sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Telebras tem rede segura para o governo, afirma Caio Bonilha

Telebras - 18/10/2013

A Telebras está preparada para fornecer a rede de fibra óptica estratégica para as telecomunicações seguras do governo federal em todo o País. A informação foi dada pelo presidente da Telebras, Caio Bonilha, no encerramento do XIV Seminário Nacional de Telecomunicações, em Curitiba.

Caio informou que a Telebras tem uma rede de fibra óptica de 25 mil km que interliga todas as regiões do País. Essa rede é utilizada no Programa Nacional de Banda Larga (PNBL), ofertando conexão em alta velocidade e baixo custo às regiões mais remotas. Em paralelo, a Telebras também construiu uma rede corporativa de alta capacidade e segurança para atender o governo. Essa rede utiliza só materiais nacionais e garante sigilo total das comunicações, destacou o presidente da Telebras.

Atualmente, a Telebras atende com sua rede estratégica à Presidência da República, ao Ministério da Defesa, ao Ministério das Comunicações, ao Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, além de outros órgãos do governo, como Exército Brasileiro, Correios, Dataprev e RNP – Rede Nacional de Ensino e Pesquisa.

“Estamos preparados para ampliar esse atendimento aos demais órgãos do governo federal em curto espaço de tempo”, ressaltou o presidente da Telebras, acrescentando que essa rede de fibra óptica de alta capacidade está sendo ampliada com esse objetivo.

Para garantir a segurança da rede, a Telebras trabalha apenas com equipamentos desenvolvidos no Brasil e que não se submetem às leis de outros países, com acompanhamento direto de engenheiros da própria Telebras, “o que permite um tráfego seguro de dados pela rede que atende diretamente o governo federal”, explicou o presidente Caio Bonilha.

Além da rede terrestre, Caio Bonilha explicou que a Telebras está finalizando o processo de aquisição do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC), projeto conjunto com os ministérios das Comunicações, da Defesa e de Ciência, Tecnologia e Inovação. Para isso, a Telebras se associou à Embraer e criou a empresa Visiona Tecnologia Espacial S.A, que será a integradora do satélite.

“O Ministério da Defesa vai operar a Banda X, para comunicações militares, enquanto a Telebras vai operar a Banda Ka, para comunicações estratégicas do governo federal e aumento do alcance do PNBL, incluindo Fernando de Noronha, Amazônia Azul e o Pré-sal”, ressaltou Caio Bonilha.

O presidente da Telebras também falou sobre o novo projeto de balões para levar sinal de internet a regiões isoladas do País, enquanto o satélite ainda não estiver em operação. O projeto está sendo desenvolvido pela Telebras em parceria com o INPE – Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. Os balões podem ser içados até uma altura de 300 metros e de lá cobrir áreas dentro de um raio de quase 100 quilômetros. Os testes serão realizados nos dias 12 e 13 de novembro, em Cachoeira Paulista, interior de São Paulo, onde o INPE possui uma unidade específica de balões.

Segundo informou o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, em audiência pública na Câmara dos Deputados, para garantir que a Telebras seja contratada sem licitação pelos órgãos da administração pública direta, o Conselho de Segurança Nacional vai qualificar a conexão dos órgãos do governo como estratégico. Essa foi a solução jurídica encontrada para garantir que a Telebras seja a fornecedora do serviço de dados que chega aos órgãos do governo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Se você tem conta no Google, identifique-se e deixe aqui seu comentário, com críticas, sugestões e/ou questionamentos.