sábado, 22 de outubro de 2011

Gobierno prevé que precios de banda ancha bajarán por nueva red regional

La nueva infraestructura también fomentaría la instalación de servidores de contenidos en la región.

Latercera -22/10/2011

Dos proyectos de conectividad que se desarrollan en la región prometen empujar a la baja los precios de la banda ancha el próximo año. Se trata de redes de fibra óptica que construyen la firma colombiana Internexa y la estatal brasileña Telebras.

Ambas iniciativas apuntan a ampliar la oferta de enlaces internacionales y de contenidos para las empresas que venden banda ancha a los clientes finales. Hoy, sólo dos multinacionales son los principales proveedores de las conexiones internacionales en la región: Telefónica y Global Crossing. Internexa y Telebras llegarán a desafiar un mercado que ambas comparten, pues ofrecerán el mismo servicio.

Según el subsecretario de Telecomunicaciones, Jorge Atton, la llegada de estos operadores impactará directamente en el precio que pagan los clientes por el servicio, porque habrá más competencia de redes internacionales y porque ese ítem explica el 40% de los costos de los proveedores de internet. Agrega que, en promedio, los dueños de los enlaces internacionales cobran unos US$ 30 por megabyte de tráfico, y que con los proyectos de Internexa y de Telebras operando, las tarifas deberían ser menores a US$ 10. "Sólo con la llegada del cable de Telebras, los US$ 30 actuales debieran bajar a unos US$ 20 en 2012. Esto impacta directamente en las tarifas a público", indicó.

El mercado

En VTR y en Movistar estiman que el impacto en las tarifas no será tan elevado. En la primera firma indican que ya contrataron la capacidad de enlace que requieren para el próximo año, "por lo cual no se esperan mayores cambios en su estructura de costos en este ítem".

El director de Estrategia y Regulación de Movistar, Rafael Zamora, señala que es positivo que haya un aumento en la capacidad de transporte internacional. Advierte, eso sí, que no se prevé que "este aumento de capacidad tenga un impacto significativo en los precios de la banda ancha, puesto que la tendencia de los últimos años ha sido la de favorecer a los clientes con mayores velocidades, aprovechando las reducciones de precios que ha presentado el transporte internacional, y también porque el peso de este costo es cada vez menor en la determinación de los precios finales".

El analista del sector Oscar Cabello indica que la mayor competencia va a favorecer a los clientes finales, pero que el impacto en los precios será muy menor. "Encuentro positivo que haya más operadores y cualquier rebaja en los costos favorece a los usuarios, pero los enlaces internacionales sólo inciden en torno al 20% de los costos de los ISP", afirmó.

Atraer contenidos

El proyecto de Telebras también busca fortalecer la conexión entre los países de la región. La red unirá Brasil, Bolivia, Chile y Argentina, y estará conectada a través de fibra óptica con Estados Unidos, Europa y Asia.

Esta es una iniciativa estatal, pero que contempla la firma de acuerdos público-privados en los países en los cuales operará. Atton explicó que Brasil invitó a Chile a participar del proyecto y que hay un tramo que debe construirse en el país.

La forma en que Chile participará en el proyecto está por definirse. El tema lo está discutiendo Atton con el ministro de Comunicaciones de Brasil, César Alvarez. Una de las opciones más probables es que ese tramo se realice a través de una alianza público-privada, con financiamiento del Fondo de Desarrollo de las Telecomunicaciones.

Atton explicó que con estos proyectos se cumplen tres de las metas que se fijó el gobierno cuando propuso, en mayo del año pasado, hacer una alianza regional para bajar los precios de la banda ancha. Explicó que, además de "romper el duopolio de Telefónica y Global Crossing, se fortalece la conexión intrarregional y acercan contenidos a la región".

Con lo anterior, se refiere a la posibilidad de que grandes generadores de contenidos, como Yahoo!, Google, YouTube o Netflix, instalen servidores en América Latina. Un tema que ya ha conversado Internexa con algunas de estas empresas y que también, a juicio del gobierno, derivaría en una caída del precio que pagan los clientes por conectarse a banda ancha. Esto, porque ya no será necesario ir a buscar la información a servidores que están en Miami o en otras partes del mundo, pues estarán en países de la región.


Cepal crea un Observatorio de la Banda Ancha

En la 2da. reunión del Diálogo Regional sobre Banda Ancha, en Lima, Perú, se desarrolló una mesa redonda con la presencia de los más importantes operadores de Internet a nivel regional.

Representantes de los gobiernos de Argentina, Bolivia, Brasil, Chile, Colombia, Ecuador, Paraguay, Perú y Uruguay se reunieron con los más importantes operadores y proveedores de banda ancha a nivel regional y solicitaron que la Cepal (Comisión Económica para América Latina y el Caribe (Cepal, organismo de la Organización de Naciones Unidas) constituya un observatorio, cuyo objetivo será dotar de elementos a los tomadores de decisiones de los países para que desarrollen políticas públicas que permitan reducir los costos de este servicio.

El encuentro se dio en el marco de la 2da. Reunión del Diálogo Regional sobre los costos de enlaces internacionales y su impacto en los precios de la banda ancha, que se realizó en Lima, Perú, y que contó con la presencia de altas autoridades del área de telecomunicaciones y de sociedad de la información y actores relevantes en el ámbito regional.

Las empresas Oi Brasil, Telebras, Telefónica y Telefónica International Wholesale Service, Global Crossing, América Móvil, Internexa, Google, Cisco Systems, Antel e Itochu Corporation se dieron cita el 19 y 20 de noviembre para evaluar el impacto del transporte de alta capacidad y el acceso a Internet internacional en las tarifas del servicio de banda ancha al usuario final.

Las empresas -además del Registro de Direcciones de Internet para Latinoamérica y el Caribe (Lacnic), la Asociación Iberoamericana de Centros de Investigación y Empresas de Telecomunicaciones (Ahciet) y Cooperación Latinoamericana de Redes Avanzadas (RedClara)- expusieron sobre la incidencia en los costos de la banda ancha que tienen factores tales como la falta de infraestructura, la latencia y los problemas geográficos propios de los países de la región.

Además, los operadores y proveedores recalcaron que los impuestos aumentarían el costo del servicio para el usuario final, y propusieron lineamientos de políticas públicas para favorecer el desarrollo de infraestructura y generar competencia entre las empresas que entregan el servicio de banda ancha.

Además de la constitución del observatorio de banda ancha, la Cepal recibió el mandato de organizar y gestionar grupos de trabajo que analicen los puntos acordados en la reunión, tales como coordinar políticas regulatorias de estaciones de aterrizaje (landing points) de los cables submarinos de telecomunicaciones y generar políticas de incentivo a la instalación de centros y redes de distribución de contenidos.

Los países, en conjunto con la CEPAL, acordaron realizar una 3ra. edición de la reunión, en mayo de 2011, en la sede de esta comisión regional de las Naciones Unidas, en Santiago de Chile.


Internexa inicia operação no Chile e anuncia expansão para Brasil e Argentina


Companhia, presente na Colômbia, Venezuela, Peru e Equador, fornece infraestrutura de conexão por fibra óptica aos operadores de telecomunicações de toda a região

Agência Estado

Santiago do Chile, 11 nov 2010 (EFE).- A empresa Internexa, filial da colombiana ISA, anunciou nesta quinta-feira o início de suas operações no Chile, com a aquisição de mais de mil quilômetros de fibra óptica, e divulgou seus planos de expansão para Argentina e Brasil.

