sexta-feira, 23 de março de 2012

Telebrás e Angola Cables assinam acordo

Agência Estado - 23/03/2012

A Telebrás e a Angola Cables assinaram nesta sexta-feira o acordo para a construção de um cabo submarino entre Fortaleza e Luanda. O cabo terá cerca de 6 mil quilômetros de comprimento e poderá entrar em funcionamento no primeiro semestre de 2014, a tempo da Copa do Mundo. A capacidade do equipamento e o custo do projeto, porém, ainda não foram definidos.

A alternativa deve diminuir em até 80% o custo do tráfego de dados entre América do Sul e África e Ásia, que atualmente passa obrigatoriamente pelos Estados Unidos e pela Europa. "Vamos lançar uma licitação internacional no máximo até junho, detalhando o projeto", afirmou o presidente da Telebrás, Caio Bonilha. No orçamento total da estatal para 2012, R$ 119 milhões estão reservados para empreendimentos com cabos submarinos.

"É um cabo estratégico que terá muita demanda, sobretudo por ser o primeiro cabo submarino no Atlântico Sul ligando os dois continentes", acrescentou o presidente da comissão executiva da Angola Cables, António Nunes.

Para o vice-ministro angolano de Telecomunicações, Aristides Cardoso Safeca, o acordo permitirá aos países um maior intercâmbio cultural e científico. "Com o cabo direto, Angola terá acesso a conhecimento gerado nas instituições universitárias brasileiras, abrindo um novo potencial não só para o país, como talvez para toda a África Subsaariana", avaliou.

Em encontro com o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, também avançaram as conversas para que Angola utilize o padrão nipo-brasileiro de TV Digital. Após dois anos de testes, uma comissão do governo angolano recomendou a adoção desse modelo. "Falta apenas a decisão política. Mas o fato de termos a mesma língua facilita o acordo com o Brasil, inclusive para produção de conteúdos", completou Safeca. Outros países africanos como Botsuana, Zâmbia e República Democrática do Congo também já demonstraram interesse no padrão brasileiro.

terça-feira, 20 de março de 2012

Telebras investiu R$ 287,8 mi e disponibilizou rede para 327 cidades

Rede de telecomunicação estará disponível em 40% dos municípios até o final deste ano

PT no Senado - 20/03/2012

A Telecomunicações Brasileiras (Telebras) fechou o último ano com R$ 287,8 milhões em licitações, decorrentes de 164 processos licitatórios. Entre estes, os contratos necessários para a implantação do trecho de 21 mil quilômetros da rede nacional de telecomunicação (backbone) que deve ser concluído até o final de 2012.

A rede foi disponibilizada em 327 cidades no último ano e os investimentos vão fazer a rede de telecomunicação chegar a 2.038 localidades neste ano. As informações estão no Relatório de Administração do exercício de 2011, publicado pela empresa em 02 de março.

Os investimentos incluem a infraestrutura para os Pontos de Presença (POPs), os equipamentos DWDM (Dense Wavelengh Division Multiplexing) para iluminação das fibras ópticas, equipamentos da rede IP e de rádio e torres, entre outros.

A instalação de redes metropolitanas, baseadas em fibras ópticas, nas principais cidades atendidas pela rede de telecomunicação também integra as ações em andamento e abrangem as cidades-sede da Copa do Mundo de 2014. Entre estas, Brasília, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Recife, que fazem parte do projeto de construção de infraestrutura em redes de fibra óptica, para o qual a Telebras terá R$ 200 milhões.

Acordos

Para efetuar a ampliação da capilaridade da rede, a Telebras firmou 20 Acordos de Cooperação, com destaque para as parcerias firmadas com a Rede Nacional de Pesquisas (RNP), com a Empresa de Processamento de Dados da Previdência Social (Dataprev), com a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) e com a Empresa de Tecnologia da Informação do Ceará (Etice). Além desses, mais cinco contratos de cessão de infraestrutura foram assinados com o Grupo Eletrobras e Petrobras para uso das fibras ópticas que compõe a rede nacional de telecomunicações.

Em 2011, a partir do crescimento da rede, foi viabilizada a realização de 25 contratos comerciais e uma oferta de 1,8 Gbps de banda contratada por prestadores de serviços de telecomunicação. Os contratos e a nova capacidade de oferta resultaram num crescimento de 210% entre o terceiro e o quarto trimestre do ano passado. Mais de 700 provedores de Internet demonstraram interesse em participar do Programa Nacional de Banda Larga (PNBL).

