terça-feira, 24 de julho de 2012

Alvarez: "a Telebras trabalha velozmente para ampliar a infraestrutura e vender rede às operadoras que não dispõem."

MiniCom - 17/07/2012

Brasília, 17/07/2012 - O ministro interino das Comunicações, Cezar Alvarez, em conversa com jornalistas na sede do MiniCom, em Brasília, disse que a solução para superar o descompasso entre a demanda e a oferta de serviços de telecomunicações no Brasil é acelerar a construção de redes de infraestrutura. Alvarez deu esta declaração a propósito da suspensão da venda de novos pacotes de telefonia em Porto Alegre, determinada pelo Procon.

Segundo Alvarez, "o crescimento da demanda é maior que o tempo de maturação dos investimentos", mas as empresas têm que se esforçar e entregar o que foi pago". Destacou que "o brasileiro vem consumindo cada vez mais serviços de telecomunicações e a infraestrutura "está no limite de sua capacidade instalada".

Para ajudar, o governo vem fazendo a sua parte, afirmou, com medidas como o Regime Tributário Especial do Programa Nacional de Banda Larga, incluído na MP 563, aprovada ontem pela Câmara dos Deputados, que desonera a construção de redes de fibra óptica. Falou ainda das medidas para o compartilhamento de redes e acrescentou que a Telebras trabalha velozmente para ampliar a infraestrutura e vender rede às operadoras que não dispõem.

Cezar Alvarez lembrou outras ações de desoneração tributária tomadas pelo governo federal, como a inclusão de tablets e modems na Lei do Bem, que levaram a um crescimento grande dos acessos à internet que não está sendo acompanhado na mesma velocidade pelos investimentos. E as razões são muitas, disse, destacando a legislação das antenas, questões ambientais e urbanas e o tempo de maturação dos investimentos.

O ministro interino chamou a atenção para a entrada em vigor do regulamento de qualidade em outubro deste ano, "uma determinação expressa da presidenta Dilma Rousseff", reforçou, que exigirá ainda mais investimentos para a oferta de serviços de telecomunicações no Brasil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Se você tem conta no Google, identifique-se e deixe aqui seu comentário, com críticas, sugestões e/ou questionamentos.