A companhia, com presença na Colômbia, Venezuela, Peru e Equador, se dedica a fornecer infraestrutura de conexão por fibra óptica aos operadores de telecomunicações de toda a região.

Genaro García, gerente geral da Internexa, anunciou no Chile o início das operações da empresa no país, com a compra de 1.181 quilômetros de fibra óptica que ligam Santiago à Concepción.

A esta rede, que já funciona em modo de teste, será somada a construção de 750 quilômetros de conexão entre Valparaíso e Concepción pelo litoral, que servirão para oferecer maior proteção em caso de falhas, indicou a companhia.

García anunciou que a rede atingirá 18 mil quilômetros com a expansão da empresa para Argentina e Brasil, onde as operações devem começar no fim de 2011 ou no início de 2012.

A empresa pretende conectar Santiago à Buenos Aires e seguir da capital argentina para as cidades de São Paulo, Belo Horizonte e Rio de Janeiro.

O gerente geral explicou que, a longo prazo, a companhia também deve se estabelecer na América Central e no México.

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Eike mostra interesse em sociedade com Foxconn no país

Eike Batista reuni-se com o ministro da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, e do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel

Reuters - Exame - 21/10/2011

Brasília - O empresário Eike Batista, magnata que controla várias empresas nas áreas de recursos naturais e infra-estrutura no Brasil, disse nesta sexta-feira a membros do governo federal que está interessado em participar do projeto da Foxconn, que fabricará no Brasil o iPad, computador tablet da Apple.

"Queremos participar do empreendimento com a Foxconn", disse Eike, após reunião da qual participaram os ministros Aloizio Mercadante (Ciência e Tecnologia) e Fernando Pimentel (Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior).

De acordo com Pimentel, o projeto pode ter também como parceiros a Semp Toshiba e a Positivo e envolver a transferência de tecnologia para o Brasil.

"É um sonho o Brasil entrar nesse mundo de telecomunicações", disse Eike, sem detalhar prazos ou valores. "O Brasil tem um mercado super promissor, que é o mais importante".

Na conversa com jornalistas após a reunião, Mercadante chegou a anunciar que Eike teria anunciado uma nova descoberta de 5 bilhões de barris de petróleo na Bacia de Campos à presidente Dilma Rousseff.

Mas o empresário logo em seguida corrigiu a informação, dizendo que o volume potencial das reservas já é conhecido e que apenas formalizou o anúncio à presidente.
Direito de passagem é questão crítica para ser tratada no Brasil

Convergência Digital :: 21/10/2011


O secretário de Telecomunicações do Minicom, Maximiliano Martinhão, admitiu que é preciso agilizar o acerto entre distribuidoras e Anatel para baixar o preço de uso dos postes, considerado 'alto demais'. Também disse que é hora de os municípios entenderem que redes de telecom são desenvolvimento, não apenas uma fonte de arrecadação, referindo-se diretamente ao direito de passagem.

Ao participar do IV Seminário Telcomp, realizado no dia 18 de outubro, na capital paulista, Maximiliano Martinhão deixou claro que o custo de R$ 19,00 cobrado, hoje, pelas distribuidoras da energia é 'alto demais'. Informou aos presentes que Anatel e Aneel (agência do setor elétrico) já chegaram a um acordo e o custo deverá passar para R$ 2,40.

"Ainda é alto, mas muito abaixo do que está sendo praticado e permite que operadores entrantes não fiquem tão prejudicados diante das teles com maior poder de compra", enfatizou. O secretário do Minicom disse ainda que há também uma mobilização para que nas obras de infraestrutura, a parte de telecom seja obrigatória, como forma de minimizar o preço de rede.

"Se uma rodovia está sendo construída é muito mais fácil para a operadora montar a sua rede. Se deixar para depois, fica muito mais complexo", destacou. Maximiliano Martinhão também falou sobre a tarifa de interconexão e das ações de incentivo do Governo para a construção de novas redes. Assista a participação do Secretário de Telecomunicações do Minicom no IV Seminário Telcomp.



Entraves marcam a construção de redes de Telecom no Brasil

Convergência Digital :: 21/10/2011

Chris Torto, CEO da Metro Fiber Brasil, empresa que está investindo R$ 200 milhões para construir redes ópticas, diz que as barreiras para se montar negócio na área de telecom seguem as mesmas nos últimos 10 anos, especialmente, na parte de uso de postes, com custo de até R$ 11.

O executivo diz que há uma tentativa de acerto entre distribuidoras de energia e a Anatel, mas ela não consegue sair do papel. Enquanto isso, as concessionárias - com maior poder de pressão e de compra - ficam em vantagem. Mas para enfrentar essa barreira, Chris Torto aposta na criatividade e na agilidade.

"Quando montei a Metro Fiber, uma operadora levou 90 dias para me entregar um link de 2 Mbits. Isso é absurdo. Já estou me comprometendo no meu negócio a entregar em até 10 dias ao consumidor. Isso eu posso fazer e bem para ganhar pontos frente aos meus concorrentes", disse Chris Torto, ao falar de oportunidades para entrantes no Brasil, durante o IV Seminário Telcomp, realizado no dia 18 de outubro, na capital paulista.

Não à toa, a estratégia da Metro Fiber é de avançar em áreas distantes dos grandes centros. O início das operações está na região do grande ABC, em São Paulo. Até o final deste ano, o planejamento prevê chegar a 40 novas cidades - todas no interior. A capital paulista fica fora do radar.

"Vamos avançar no interior. Quero ir onde não tem concorrência demasiada", frisou. Para 2012, os planos são avançar para a região Nordeste. "O potencial lá é enorme. Falta infraestrutura e há espaço para os entrantes", detalha. Antes de montar a Metro Fiber, Chris Torto foi dono da Vivax, empresa de TV por Assinatura, comprada pela Net Serviços.

"Já na Vivax sempre disse que tinha de ir onde não estava toda a concorrência. Fiz isso e montamos uma capilaridade muito boa", detalha. Para apostar em fibra óptica, a Metro Fiber manteve o mesmo investidor - o fundo norte-americano Great Hill Partners. Assista a participação de Chris Torto no IV Seminário Telcomp.


Infraestrutura precária abre oportunidades para pequenos provedores

Convergência Digital :: 21/10/2011


O diretor comercial da Telebrás, Rogério Boros, diz que a capacidade de transmissão ofertada no Brasil é muito aquém da necessária - a maior parte fica em 2 Mbits quando na Finlândia já chega a 100 Mbps - e essa deficiência abre frentes para novos atores no mercado. Entrantes de grande porte podem ser aliados poderosos nessa trajetória, completa o diretor da BT Global Services, Sérgio Gallindo.

"Adoraria ter tido um pequeno provedor numa determinada área do país para me atender depois de ter ficado 72 horas fora do ar por causa de uma concessionária. Infelizmente não tive, mas quero ter muito. E podemos atuar de forma conjunta. Criando contratos que alavanquem os negócios e suportem os investimentos", observa Gallindo.

O tema esteve à mesa durante o painel Conectividade: Fatores críticos para a expansão da oferta no Brasil, durante o IV Seminário Telcomp, realizado no dia 18/10, na capital paulista. Boros, da Telebrás, citou o exemplo da BrisaNet, um provedor com atuação no Nordeste, que atende de forma diferenciada os clientes da região.

"O usuário ainda tem nome. O atendimento é personalizado. As teles têm dificuldades de entrar nessas áreas porque seus sistemas são pesados. O legado vira peso", destaca Boros, lembrando que a Telebrás vai atuar de forma a ser parceira dos pequenos provedores - comprando grande capacidade no atacado para vender no varejo.

