quarta-feira, 29 de maio de 2013

Entre janeiro e abril, Telebras executa 4% de seu orçamento

Exame - 29/05/2013

As estatais ligadas ao Ministério das Comunicações, juntas, executaram 6,9% do total de investimentos para a área, que é de R4 1,4 bilhão para o ano.

De janeiro a abril, os Correios aplicaram R$ 74 milhões dos R$ 831 milhões destinados à empresa, uma execução de 8,9%. Já a Telebras executou no período 4% de seu orçamento de R$ 568,8 milhões, ou seja, nos quatro primeiros meses do ano, a empresa fez investimentos de R$ 22,7 milhões.
Presidente da Telebras será um dos palestrantes no 6º Fórum Internacional de TI Banrisul

Profissionais TI - 29/05/2013

Muito se fala no uso de computação em nuvem (cloud computing) para as mais diversas aplicações, com o consequente fim dos grandes data centers de uso privativo. Os visionários e usuários otimistas apontam para as vantagens, que são inquestionáveis, e dizem que nos próximos anos essa será a tônica do mercado, enquanto outros questionam aspectos de segurança e disponibilidade.

A sexta edição do Fórum Internacional de TI Banrisul, seguindo a sua tradição de discutir as tendências de mercado, explorará esse tema nos seus diversos aspectos e visões. Contará com especialistas nacionais e internacionais nas áreas do direito, segurança, tecnologia e negócios, reunidos em Porto Alegre para discutir os caminhos presentes e futuros que conduzirão a mais essa quebra de paradigmas nas empresas do mundo todo.

Dentro dessa visão geral abordará a situação atual e perspectivas para governos, bancos, grandes empresas do segmento comercial e industrial, entre outros, considerando que é uma tendência irreversível e que virá a contribuir para a dinâmica e a produtividade em diversas áreas de negócios.

Estão confirmadas as presenças de profissionais e executivos do Google, Amazon, Gartner, IDC, IBM, Telebras, ITI – Instituto Nacional de Tecnologia da Informação da Casa Civil da Presidência da República, FEBRABAN, PROCERGS, Banco do Brasil, Banco de Brasília, GetNet, ITAUTEC, Gemalto, Revista TI Inside, Opice Blum Advogados e PromonLogicalis.

Cabe um destaque especial ao painel internacional com a abordagem do cenário de cloud computing na Rússia, Alemanha e Estados Unidos da América, com a participação da Rostelecom russa, da G&D Giesecke & Devrient alemã e da Vasco americana. No encerramento o evento contará com a participação de Luli Radfahrer, professor-doutor de comunicação digital da USP e autor do livro “Enciclopédia da Nuvem”.

São aguardadas para o evento mais de 2 mil participantes, entre executivos, especialistas, estudantes e público em geral. Os inscritos que estiverem presentes nos dois dias do evento receberão um Certificado de Participação.

As inscrições são gratuitas e limitadas. Maiores informações podem ser encontradas no site do evento.


Acordo com a Telebras amplia serviços digitais em Vinhedo

Presidente da Telebrás fez referências positivas ao projeto SIM Vinhedo Digital, implantado pela Prefeitura no município para garantir aos cidadãos o direito de acesso gratuito à internet e as informações públicas

Prefeitura de Vinhedo - 28/05/2013

Com o objetivo de ampliar os serviços digitais em Vinhedo, o prefeito de Vinhedo, Milton Serafim, esteve em Brasília na semana passada para assinar o Termo de Cooperação Técnica com a Telebrás – Telecomunicações Brasileira S/A – vinculada ao Ministério das Comunicações.

A celebração da parceria ocorreu no gabinete do presidente da Telebras, Caio Cezar Bonilha Rodrigues, com foco no intercâmbio de conhecimento técnico; troca de informações; execução e gestão de projetos; e à integração da rede de telecomunicações federal com a rede de telecomunicações de Vinhedo para implementação do Programa Nacional de Banda Larga – PNBL – em sintonia com os investimentos realizados no Brasil à Copa das Confederações de 2013 e Copa do Mundo de 2014.

Entre os objetivos do acordo entre a Prefeitura de Vinhedo e a Telebras destacam-se o desenvolvimento de projetos em áreas de interesse comum, particularmente aqueles de pesquisa e desenvolvimento tecnológico de redes e suas aplicações avançadas para a expansão das infraestruturas; integração e compartilhamento de espaços físicos para alocação de equipamentos e de infraestrutura de telecomunicações visando à otimização do uso destes recursos; fortalecimento e criação das alternativas de pontos de troca de tráfego que possam agregar-se a outras redes. 