O documento informa, também, que no ano passado foram concluídos 45 Pontos de Presença (POPs) no Anel Nordeste e 18 no Anel Sudeste. Já foram iniciadas as obras em quatro POPs do Anel Sul e esse locais abrigam os equipamentos da Telebras que permitem a integração das fibras ópticas do backbone (núcleo central da rede). A previsão é concluir 250 estações até o final de 2012.

Ministros renovam compromisso de interligar redes de comunicação na América do Sul

Os ministros de Comunicações dos países integrantes da União de Nações Sulamericanas (Unasul) renovaram o compromisso de trabalhar em parceria para garantir a interconexão de suas redes. Assinaram a declaração, além do Brasil, Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, Guiana, Paraguai, Peru, Suriname, Uruguai e Venezuela. O encontro aconteceu no dia 09 de março, em Assunção, no Paraguai. Pelos prazos aprovados para implementação de cada fase do projeto de anel óptico, a conclusão vai ocorrer em três anos.

A oferta aos cidadãos de conexão mais rápida, a preços mais baixos, foi destacada no documento assinado pelos gestores da Unasul e, ainda, a necessidade de trabalhar para a geração, armazenamento e distribuição de conteúdos locais, de modo a aumentar a importância do tráfego de dados na região.

Outro fator ressaltado é o fortalecimento da soberania dos países a partir da interconexão das redes. Atualmente, o caminho percorrido pelos dados numa simples conexão à internet é extenso e caro. Quando um internauta do Brasil acessa um site do Chile, a conexão tem que passar por um servidor nos Estados Unidos, via cabos submarinos e só depois chegar ao Chile. A partir do funcionamento do anel óptico interligando os países sul-americanos, o tráfego circulará diretamente entre as redes locais.
Banda larga deve chegar a 2.038 municípios em 2012

Portal das Comunicações - 20/03/2012

A Telebras já efetuou todos os contratos necessários para a implantação do trecho de 21 mil quilômetros da rede nacional de telecomunicação (backbone) que deve ser concluída até o final de 2012, com investimentos de R$ 287 milhões, o que vai significar a inclusão de 2.038 novos municípios que terão acesso à internet. Em 2011, ano do início da implantação do Programa Nacional de Banda Larga, a rede foi disponibilizada em 327 cidades.

Entre os investimentos realizados está a infraestrutura para os Pontos de Presença (POPs), os equipamentos DWDM (Dense Wavelengh Division M, ultiplexing) para iluminação das fibras ópticas, equipamentos da rede IP e de rádio e torres.

Também serão instaladas redes metropolitanas, baseadas em fibras ópticas, nas principais cidades atendidas pela rede de telecomunicação, em especial naquelas definidas como sedes da Copa do Mundo, como é o caso de Brasília, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Recife, entre outras. Para o projeto de construção de infraestrutura em redes de fibra óptica para a Copa do Mundo, a Telebras deverá contar com R$ 200 milhões.

Os dados constam do Relatório de Administração relativo ao exercício de 2011 publicado pela empresa no último dia 2 de março. O documento informa ainda que no ano passado foram concluídos 45 Pontos de Presença (POPs) no Anel Nordeste e 18 no Anel Sudeste e iniciadas as obras em quatro POPs do Anel Sul. Esses locais abrigam os equipamentos da Telebras que permitem a integração das fibras ópticas do backbone (núcleo central da rede). A previsão é concluir 250 estações até o final de 2012.

Para ampliar a capilaridade da rede, a Telebras firmou no ano passado 20 Acordos de Cooperação, destacando-se entre eles as parcerias firmadas com a Rede Nacional de Pesquisas (RNP), com a Empresa de Processamento de Dados da Previdência Social (Dataprev), com a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) e com a Empresa de Tecnologia da Informação do Ceará (Etice). Outros cinco contratos de cessão de infraestrutura foram assinados com o Grupo Eletrobras e Petrobras para uso das fibras ópticas que compõe a rede nacional de telecomunicações.

A expansão da rede no ano passado viabilizou a realização de 25 contratos comerciais e uma oferta de 1,8 Gbps de banda contratada por prestadores de serviços de telecomunicação. Isso significa um crescimento de 210% entre o terceiro e o quarto trimestre do ano passado. Atualmente há mais de 700 provedores de Internet interessados em participar do Programa Nacional de Banda Larga (PNBL).

Foram desenvolvidas atividades comerciais junto a 221 clientes e as vendas não foram concretizadas em maior volume devido às dificuldades enfrentadas nas viabilidades técnicas de atendimento ainda decorrentes da expansão da rede. Ainda assim, a Telebras fechou o ano de 2011 com R$ 287,8 milhões em licitações, em 164 processos licitatórios. Deste valor, R$ 215,7 milhões foram contratados por meio de pregão eletrônico.