Gallindo, da BT Global Services, lembrou ainda que o mundo de TICs caminha para a computação na nuvem e essa tecnologia não funciona sem infraestrutura. Assista a parte sobre o pequeno provedor no Brasil no IV Seminário Telcomp, na CDTV, Convergência Digital.



Curitiba e região discutem internet gratuita

Parana online - 19/10/2011


Começa nesta sexta-feira (21), abrangendo Curitiba e os municípios da Região Metropolitana, a 1ª rodada de Fóruns Regionais de Cidades Digitais, que têm como objetivo estimular o surgimento de localidades no Paraná que ofereçam o sinal gratuito de internet à população.

As inscrições para os eventos, promovidos pela Rede de Participação Política, iniciativa apartidária da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), são gratuitas e podem ser feitas pelo site www.participacaopolitica.org.br. O Fórum de Curitiba e RMC será realizado no Cietep (Av. Comendador Franco, 1341), às 13h30.

Na próxima terça-feira (25), o Fórum de Cidades Digitais acontecerá em Tibagi, compreendendo as localidades que integram a AMCG (Associação dos Municípios dos Campos Gerais). De acordo com o coordenador da Rede de Participação Política, José Marinho, "a ideia destes fóruns regionais é que prefeitos e participantes aprofundem as discussões e possam sair dali com ideias para fazer o planejamento para implantação no seu município de fato".

O encontro desta sexta em Curitiba reunirá os municípios que integram a ASSOMEC (Associação dos Municípios da Região Metropolitana de Curitiba). Segundo Edison Lara, coordenador da ASSOMEC, a principal contribuição da entidade está sendo o estímulo à participação do poder público.

"Nós da ASSOMEC estamos contribuindo no sentido de orientar os prefeitos quanto à importância de sua participação no evento, uma vez que Cidade Digital é um tema em voga e que chama muita atenção do poder público, pelas inúmeras possibilidades que oferece. Acreditamos que um dos principais pontos positivos do fórum será a possibilidade de sanar as dúvidas sobre o assunto", disse.

O fórum regional de Curitiba também conta com o apoio da Caciaspar (Coordenadoria das Associações Comerciais, Industriais e Agropecuárias do Sudoeste do Paraná). Arthur Passos, vice-presidente jurídico da organização, declarou-se entusiasmado com o tema Cidade Digital.

"Hoje em dia, quem não tem acesso à internet fica a margem de muita coisa que acontece na sociedade. Faço sempre questão de repassar informações pertinentes ao tema a todas as associações comerciais porque no dia que conseguirmos conectar todos, do poder público a sociedade civil, em torno de uma cidade verdadeiramente digital, a resolução dos problemas será mais rápida, fácil e menos burocrática", afirma.

A Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Estado do Paraná (FACIAP), assim como a Associação de Câmaras e Vereadores do Paraná (ACAMPAR) e a Secretaria Municipal para Assuntos Metropolitanos (SMAM), também são parceiras da iniciativa. O superintendente da FACIAP, Márcio Vieira, destacou a importância da inclusão digital para que se "crie um ambiente mais competitivo para as pequenas e médias indústrias".

"Falar de Cidade Digital é falar também de inclusão produtiva, dar condições para que os empreendedores ou aqueles que desejam tornar-se um tenham uma ferramenta que possibilite ampliar o seu negócio, tendo acesso à informação, ao mercado globalizado, podendo divulgar e comercializar seus produtos. Isso gera renda e permite a manutenção de empregos no âmbito local. Nosso grande desafio é a convergência de ações para incluir as pessoas nesse cenário globalizado", diz Vieira.

Do surgimento dos Fóruns

Os eventos são desdobramentos do 3º Congresso da RPP, realizado no dia 14 de setembro, em Curitiba, e que reuniu cerca de 300 pessoas, entre prefeitos, vereadores, academia, empresários e representantes de Executivos Municipais. O Congresso também trouxe à Curitiba a secretária de Inclusão Digital, do Ministério das Comunicações, Lygia Pupatto, o diretor geral da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Urbano (Sedu), Jamil Abdanur, além de representantes de BNDES e BRDE. Atualmente, o Paraná conta com cerca de 20 municípios, que ao disponibilizar o acesso gratuito aos seus moradores, vêm sentindo impactos na qualidade de vida de seus munícipes e no consequente desenvolvimento da cidade.
Mauro Santayana: E se fosse para a Telebras?

Vi o Mundo - 21/10/2011


O BNDES aprovou um empréstimo de 3 bilhões de reais à VIVO, para expansão da rede e telefonia 3G. O dinheiro seria para reduzir a dependência de terceiros com relação a backbone, um novo centro de dados, e à ampliação da rede de 2G e 3G, para cobrir 85% do território nacional até 2013.

Esse tipo de operação ajuda um grupo estrangeiro que está mandando bilhões de dólares como remessa de lucro ao exterior. Esse dinheiro, além de remunerar acionistas na Espanha e impedir a quebra da matriz, serve para fechar a boca de quem, dentro e fora do Brasil, acusa o governo de usar o Banco para “interferir no ambiente econômico” ou promover “concorrência desleal” quando apóia, ou tenta apoiar, empresas unicamente nacionais, em fusões no Brasil ou em aquisições no exterior.

Imaginem se amanhã o BNDES emprestasse, eventualmente, a mesma quantia para a expansão e consolidação da TELEBRAS, qual não seria o pandemônio em certos setores da imprensa e da opinião “pública” a respeito dessa atitude – e quantos pedidos de esclarecimento não seriam feitos no Congresso – pelos que fingem ignorar esse empréstimo do nosso principal banco de fomento aos espanhóis.

Por essas e por outras, o Estado chinês tem a maior companhia de telecomunicações do mundo, e está comprando empresas no exterior, enquanto nós pagamos as maiores tarifas de telefonia e banda larga do planeta, por obra e graça do irresponsável desmonte, esquartejamento e desnacionalização da telefonia nacional nos anos 1990.
Empresas de telecomunicações aguardam definições da Fifa

Jornal do Comércio - 21/10/2011

Ainda é uma incógnita a oportunidade de ampliação de serviços que a Copa de 2014 deve proporcionar às empresas de telecomunicações brasileiras. A grande expectativa, no entanto, espera ser concretizada com a definição da Fifa quanto à demanda para o evento. Para que a infraestrutura seja provida e as empresas possam ampliar o atendimento de banda larga no País em tempo, a Telebras aguarda ser comunicada neste ano.

A afirmação é do presidente da companhia, Caio Bonilha, que esteve em Porto Alegre na quinta-feira para o VI Seminário de Telecomunicações, Mobilidade, Tecnologias, Serviços e Aplicações, promovido pela Fiergs, que avalia a necessidade da definição para que a infraestrutura esteja de acordo já para a Copa das Confederações, em 2013. Ainda assim, conforme ele, a Telebras já se adiantou para evitar déficit do serviço. O planejamento e o orçamento nas cidades-sede - cálculo de R$ 211 milhões -, além de acordos de cooperação técnica com várias empresas, como a Procempa na Capital, estão engatilhados para o caso do atendimento às exigências da entidade.

Bonilha ainda destacou dados da Anatel, que ilustram um cenário de 62% das conexões brasileiras abaixo de 2 Mbps e 80% situadas nas regiões Sudeste e Sul, além de 92% do mercado ser ocupado pelas quatro maiores empresas. Conforme ele, o crescimento depende da competição, por isso o propósito da Telebras, dentro do Plano Nacional de Banda Larga (PNBL), é não reduzir custos para as grandes aquisições.

