária de 1,4 bilhão de reais. Primeiro, ela foi reduzida a menos da metade e depois não foi executada. A Telebrás deveria criar uma infraestrutura para dar suporte à conexão do governo. Para acalmar a sanha das teles, logo no início o ministro disse que a Telebrás não iria prestar esse tipo de serviço, que ia se concentrar em fornecer backbone, espinha dorsal da rede de cabos que corta o País, para pequenos provedores. Ele não quis tirar o filé mignon das teles, que cobram preços absurdos pelos maus serviços prestados ao governo.

CC: Pelo PNBL, o que a Telebrás faria para o Estado brasileiro?

RS: Forneceria um backbone estratégico para as grandes conexões do governo, como aquelas do Serviço Federal de Processamento de Dados, da Dataprev, a empresa de tecnologia e informações da Previdência Social, e até das Forças Armadas Todas essas conexões são contratadas hoje das operadoras tradicionais.

CC: A falta desse backbone estratégico deixa o Brasil exposto?

RS: E um conjunto de coisas. A primeira foi abrir mão da soberania em satélites, uma decisão surreal para qualquer país do porte do Brasil. O satélite da Embratel foi vendido na privatização. A segunda é não ter soberania em cabos submarinos. Hoje, 90% da internet brasileira passa pelos Estados Unidos. Mas o pior é não deter tecnologia em telecomunicações. Até temos empresas promissoras que, com algum incentivo, poderiam crescer e ajudar o governo a ter autonomia. Os chineses e os indianos fazem isso. Quem não tem tecnologia nessa área não sabe o que está comprando.

CC: O Brasil está indefeso?

RS: Não há como estar seguro sem algum nível de controle tecnológico.

CC: Ainda dá para reverter a situação?

RS: Não é um projeto que se resolva por decreto e do dia para a noite. Depende de várias frentes, de uma coordenação nacional. O Brasil tem empresas excelentes que, com investimento e incentivo, poderiam desenvolver soluções próprias. A Telebrás poderia progressivamente assumir a linha de frente, só depende de orientação estratégica. Um país que tem a Petrobras e a Embraer pode ter qualquer empresa de tecnologia.

CC: Quanto a Telebrás precisaria investir para proteger o Estado?

RS: Nem é tanto questão de dinheiro, é de decisão. Mas, se o PNBL concebido no governo Lula tivesse sido executado, estaríamos melhores. Espero que o caso Snowden seja também uma oportunidade para o País entender algumas coisas. Estamos numa posição muito tímida até agora. Devíamos convidar Snowden para vir e explicar o que sabe. Qual era, por exemplo, o papel da Booz Allen? Essa empresa foi uma grande prestadora de serviços no governo Fernando Henrique e, pelo que Snowden disse, era quase uma filial da bisbilhotagem dos serviços norte-americanos. Pelo menos 80 multinacionais do setor, entre telefônicas, firmas de software e de segurança na rede dão suporte à vigilância, segundo a revista alemã Der Spigel.
Saiba quais são os projetos do governo que vão ajudar a aumentar a privacidade do usuário

Conexão MiniCom - 22/07/2013

Três projetos do Ministério das Comunicações vão aumentar o número de saídas de dados do Brasil e, assim, fortalecer a proteção ao usuário da rede mundial de computadores. Hoje, a maior parte das informações da internet passa pelos Estados Unidos.

A ideia do Brasil é criar uma rede de fibras ópticas na América do Sul, construir novos cabos submarinos e lançar um satélite próprio. Conheça essas propostas na reportagem da TV MiniCom, produzida pela Assessoria de Comunicação Social do Ministério das Comunicações.
.