quinta-feira, 11 de abril de 2013

Plano de banda larga deve receber R$ 125 bi em dez anos, diz ministro

Valor - 11/04/2013

O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, disse há pouco que a nova etapa do Programa Nacional de Banda Larga, que foi batizada de “PNBL 2.0”, já está com o valor estimado em investimentos em R$ 125 bilhões para os próximos dez anos. O custo é superior ao de R$ 100 bilhões anunciados anteriormente.

Se formos pegar as rede de longa distância, em cerca de R$ 27 bilhões de infraestrutura, e as redes de acesso nas cidades, com mais R$ 100 bilhões, estamos falando de algo em torno de R$ 125 bilhões em investimentos”, disse Bernardo. Segundo ele, o assunto foi discutido esta semana com a presidente Dilma Rousseff.

Para atender à demanda por redes de fibras ópticas, o ministro disse que já definiu algumas alternativas. “Por exemplo, nas frequências de 700 megahertz [mhz], vamos colocar parte das construções de rede de longa distância. Essa vai ser uma das prioridades que a gente tem conversado com a Anatel [Agência Nacional de telecomunicações], que achou perfeitamente viável”, disse ao se referir à faixa de radiofrequência que será liberada pelos canais de TV aberta, após a migração para sistema digital, para os serviços de quarta geração de celular (4G).

“Já temos 3,2 mil municípios com rede de fibras ópticas, o que significa que existem mais de 2 mil onde ainda precisaria ser feita a instalação. Mas existem alguns casos em que isso não é viável, como no interior da Amazônia, por exemplo, onde não é possível levar a rede de fibra óptica até o município. Teremos que ter a alternativas [de conexão] por satélite ou rádio”, afirmou.

Bernardo reiterou que os serviços de 4G na faixa de 700 Mhz serão ofertados somente em 2015. “Vamos fazer o leilão em março, mas isso leva mais um período para assinarmos os contratos em meados do ano, em 2014. E as empresas têm que construir a infraestrutura para atender. Com isso, vai ser só em 2015”, disse o ministro. Durante a Copa das Confederações e Copa do Mundo de 2014, os serviços 4G estarão disponíveis no país com o uso da frequência de 2,5 gigahertz (Ghz), que foi licitada no ano passado pela Anatel.


Governo: Banda larga em todo o país custará R$ 125 bilhões

Convergência Digital :: 11/04/2013

Para levar a internet a todos os municípios do Brasil será necessário investir cerca de R$ 125 bilhões nos próximos dez anos. A estimativa foi apresentada nesta semana pelo ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, à presidenta Dilma Rousseff. "A infraestrutura é a grande questão para universalizar o acesso à internet no País", reforçou o ministro.

Bernardo explicou que do total de recursos previstos, cerca de R$ 27 bilhões deverão ser destinados à expansão da rede de fibra óptica de longa distância, o chamado backbone, e cerca de R$ 100 bilhões em redes que levam a internet para dentro das cidades e até a residência do usuário, o chamado backhaul. Os investimentos serão usados na ampliação das redes e também em tecnologias que possibilitam a conexão à internet como satélite e rádio.

"Nós fizemos um cálculo e temos hoje cerca de 3,2 mil municípios com rede de fibra óptica pública ou privada. Isso significa que nós precisamos levar a rede para mais 2 mil municípios. Em alguns, nós avaliamos que não é viável, como na região amazônica e em pequenas comunidades. Nesses lugares, o provimento será por rádio ou satélite", revelou.

Os recursos para expandir o acesso à internet deverão ser tanto públicos quanto privados. Bernardo citou como uma das possibilidades para obter investimentos da iniciativa privada o leilão da faixa de 700 MHz. O objetivo é exigir a construção de redes de telecomunicações como contrapartida das empresas vencedoras do leilão, que será realizado no próximo ano.

O ministro disse que investimentos conjuntos do governo e da iniciativa privada em telecomunicações vêm ocorrendo também em outros países. Nos Estados Unidos, por exemplo, estão previstos US$ 15 bilhões para a expansão do acesso à internet, a França deverá gastar 20 bilhões de euros e a Austrália, 30 bilhões de dólares australianos.

A previsão é que a expansão da infraestrutura de banda larga para todos os municípios do país ocorra em um período de 10 anos. "Vamos ter de buscar alternativas. Dez anos é um prazo que estamos estipulando. Mas é preciso dinheiro, equipamento e mão de obra. Pensar em fazer isso tudo em menos tempo pode ser mal sucedido", concluiu.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Se você tem conta no Google, identifique-se e deixe aqui seu comentário, com críticas, sugestões e/ou questionamentos.