Somente em Porto Alegre, 71% das residências têm acesso à internet; no Brasil, esse número cai para 23%. Porém as empresas não sabem como isso será provido aos mais de 600 mil turistas esperados, assim como se os estádios terão a infraestrutura necessária. O diretor de Política Regulatória da Oi, uma das patrocinadoras da Copa no Brasil, Carlos Alberto Cidade, afirmou que cada operadora está fazendo a sua parte para atender à demanda. Cidade acredita que o governo vai arcar com a responsabilidade de prover a base para o acesso nas sedes. "Há tempo, mas é preciso começar a fazer isso logo", afirmou. Independentemente de formalizações para a Copa, no entanto, a Oi tem previsão de investimento nos próximos cinco anos de aproximadamente R$ 3 bilhões ao ano.

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

OMC pede informe sobre plano de banda larga

Valor Econômico - 20/10/2011

A Organização Mundial do Comércio (OMC) pediu para o Brasil confirmar ou não a existência de medida da Telebras estabelecendo a compra de produtos nacionais para o programa nacional de banda larga. A delegação brasileira em Genebra informou que a medida estabelece que as empresas precisam utilizar tecnologia desenvolvida no Brasil para serem elegíveis às encomendas do programa.

O embaixador brasileiro na entidade, Roberto Azevedo, diz que o pedido de confirmação "não tem nenhum caráter investigativo, não é pedido de informação e, em todo caso, o Brasil não tem nenhum compromisso na área de compras governamentais". O país não assinou o Acordo Plurilateral de Compras Governamentais e tem ampla liberdade para estabelecer as condições que quiser para fazer as aquisições públicas.

A questão da OMC faz parte de um novo mecanismo de revisão de políticas adotadas por seus membros, criado no rastro da crise econômica de 2008.

Na ocasião, a Argentina defendeu que a entidade analisasse se cada medida era compatível ou não com as regras internacionais. Os outros países, incluindo o Brasil, rejeitaram a demanda, estimando que o secretariado da OMC não deveria ter mandato para isso.

Assim, restou ao secretariado da entidade consultar fontes diversas e se limitar a indagar aos países se está correta a informação sobre a existência de determinada medida. Em seguida, o órgão faz uma listagem exaustiva das medidas, sem determinar se é legal ou não e sem nenhum juízo de valor. A cada semestre, os países fazem um debate com base no documento.

Nos últimos tempos, a OMC quis confirmar, por exemplo, a existência da medida do governo brasileiro que aumentou o IPI para carros importados que não tenham pelo menos 65% de conteúdo nacional.

O pedido feito em relação à Telebras - e sobre uma variedade de outros assuntos, desde medidas antidumping a licenças não automáticas - mostra a tentativa de ampliar o espaço de monitoramento pela OMC. Para haver alguma sanção é preciso que outro país, que se sinta prejudicado por uma medida, abra um processo diante dos juízes da entidade. A OMC, isoladamente, não pode fazer questionamentos aos países, não faz relatório sobre empresas e nem pode agir sem ser acionada por um dos membros.
Custo da banda larga barra inovação no país

Valor - 20/10/2011

A adoção de tecnologias da informação e comunicação (TIC) é uma realidade para grande parte das companhias brasileiras. A aplicação desses recursos no desenvolvimento de inovações para os negócios, no entanto, ainda é modesta, especialmente entre as pequenas e médias empresas (PMEs). Os fatores que explicam esse contexto são claros: o custo e a qualidade da infraestrutura tecnológica no país.

Divulgada ontem pela Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (Unctad), a nova edição do Relatório da Economia da Informação aponta que o Brasil tem a oferta de banda larga móvel mais cara do mundo. Abrangendo mais de 60 países, o estudo avalia o uso das TICs no setor privado em mercados desenvolvidos e economias emergentes.

De acordo com a pesquisa, o pacote de banda larga móvel no Brasil tem um custo de US$ 51,27. A tarifa é bem superior mesmo quando comparada com países menos desenvolvidos. No Sri Lanka e no Vietnã, por exemplo, as cifras são de US$ 4,34 e US$ 6,34, respectivamente.

"Desde 2009, houve uma redução de 17% nos preços de pacotes de dados de telefonia celular no Brasil. Ainda assim, estamos longe de um valor acessível, especialmente para os pequenos empresários", diz Carlos Afonso, membro do Comitê Gestor da Internet do Brasil (CGI), entidade responsável pela elaboração e divulgação do estudo no país.

Ao mesmo tempo, o custo elevado não se traduz na oferta de serviços mais qualificados. Enquanto no Brasil a média de velocidade disponível é de 1 Mbps, esse índice é de 7,2 Mbps em países como Quênia, Sri Lanka e Turquia. "As operadoras vivem batendo na tecla de que é preciso cortar impostos relativos ao setor no Brasil, mas mesmo sem essas taxas, o preço continuaria absurdo", diz Afonso. "Hoje, só 5% dos usuários adotam planos de internet móvel. O serviço é só para os ricos", completa Juliano Cappi, também do CGI.

Como reflexo, Alexandre Barbosa, membro do CGI, destaca que o uso da TIC pelas empresas brasileiras ainda se restringe em grande parte a aplicações básicas, como enviar e receber e-mails. "Por conta dessa infraestrutura precária e cara, fica muito claro que as companhias brecam investimentos em aplicações mais inovadoras na internet, como a realização de transações eletrônicas e a oferta de serviços on-line aos seus consumidores", explica.

O relatório da Unctad ressaltou os efeitos do uso da TIC no desempenho das empresas de países em desenvolvimento. Os ganhos em termos de vendas foram 3,4% maiores entre as companhias que investem em tecnologia. Em outra frente, essas empresas registraram uma rentabilidade 5,1% superior à de companhias que não apostam nessa direção.

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Cadê a banda larga?

Band - Coluna Mariana Mazza - 18/10/2011

A recém-lançada "banda larga popular" já foi tema aqui da coluna, mas vou ser obrigada a voltar ao assunto. Fruto de um acordo entre as concessionárias de telefonia fixa e o Ministério das Comunicações, o projeto promete vender banda larga de baixo custo (R$ 35) em todo o Brasil. Na primeira fase, 344 municípios estão sendo atendidos, segundo dados do ministério. Mas estão mesmo?

A reportagem da BandNews FM Brasília constatou que não. A repórter Juliane Sacerdote tentou ter informações sobre os pacotes populares nos Call Centers das teles e, apenas uma delas, a Sercomtel, parecia ter treinado seus atendentes para vender o produto. As duas maiores, Oi e Telefônica, sequer têm a oferta em seu menu de opções da central. Ou seja, quem quiser comprar a prometida banda larga popular vai sofrer.

Coincidência ou não, hoje a Telefônica divulgou novos planos de banda larga promocionais. Consultei o site da Oi e percebi que a empresa seguiu a rival, com pacotes idênticos de banda larga. Os planos mais baratos das duas companhias sai por R$ 29,90 com velocidade de 1 mbps, preço inicialmente abaixo do combinado com o governo. Mas os planos não são tão vantajosos assim.

Primeiro porque agora todas as companhias resolveram mudar o método de venda banda larga no Brasil. Elas agora vendem pacotes de download e não mais conexões ilimitadas com preço estabelecido conforme a velocidade. Assim, quando você se deparam com o plano Vivo Internet Brasil 1GB, por exemplo, esse 1GB não é velocidade de 1 gbps, mas sim o volume de informações que você poderá acessar na Internet. Mas quem sabe quanto pesa um portal ou um vídeo na web? Bom, ao que tudo indica, a pessoa vai ter que descobrir o seu consumo padrão no método tentativa/erro.