O termo de cooperação também prevê a realização de estudos e pesquisas de desenvolvimento de produtos, intercâmbio de conhecimento técnico, realização de cursos e programas de treinamento; constante reavaliação dos serviços de telecomunicações envolvidos nos compartilhamentos e cessões de infraestrutura, a fim de preservar padrões mínimos de desempenho; e a capacitação dos recursos humanos quanto a tecnologia da informação e comunicação.

Com a parceria, a Telebras deve disponibilizar gratuitamente sua rede de backbone de cobertura nacional para ser conectada à rede municipal de comunicação (projeto SIM Vinhedo Digital), através de cabos de fibra ótica de alta capacidade de fluxo de dados. “Como o cabo de fibra ótica da Telebras passa às margens da Rodovia dos Bandeirantes será possível conectá-los aos anéis de fibra ótica do SIM Vinhedo Digital, projeto da Prefeitura que garante aos cidadãos o direito de acesso gratuito à internet e as informações públicas. O SIM atinge hoje 70% do território da cidade, facilitando o acesso aos serviços públicos. Esta possibilidade de conexão com a rede da Telebras pode proporcionar uma economia muito grande ao município, que hoje paga pelo serviço de transporte de fluxo de dados à empresa de telefonia. Além disso, esta rede de transporte de dados comporta um futuro crescimento populacional e empresarial em Vinhedo em relação ao acesso à internet”, explicou o prefeito Milton Serafim.

Para execução deste plano de trabalho, o Termo de Ajustes define, ainda, a trocas de todas as informações técnicas necessárias visando à integração das redes de telecomunicações para suporte PNBL; troca de tráfego de serviços e equipamentos para Tecnologia de Informação e Comunicação – TIC e sobre licença de uso de softwares; além de apoiar as ações de interesse comum, incluindo a cessão ou compartilhamento das infraestruturas das capacidades de redes.

A confidencialidade dos dados e informações para o desenvolvimento do plano de trabalho faz parte do acordo firmado entre a Prefeitura e a Telebras. A vigência do Termo é de 60 meses, podendo ser prorrogada.

PNBL
O Programa Nacional de Banda Larga tem como objetivos massificar o acesso a serviços de conexão à internet em banda larga; promover a capacitação da população para o uso das tecnologias de informação e a inclusão digital; além de ampliar os serviços de Governo Eletrônico e facilitar aos cidadãos o uso dos serviços.

SIM Vinhedo Digital
Durante a reunião, o presidente da Telebras fez referência positivas ao projeto implantado em Vinhedo desde o ano passado. O SIM Vinhedo Digital atua em três fases: planejamento estratégico da informação; implantação de uma matriz de dados única; e criação de uma rede pública e gratuita de internet aos cidadãos.

A rede implantada tem mais de 40 km de fibra ótica interligando todos os prédios públicos (escolas, prefeitura, unidades de saúde, etc) e mais de 50 antenas de rádio para distribuição de sinal de internet até a cada do cidadão.

Também participaram da reunião em Brasília o diretor de Convênios da Prefeitura, Bruno Dorigon e o superintendente da Sanebavi – Saneamento Básico Vinhedo – Odair Seraphim, o Canjica.

terça-feira, 28 de maio de 2013

Após aprovação também no Senado, Telebras é a operadora oficial dos grandes eventos

Agência Senado - 28/05/2013

O Projeto de Lei de Conversão (PLV) 10/2013 foi aprovado nesta terça-feira (28) pelo Plenário do Senado. O projeto, decorrente da Medida Provisória 600/2012, trata de 18 assuntos, sendo 11 previstos no texto original e outros sete acrescentados por meio de emendas parlamentares. A proposta, que perderia a validade na próxima segunda-feira (3), foi aprovada apesar dos votos contrários do PSDB.

O PLV 10/2013 também atendeu a acordo firmado entre o governo brasileiro e a Federação Internacional de Futebol (Fifa) sobre a oferta de telecomunicações nos jogos da Copas das Confederações e da Copa do Mundo. O projeto altera a Lei Geral da Copa (Lei 12.663/2012 ) para permitir a contração, com dispensa de licitação, da Telebras e da Telebras Copa, sua subsidiária. A liberação valerá para outros eventos internacionais sediados pelo Brasil, como a Jornada Mundial da Juventude, marcada para julho no Rio de Janeiro.

A Telebras será responsável pela implantação da infraestrutura necessária para os eventos, como redes de fibra óptica metropolitana, links de satélites nas estruturas chave e ligação via rádio nos campos base das seleções e equipes que participarão dos eventos. Além disso, a subsidiária terá isenção e suspensão do ICMS (imposto estadual) nas operações e prestações de serviços relacionadas aos eventos.