E o que acontece quando você excede essa limite de download? O consumidor tem a possibilidade de pagar por mega excedente ou ter a sua velocidade reduzida. E quando digo "reduzida", acreditem: a queda é absurda. Nos pacotes mais caros, de 3GB a 10GB, a velocidade cai de 1 mbps para 256 kbps. Mas tem plano pior. Os menores, de 30MB e 60MB tem a velocidade cortada para chocantes 16kbps. Para se ter uma ideia, essa velocidade é quatro vezes menor do que a conexão por linha discada (dial up), aquela que fazíamos por meio da linha telefônica.

Pelas definições técnicas usadas no setor de telecomunicações, essa velocidade é tão baixa que sequer pode ser classificada como um serviço de telefonia. Para ser telefonia, a taxa de transmissão ter que ser de, no mínimo, 64 kbps. Por isso as conexões por linha discada têm essa velocidade nominal.

Engenheiros ouvidos pela coluna asseguram que uma taxa de transmissão de 16 kbps não é suficiente para permitir uma navegação minimamente razoável. "Estão inaugurando a banda estreitíssima", brincou um deles. Pelo visto, a banda popular nem bem foi lançada e já vai de mal a pior. Se o cliente achar o plano para comprar, pode se preparar para ter dor de cabeça.
Brasil tem a banda larga mais cara do mundo

Convergência Digital :: 19/10/2011

O Brasil tem a banda larga - fixa e móvel - mais cara do mundo e com custo muito acima do praticado em países emergentes e até mesmo com economias menos desenvolvidas, revela estudo da UNCTAD(Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento), da ONU(Organização das Nações Unidas), divulgado nesta quarta-feira, 19/10.

De acordo com estudo, divulgado no país pelo Comitê Gestor da Internet, o custo do mbps móvel está em US$ 51, enquanto no Quênia fica em US$ 4 e na Turquia, US$3. Na banda larga fixa brasileira, o custo do megabit está estimado em US$ 61.

"A telefonia celular no Brasil segue sendo a mais cara do mundo apesar da redução de 17% constada do ano passado para cá. Mas os nossos preços ficam muito além do cobrado mundialmente. E o celular é a ferramenta de inclusão e de acesso", afirma Carlos Afonso, do Comitê Gestor da Internet, que colaborou com a pesquisa da ONU, enviando dados de pesquisas como TIC Empresas e TIC Domícilios, realizadas no país.

Segundo os dados divulgados pela ONU/UNCTAD, mesmo que o Brasil desonerasse o serviço de banda larga - uma reivindicação antiga das operadoras - o custo do megabit móvel - US$ 51 (cerca de R$ 90,00 com o dólar a R$ 1,75) - ficaria muito acima do cobrado em países com situações econômicas inferiores a nossa. Panorama semelhante na banda larga fixa - US$ 61.

"Entre as oito maiores economias, o Brasil é o mais caro disparado. Precisamos rever muitas questões em telecom. Podemos garantir que a Telefonia, e a banda larga entra nessa questão porque são serviço das teles, é a grande vilã para o desenvolvimento das TICs no país", diz Carlos Afonso.

Para se ter uma ideia, o custo do megabit móvel no Quênia, na África, é de US$ 4. No Marrocos é de US$ 7. No Vietnam fica em US$ 2 e na Turquia, US$ 3. "A diferença é gritante", sustenta Carlos Afonso. Outro dado a ser levado em conta é a velocidade de conexão ofertada ao consumidor.

Enquanto no Brasil, é de 1 Mbps, no Quênia, esse índice chega a 7,2 Mbps, mesma velocidade encontrada no Sri Lanka e na Turquia. No Vietnam, a velocidade é menor, mas chega a 3,6 Mbps. "A Internet móvel está muito distante do cidadão brasileiro. Muito pouca gente usa a Internet de fato. Os celulares têm internet, mas o cidadão não usa. Hoje é um serviço de rico", observa Carlos Afonso.

Na banda larga fixa o cenário não é diferente. O preço encontrado para o Brasil para o pacote ilimitado foi de US$ 31,31 (R$ 54,79 com o dólar a R$ 1.75), para uma velocidade de 512 Kbps. O estudo apura ainda um custo do MBps fixo de US$ 61 no Brasil.

Na Turquia, com uma velocidade de 1Mbps - o dobro da constatada no Brasil - o custo do pacote fixo sai a US$ 30. No Vietnam, com velocidade de 1,5 Mbps, o custo do pacote sai a US$ 8.72. O preço do megabit nesses países são, respectivamente, US$ 30 e US$ 6. A pesquisa sobre dados da telefonia móvel é feita pela Fundação Nokia, na Finlândia.

No ano passado, a divulgação desses dados da ONU/UNCTAD já causou polêmica no Brasil. As teles reagiram ao estudo que apontava a telefonia móvel nacional como a mais cara do mundo.

Por meio do SindiTelebrasil, elas declaram que 'a cesta considerada pela UNCTAD está longe de refletir o perfil médio de utilização da telefonia celular no Brasil". Dessa vez, o estudo focou na banda larga, e no caso do país, segundo o Comitê Gestor foram levados em conta dados do IBGE, dos estudos da própria entidade e do SEBRAE.
Embraer é incluída em projeto de novo satélite

Empresa deve se associar à Telebras para equipamento que também terá parceria de DCTA e Inpe

O Vale - 19/10/2011

A Embraer, de São José dos Campos, deve se associar à estatal Telebras para o desenvolvimento do novo satélite geoestacionário brasileiro, orçado em R$ 716 milhões e que tem o objetivo de ampliar a oferta de banda larga em áreas remotas do país, além de utilização para fins militares.

A meta do governo federal é colocar o equipamento em órbita em 2014. O desenvolvimento será feito por empresas contratadas no exterior, mas com participação de consórcio nacional liderado pela Telebras que deve envolver, além da Embraer, outras instituições de pesquisa da região.

A Embraer não comentou o assunto ontem, mas a parceria, que já estaria quase fechada, deve envolver também a AEB (Agência Espacial Brasileira), que gerencia o Programa Espacial Brasileiro, e o Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) e o DCTA (Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial), além do Ministério da Defesa.

A participação da Embraer teria sido acertada devido à vasta experiência da empresa na integração de sistemas de alta tecnologia.

Por meio da assessoria, a AEB confirmou o interesse em uma “empresa de grande porte” no projeto, mas disse que não há nada definido.

Acordo
No final de setembro, o presidente da Telebras, Caio Bonilha, afirmou em nota publicada no site da estatal que estava negociando com a iniciativa privada para “propiciar um ambiente de transferência de tecnologia”.

Os recursos destinados ao satélite já estão previstos no Plano Plurianual 2012-2015, do governo federal, que também inclui o desenvolvimento dos satélites sino-brasileiros de observação Cbers 3 (no próximo ano) e Cbers 4 (até 2016).

União
O coordenador do Cedaer (Comissão Empresarial para o Desenvolvimento Aeroespacial), Lauro Ney Batista, afirma que a fórmula de união entre instituições estatais e iniciativa privada pode ser benéfica para que o projeto saia do papel.

“O Brasil está atrasado há décadas por incapacidade do governo. Essa união entre estatal e privado é uma tendência presente no exterior, como a participação da Boeing nos projetos dos Estados Unidos.”

Projeto
O satélite, que ficará a 35,7 mil quilômetros da Linha do Equador, se deslocará na mesma velocidade da Terra, ficando como se estivesse estacionado em um ponto de órbita. No total, o governo federal pretende investir mais de R$ 2,5 bilhões no desenvolvimento e lançamento de satélites até 2015.

SAIBA MAIS

Satélite
Lançamento
Brasil quer lançar até 2014 o satélite para comunicações

Fabricação
Parceria
O satélite deverá ser fabricado no exterior, mas o governo pretende estabelecer participação da indústria brasileira

Consórcio
Nacional
Parceria entre AEB, Telebrás, DCTA, Inpe, FAB e Embraer

Descrição
Modelo
Satélite servirá para a ampliação da oferta de banda larga em áreas remotas do país e também para fins militares
Fundo Tamisa pode já deter mais de 15% das ações preferenciais da Telebras

Insight - Laboratório de Ideias - 19/10/2011

Segundo cálculos informais feitos por agentes do mercado de ações, o Tamisa Fundo de Investimentos Multimercado, entidade administrada pela BCSul (Banco Cruzeiro do Sul) Verax Serviços Financeiros Ltda., já poderia ter passado a deter mais de 15% das ações preferenciais da estatal.

Em fevereiro deste ano, o Tamisa comunicou à Telebrás ter adquirido a participação de 5,31% na empresa, representada por 4.707.380 de ações ordinárias (Telb3). No início de outubro, informou que detinha 13% das preferenciais (2.730.600) preferenciais (Telb4) e 6,61% (5.860.080) do total de ações ordinárias (com direito a voto) da companhia.

No entanto, caso os cálculos informais se confirmem e o fundo realmente atinja o patamar de 15% das ações preferenciais, será necessário que comunique o fato à empresa, já que assim determina a Instrução nº 358 da Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Segundo os dois comunicados, o Tamisa efetuou a aquisição com o intuito de realizar operações financeiras, e não alterar a composição do controle ou a estrutura administrativa da estatal.

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Telebrás: Seremos um 'tubarão sem dentes' para os pequenos provedores

Convergência Digital :: 18/10/2011

O diretor comercial da Telebrás, Rogerio Boros, definiu os pequenos provedores como 'peixes piloto que sobrevivem com as sobras dos tubarões e correm o risco de virarem comida', referindo-se às grandes operadoras, detentoras de infraestrutura, que podem, ao final, acabar adquirindo os seus ativos.

E dentro dessa metáfora sustentou que a Telebrás será 'um tubarão sem dentes', ou seja, atuará sempre de forma parceira com os ISPs de menor porte, provendo o ativo central do negócio deles: Rede com preço adequado.

"Se coloca que eles (Os ISPs) detém 9% do mercado, mas isso não é verdade já que eles compram infraestrutura de outros. O mercado está 100% nas mãos das concessionárias. Nós estamos chegando para sermos o provedor neutro", garantiu Boros, na sua participação no IV Seminário Telcomp, realizado nesta terça-feira, 18/10, na capital paulista.

Segundo ainda o executivo, o papel da telebrás é, exatamente, fomentar a competição, aumentando a oferta de mercado de varejo - em especial - fora dos grandes centros.

Assista a participação de Rogerio Boros, diretor comercial da Telebrás, no IV Seminário Telcomp.


Desafios da Telebrás incluem obtenção de alvarás e mão de obra

Terra Notícias - 18/10/2011

A Telebrás enfrenta desafios como obtenção de alvarás e mão de obra fiscalizadora para a elaboração de seu plano de construção nacional de rede para fornecimento de banda larga, disse nesta terça-feira um executivo da estatal.

"Os grandes desafios são muito parecidos com os outros (operadores): licenciamento, alvará, alimentação dos sites, desafio da mão de obra para fiscalização, chegar às diversas localidades (remotas)", disse o diretor comercial da empresa, Rogerio Boros, em um fórum de debate sobre telecomunicações em São Paulo.

Segundo ele, essas dificuldades estão levando a companhia a buscar "parcerias diferentes", como a companhia tem anunciado regularmente. "Mas ainda assim a demora natural do processo (de instalação da rede) é muito grande."

A Telebrás será a operadora do Plano Nacional de Banda Larga (PNBL), um projeto do governo federal para oferecer Internet rápida a baixo custo para todo o Brasil até 2014.

Todas as grandes operadoras —TIM, Telefônica Brasil, Claro e Oi —se comprometeram a participar do PNBL.

Desta forma, a Telebrás, disse Boros, tem a capacidade de aumentar a competitividade no setor, principalmente por permitir que pequenos provedores de Internet atuem mais amplamente, especialmente em localidades remotas.

"A Telebrás vai trazer melhor forma de competição, aumentar a oferta no mercado para que esse mercado de varejo cresça", disse ele sobre os pequenos provedores. "O potencial de crescimento de outras regiões do país tem que ser suprido."

Boros disse que a Telebrás enfrenta grande pressão da sociedade para a concretização de suas metas por ter o governo como principal acionista, ao passo que também tem seu capital aberto. "A Telebrás não é (uma companhia) neutra, é uma S.A., tem responsabilidade com os acionistas", afirmou.
Venture Capital é tema do próximo Debate FINEP

FINEP - 18/10/2011


A experiência da FINEP com investimentos de venture capital no apoio a empresas inovadoras no Brasil será o tema do próximo Debate FINEP, que acontece no dia 25 de outubro, às 10 horas, no Espaço Cultural FINEP. O debate contará com a presença de Álvaro Gonçalves, Diretor Executivo do Grupo Stratus e ex-Presidente da Associação Brasileira de Private Equity & Venture Capital – ABVCAP, e de Patrícia Freitas, Superintendente da Área de Investimento da FINEP. A abertura será feita pelo presidente da Financiadora, Glauco Arbix.

O investimento de venture capital é amplamente reconhecido como um dos mais poderosos instrumentos de apoio às empresas inovadoras. Em muitos países, essa modalidade de investimento vem tendo papel fundamental na consolidação de setores intensivos em conhecimento, estimulando a criação e o crescimento de empresas que trazem ao mercado os resultados do trabalho de universidades e institutos de pesquisa. Apple, Google e a brasileira Lupatech são alguns exemplos de empresas que contaram com o apoio decisivo do venture capital em suas trajetórias de crescimento.

No venture capital, investidores – desde pessoas físicas até fundos de investimento formalmente constituídos – buscam adquirir participação societária em empresas que tenham perspectivas extraordinárias de crescimento e rentabilidade, agregando a essas empresas benefícios como uma maior profissionalização da gestão, estímulo a práticas de governança corporativa, abertura de canais estratégicos de comercialização e o compartilhamento de decisões estratégicas.

No Debate FINEP, Patrícia Freitas apresentará um panorama dos investimentos da FINEP em venture capital – desde seed capital até private equity –, abordando suas principais atividades e resultados até o momento, buscando contextualizar o apoio a fundos de venture capital como política central de investimento público e privado em empresas inovadoras.

Desde a criação do Inovar, iniciativa da FINEP voltada para essa área, já foram aprovados 26 fundos, dos quais 19 estão em operação, cinco em fase de captação e um completamente desinvestido em 2008. Ao todo, a FINEP, por intermédio dessas medidas, já efetuou investimentos em mais de 80 empresas inovadoras. O Inovar já comprometeu cerca de R$ 4 bilhões em fundos.

Álvaro Gonçalves apresentará a experiência do Fundo Stratus GC – aprovado através do 1o Chamada Inovar Fundos da FINEP – abordando seu processo de captação, a tese de investimento, o papel do gestor de fundos no crescimento das empresas investidas, os resultados do fundo e visão da Stratus sobre inovação como investimento viável e lucrativo.