O líder do PT na Casa, senador Wellington Dias (PI), reforçou a importância da proposta para o país, considerando-a “estratégica para o povo brasileiro”. Entre outras características positivas do texto, ele destacou a agilidade para contratação de serviços de telecomunicações para os grandes eventos que o Brasil receberá nos próximos anos.
Após 2 anos de silêncio, Telebras está pronta para falar com investidores

Caio Bonilha, presidente da Telebras: mais de cem contratos assinados com operadoras privadas e acordos para troca de capacidade em fibra óptica


A companhia estatal de telecomunicações Telebras está finalmente pronta para conversar com seus investidores, mais de dois anos depois de ser reativada como uma provedora de internet banda larga.

"Nós temos uma comunicação fraca com o mercado", reconheceu o presidente Caio Bonilha, em entrevista. "Nós teremos nossa primeira teleconferência com analistas no próximo mês [junho], após dois anos trabalhando em silêncio." Bonilha pode ter boas notícias para investidores, como a Telebras estar próxima de deixar o prejuízo operacional neste ano. Em 2012, a companhia reportou perdas operacionais de R$ 4,8 milhões.

A Telebras, antigo monopólio de telecomunicações desmantelado em uma grande privatização em 1998, foi reativada em 2010 como um veículo para instalar infraestrutura de internet para áreas distantes e pouco povoadas do Brasil, negligenciadas por outras operadoras. A companhia é controlada pelo governo, mas cerca de um quarto de suas ações está nas mãos de investidores privados.

A Telebras também se tornou responsável por equipar estádios de futebol brasileiros com redes de acesso à internet para a Copa das Confederações, neste ano, e a Copa do Mundo, em 2014. A empresa também oferecerá serviços de dados para a transmissão dos jogos.

A Telebras assumiu 25 mil milhas (402,3 quilômetros) de redes de fibra óptica que tinham sido colocadas em rotas de companhias estatais, como a geradora de energia elétrica Eletrobras.

Para a compra e instalação de equipamentos para ativar e instalar a rede de fibras ópticas, a companhia gastou R$ 240 milhões, disse Bonilha. Muitas das conexões potencialmente valiosas ficaram inativas por anos, pois as companhias do setor privado não mostraram interesse em estender as redes de internet de alta velocidade para áreas onde há poucas pessoas, e mesmo algumas cidades pequenas ou grandes cidades distantes da costa densamente povoada, afirmou o executivo.

Em vez de deixar a tarefa para o setor privado, o governo decidiu assumir a tarefa, em 2010. "Era uma questão sobre o ovo ou a galinha", afirmou Bonilha. "Conforme as áreas se desenvolvem, se tornam mais atrativas. A pergunta é: quem vai primeiro? O setor privado vai quando a região já possui infraestrutura. Nós, como empresa estatal, não temos essa necessidade."

A Telebras recuou das ambições iniciais. No início de 2011, estimou uma meta de investimentos de R$ 9,8 bilhões, mas Fabrício Santos Limoeiro, diretor de relações com investidores, disse que o número "não reflete a atual projeção de recursos para a companhia."

"Acreditamos que este não é o momento de emitir ações no mercado, pois estamos ainda no estágio inicial da operação", afirmou Limoeiro.

Mesmo quando disponível, a internet de banda larga pode ser cara. Em algumas áreas, usuários ainda pagam quase US$ 200 por megabit, disse Bonilha, ante US$ 40 por pacotes de 15 megabit disponíveis nas áreas urbanas.

As empresas de telecomunicações privadas têm sido muito ativas nas capitais densamente povoadas do país, mas não muito além disso. "No Norte do país, não há competição porque não há lucro", diz Alex Pardellas, analista na CGD Securities. Ele acrescenta que a penetração continua baixa em muitas áreas urbanas e as empresas privadas devem manter o foco nas cidades.

Bonilha disse que a Telebras assinou mais de cem contratos com operadoras privadas, incluindo algumas das maiores do setor, como TIM e Oi, para que possam usar o segmento principal da rede de telecomunicações (backbone) da Telebras em áreas pouco povoadas. Algumas vezes os acordos envolvem a troca de capacidade de fibra óptica ou uma tarifa de leasing paga à Telebras.

O conselho de administração da Telebras anunciou recentemente a proposta de reduzir o capital da companhia, de R$ 719,4 milhões para R$ 263,1 milhões, sem diminuir a quantidade de ações, com o objetivo de absorver o saldo de prejuízos acumulados. A proposta foi aprovada pelo conselho fiscal, informou ontem a companhia. Falta agora a aprovação dos acionistas da empresa.