Após o investimento em oito empresas inovadoras e já tendo feito seis desinvestimentos (venda das companhias), o Fundo Stratus GC I, no qual a FINEP aportou R$ 4,8 milhões por intermédio do Inovar Fundos, retornou até agora mais de R$ 10 milhões para a Financiadora. A previsão é de que o retorno final aumente quando o Fundo receber os saldos referentes às vendas já realizadas, e quando os desinvestimentos nas duas últimas empresas da carteira, Senior Solution e Neovia, acontecerem.

A série Debate FINEP foi criada com o objetivo de estabelecer um espaço aberto e permanente de discussão entre a Financiadora de Estudos e Projetos e a sociedade, para subsidiar a construção de ações de apoio à inovação de forma democrática, transparente e eficiente. Participam dos debates interlocutores internos e externos à FINEP, que contribuam para o acúmulo de conhecimento sobre políticas de fomento a C,T&I - Ciência, Tecnologia e Inovação.

Serviço

Debate FINEP - "A experiência da FINEP com investimentos de venture capital no apoio a empresas inovadoras"
Data: 25 de outubro de 2011
Horário: 10 horas ao meio-dia
Local: Espaço Cultural FINEP - Praia do Flamengo, 200, pilotis, Rio de Janeiro.
Entrada franca. Não é necessário realizar inscrição prévia.
Informações: debate@finep.gov.br
Expedição high-tech vai mapear qualidade da banda larga no país

Projeto da WDC, distribuidora de equipamentos de telecomunicações e segurança, passará por 100 cidades

Brasil Econômico - 17/10/2011

Ao todo, serão cerca de 25 mil quilômetros, o suficiente para fazer 58 vezes o trajeto Rio de Janeiro - São Paulo. Este será o percurso de uma expedição hightech que terá início em 27 de outubro.

O objetivo é mapear a qualidade da banda larga em cerca de 100 cidades brasileiras.

O projeto, cujo orçamento está entre R$ 300 mil e R$ 400 mil, começa em Santo Antônio do Descoberto (GO), primeira cidade atendida pelo Plano Nacional de Banda Larga (PNBL).

Não é à toa que o município foi escolhido, conta Vanderlei Rigatieri, diretor geral da WDC Networks, distribuidora e fabricante de equipamentos de telecomunicações e de segurança. “O roteiro seguirá a rede de fibra óptica da Eletronet, que vai ser usada pela Telebrás, no PNBL. Mas vamos incluir também cidades do interior, cujo crescimento do PIB está acima da média nacional”, diz Rigatieri, idealizador do projeto.

Vale ressaltar que a rede da Eletronet é parte da infraestrutura que a Telebrás pretende ter até 2014.

Picape

Para cair na estrada, Rigatieri viajará em uma picape equipada com dispositivos capazes de identificar o número de provedores de acesso a internet em cada cidade, bem como a qualidade da rede.

A análise será feita também com o serviço de banda larga móvel (3G) provido por operadoras de telefonia celular. “A ideia é criar um repositório de informações que mostre quem são os provedores, a qualidade da conexão, qual é a operadora que fornece capacidade para o provedor e a qualidade da banda larga móvel”, explica.

Ao fim da expedição, previsto para abril de 2012, a proposta é criar um documento com as informações.

A Telebrás é uma das patrocinadoras do projeto. “Para ela é bom, porque vamos às cidades onde passarão as fibras ópticas da Telebrás”.

Novos negócios

Para a WDC, a expedição pode gerar novos negócios. Isso porque os principais clientes da empresa são os provedores de acesso a internet via rádio que atuam no interior do país. São 800 clientes nesta área e outros 200 no segmento de segurança, que respondem por 40% da receita da WDC.

Nas visitas às cidades, Rigatieri agendará encontros com provedores locais. “Quem for visitado vai pensar em ser nosso cliente, porque os pequenos provedores têm de correr atrás do fornecedor. Isso vai alavancar nossas vendas”, diz.

Embora não divulgue números, Rigatieri conta que o faturamento da WDC dobrou em 2010 e que, este ano, deve crescer outros 50%. “A economia dos provedores de banda larga está aquecida. Mesmo com uma desaceleração da economia, não vejo como o Brasil parar de investir em banda larga”

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

EDP lança rede elétrica inteligente em Aparecida

Teletime - 17/10/211

O grupo EDP Energias de Portugal anuncia, nesta segunda-feira, 17, o lançamento de um projeto de rede elétrica inteligente (smartgrid), na cidade de Aparecida, interior do Estado de São Paulo.

Em nota, a empresa afirma que a “iniciativa faz parte da estratégia mundial de investimento em inovação da EDP”. O projeto contemplará o uso de medidores inteligentes de energia, uma maneira de privilegiar a “iluminação pública eficiente”, geração de energia com fontes renováveis, mobilidade elétrica e ações de eficiência energética.

Recentemente o INMETRO homologou o primeiro medidor inteligente para o setor elétrico brasileiro, fato que viabilizou o projeto da EDP. A companhia diz que a implantação do programa de smartgrid no Brasil se beneficiará da experiência que o grupo ganhou ao desenvolver projeto semelhante na cidade portuguesa de Évora.

O lançamento oficial da nova rede acontecerá na próxima sexta, 21, em Aparecida. Participarão da cerimônia o governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, o secretário estadual de Energia, José Anibal, o prefeito de Aparecida, Antônio Márcio de Siqueira; o diretor- presidente da EDP no Brasil, António Pita de Abreu, o diretor-presidente da EDP Bandeirante, Miguel Setas, autoridades locais e executivos da Companhia. A instalação de redes inteligentes pode facilitar a integração de serviços energéticos à banda larga.
Level3 assume Global Crossing e mira governo, serviços IP e MVNO

Convergência Digital :: 17/10/2011

Apesar de manter a sede da Level3, em Buenos Aires, na Argentina - já era assim com a Global Crossing - o Brasil centralizará os esforços de novos negócios da operadora norte-americana na América Latina, revela o presidente da Level3 para a região, Hector Alonso.

A integração das empresas já acontece e clientes nacionais já estão sendo procurados para entender o projeto da companhia, que segue tendo o mercado corporativo como prioridade total. Atuar como MVNO - operadora virtual - é uma possibilidade que começa a ser tratada. Na banda larga, empresa quer ser fornecedora de infraestrutura para o PNBL.

Em entrevista ao Convergência Digital, Hector Alonso - que na semana passada veio ao Brasil para contactar clientes e para definir novas estratégias de atuação - afirma que, neste momento, não há qualquer mudança no molde de atuação da Global Crossing, agora, Level3. Ele próprio é um exemplo. Isso porque respondia até então pela direção da operadora comprada.

"A aquisição foi bastante complementar e nos dá bastante força para brigarmos pela vertical governo, que cresce muito e manterá essa tendência nos próximos anos em função dos projetos de inclusão digital", destaca.

A marca Global Crossing desaparecerá do mercado e a proposta é consolidar o brand Level3. "A nossa proposta é ofertar uma cobertura significativa de infraestrutura de rede no mundo e na região", sustenta Alonso, que garante que o quadro de funcionários será mantido. "A Level3 não tinha operação na região. Vamos usar o time da Global Crossing".

Reunidas as redes das empresas, a Level3 possui, agora, 82 mil quilômetros de redes ópticas no mundo e quase 47 mil quilômetros de cabos submarinos. A cobertura abrange mais de 70 países. Na América Latina, essa malha chega a mais de 30 mil quilômetros de redes ópticas.