Em comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), o conselho fiscal da Telebras ponderou que a proposta está em conformidade com a Lei das Sociedades por Ações em seu artigo nº 163, e com o Estatuto Social da companhia.

segunda-feira, 27 de maio de 2013

Assembleia aprova redução de capital social da Telebras

Teletime - 27/05/2013

A decisão de reduzir o capital social da Telebras foi aprovada em assembleia geral extraordinária, conforme publicado pela empresa à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) nesta segunda-feira, 27. 

O conselho fiscal da empresa examinou e corroborou a proposta, que visa à redução de 63,42% do capital social, totalizando então R$ 263.145.011,82, sem alterações na quantidade de ações emitidas. A ideia é absorver o saldo remanescente de prejuízos acumulados.

A manobra foi aprovada pelo conselho de administração da Telebras em assembleia geral ordinária no dia 4 de abril, com a deliberação da Assembleia Extraordinária de Acionistas da empresa acontecendo no dia 20 de maio, mas só divulgada nesta segunda. O assunto agora será levado à consideração e deliberação da assembleia geral de acionistas, ainda sem data divulgada.
Telebras não planeja realizar IPO em breve, diz diretor [e poderá ter lucro operacional]

Bonilha pode ter boas notícias para dar, com previsões de que a Telebras zere seu prejuízo operacional este ano, após ter registrado uma perda de R$ 4,8 milhões no ano passado.


O diretor de relações com investidores da Telebras, Fabrício Santos Limoeiro, disse que a empresa não deve realizar uma oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) em breve. "Nós acreditamos que esse não é o momento para emitir ações no mercado, porque ainda estamos no estágio inicial de operações, nós somos uma start-up", comentou.

Em entrevista para a Dow Jones, o presidente da Telebras, Caio Bonilha, reconheceu que a empresa precisa melhorar sua comunicação com o mercado. "Nós temos tido uma fraca comunicação com o mercado. Nós teremos nossa primeira teleconferência com analistas em junho, após dois anos trabalhando em silêncio", comentou.

Bonilha pode ter boas notícias para dar, com previsões de que a Telebras zere seu prejuízo operacional este ano, após ter registrado uma perda de R$ 4,8 milhões no ano passado.

Ex-monopólio de telecomunicação, a Telebras foi desmantelada com a privatização em 1998 e ressurgiu em 2010 como um veículo para instalar infraestrutura de internet em regiões distantes de grandes centros. A companhia é controlada pelo governo, mas quase um quarto das suas ações está nas mãos de investidores privados.

Quando ressurgiu, a Telebras assumiu mais de 40 mil quilômetros de fibra ótica que estavam com companhias estatais, como por exemplo a Eletrobras. A companhia investiu R$ 240 milhões para comprar e instalar equipamentos para ativar esses cabos de fibra ótica, segundo Bonilha.

De acordo com o presidente, a empresa já assinou mais de 100 contratos com operadores do setor privado, incluindo grandes players do mercado, como TIM e Oi, para que eles possam utilizar a infraestrutura da estatal em áreas pouco povoadas. Em alguns casos os contratos envolvem um swap de capacidade de fibra ótica, em outros a Telebras cobra uma tarifa de leasing.

A Telebras também fechou recentemente um contrato de R$ 32 milhões para fazer a transmissão da Copa das Confederações. Além disso, a companhia quer ter um satélite em órbita até 2016. No mês passado, foram selecionadas três empresas para participar de uma disputa para construir o satélite: Mitsubishi Electric Corp., Space Systems/Loral e Thales Alenia Space.

domingo, 26 de maio de 2013

Senado votará MP que libera a Telebras de licitação para três grandes eventos

Insight - Laboratório de Ideias - 26/05/2013

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou, no dia 22 de maio, a Medida Provisória 600/12 que, entre outros itens, dispensa o processo licitatório para a contratação, pela administração pública federal direta ou indireta, da Telebras ou de empresa por ela controlada, para ser a empresa oficial para a prestação dos serviços de telecomunicações durante a Copa das Confederações de 2013, a Jornada Mundial da Juventude de 2013 e a Copa do Mundo de 2014.

A MP 600/12, juntamente com a MP 597/12, serão as primeiras a serem votadas no Senado nesta semana, dentro da nova regra de rejeitar MPs com prazo inferior a sete dias de validade. Como as duas MPs estão trancando a pauta e já foram aprovadas pela Câmara dos Deputados, a tendência é que sejam imediatamente votadas e aprovadas, a fim de que não percam a validade no dia 03 de junho.