Dentro da estratégia da Level3, o atendimento ao consumidor residencial segue fora do projeto - como já o era com a Global Crossing. A ideia é se manter como fornecedora de infraestrutura para as concessionárias. Mas há áreas onde haverá, sim, uma disputa.

Na vertical governo, por exemplo, ainda pouco explorada na América Latina, a ideia é, sim, se tornar parceira e fornecedora alternativa de rede. "Acreditamos muito nos projetos de banda larga. Há muito por fazer e podemos ser fornecedores porque temos uma rede de ponta disponível", salienta Hector Alonso.

Bastante cauteloso, Alonso fala sobre os planos de atuar como MVNO. "Estamos vendo todas as possibilidades de crescer na região. E ser uma operadora virtual poderá ser bastante atrativo, mas ainda são estudos", diz. Em abril deste ano, a Level3 comprou a Global Crossing pagando US$ 1,9 bilhão e assumindo uma dívida de US$ 1,1 bilhão.

No Brasil, a Global Crossing possui três Data Centers - Rio de Janeiro, São Paulo e Curitiba - e ao final de 2010, os negócios corporativos respondiam por 70% da receita no país. A unidade carrier das carriers ficava com os outros 30%.
‘Brasil tem chance de ouro, que não é eterna’

Estadão - 17/10/2011


Entrevista – Pablo Larguía, fundador da Rede Innova

pablo_larguia.jpg
José María Figueres, presidente da Rede Innova, e Pablo Larguía, fundador da Rede Innova

Cansado de participar de conferências de tecnologia na Europa que pouco falam sobre a América Latina, o argentino Pablo Larguía – fundador do site de empregos Bumeran.com – criou sua própria conferência em 2009. Para isso, contou com a ajuda de José María Figueres (ex-presidente da Costa Rica e ex-CEO do World Economic Forum), hoje presidente da Rede Innova.

Depois de duas edições em Madrid e duas em Punta del Este, nos dias 29 e 30 de novembro ele traz o evento ao Brasil, país em que o “setor tecnológico é muito mais evoluído que muito lugar europeu”. Leia abaixo a entrevista completa que ele concedeu ao Estado em São Paulo — publicada no caderno de Negócios desta segunda-feira, 17 de outubro.

Como você vê a área de tecnologia no País?
Quando falamos de negócios baseados na internet, o Brasil é o mercado mais importante do mundo, principalmente se você é um investidor americano.

Por quê?
Entre os Bric (Brasil, Rússia, Índia e China), ele é o mais ocidentalizado, onde é mais fácil se entender com as pessoas. Do ponto de vista do mercado, para empresas como Foursquare e Twitter, por exemplo, o Brasil é o país com mais usuários depois dos Estados Unidos. Conta também a favor a força no e-commerce. Tenho um amigo que abriu um site de compras coletivas no México e no Brasil. Em um ano, a receita dele aqui foi quatro vezes maior que a de lá. O Brasil tem uma oportunidade de ouro, que não vai durar toda a vida.

Você vive há dez anos na Europa. O que o Brasil tem de diferente?
O mercado europeu está saturado. Aqui, o acesso à internet cresce continuamente e o setor de tecnologia fica mais sofisticado. Vejo profissionais bem formados e com mais conhecimento. Mas falta visão de negócios. Faltam empresas brasileiras fundadas por brasileiros que alcancem mais que América Latina.

Quais mudanças no mercado de tecnologia você vê nos próximos anos no Brasil?

Não só no Brasil, mas no mundo, acredito que vamos passar por uma transformação significativa na área de educação. Hoje, os alunos ainda aprendem como nós aprendemos. Mas isso deve mudar, porque os dispositivos móveis são a extensão do cérebro. Crianças de três anos tocam em tela de TV como se fosse um iPad, pois já lidam com os equipamentos de uma maneira tátil. O que ocorre é que, se crianças conseguem chegar a aplicativos que querem com o toque dos dedos, o pensamento começa a se estruturar de uma maneira diferente, que não é linear. Isso vai causar um impacto grande na indústria da tecnologia no decorrer do tempo — e vai abrir novos horizontes mentais. As pessoas vão criar coisas mais inovadoras. Estamos só no princípio da internet…

Deputados podem votar projeto do Fust

Convergência Digital :: 17/10/2011

O presidente da Câmara, Marco Maia, acredita que será votado nesta semana o projeto de lei que modifica as regras do Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações (Fust) e facilita a aplicação dos recursos.

Segundo Maia, já existe acordo sobre o texto, o que permitiria sua aprovação pelos deputados – como há mudanças, a proposta, se efetivamente aprovada, terá que voltar ao Senado.

O projeto de lei 1.481/2007 repousa no Plenário da Câmara desde meados do ano passado. Isso se deu inicialmente por questões políticas, uma vez que houve resistência da oposição, em um ano eleitoral, à destinação de recursos que poderiam beneficiar o Plano Nacional de Banda Larga.

Mais tarde, o próprio governo decidiu segurar a votação. Prevaleceu aí a perspectiva da área econômica, uma vez que, desde que foi criado, o dinheiro realmente aplicado foi aproximadamente R$ 10 milhões, sendo que o Fust já soma cerca de R$ 8 bilhões. Os recursos são costumeiramente usados no superávit primário.

A essência da mudança na lei é permitir que os recursos do Fust sejam utilizados por serviços prestados em regime privado, e não somente naquele em regime público (telefonia fixa). Daí a perspectiva de que haja investimentos em banda larga. A ideia, porém, é usar o fluxo anual e não saldo já existente.
Primeiro aporte de Dilma na Telebrás é ainda do governo Lula

Convergência Digital :: 17/10/2011

A Telebrás, finalmente, conta, oficialmente, com os recursos esperados desde o fim do ano passado para investimentos no Plano Nacional de Banda Larga. Na semana passada, um decreto da presidenta Dilma Rousseff autorizou a estatal a ampliar seu capital em R$ 300 milhões.

Assim, apesar dos discursos em defesa da inclusão digital no país, o primeiro aporte do governo Dilma na empresa é, na verdade, dinheiro destinado ainda pelo governo Lula. Os R$ 300 milhões estavam previstos na Medida Provisória 515, editada em 28 de dezembro do ano passado. A MP foi convertida em lei em maio deste ano.

Não custa lembrar que o desenho inicial do Plano Nacional de Banda Larga previa que a Telebrás teria R$ 1 bilhão entre 2010 e 2011 – com a perspectiva de um aporte de outros R$ 400 milhões neste ano a depender do andamento da implantação da rede nacional de fibras ópticas.

As perspectivas são bem mais modestas. Com os recursos atuais – os R$ 300 milhões – a rede de fibras, segundo a estatal, estará em condições de atender cerca de 500 cidades do país, embora a demanda atendida – portanto, com contratos efetivamente firmados com provedores – deve chegar até o fim do ano somando 150 cidades.
Rede nacional [da Telebras] está entre as mais modernas do mundo

Equipamentos usados são da linha CRS-3 e ASR9k da Cisco

Baboo - 17/10/2011

Até o final deste ano a Telebras deve concluir a implantação em Fortaleza, São Paulo e Rio de Janeiro dos equipamentos de alta velocidade que viabilizarão as saídas de internet conectando a rede nacional de telecomunicações (backbone) às demais redes em operação no Brasil e no mundo.

Em Brasília esta implementação já foi finalizada e no início do próximo ano chegará também a Porto Alegre, completando as cinco capitais brasileiras que hospedarão os mais robustos equipamentos de rede para saída de internet.

Segundo o presidente da Telebras, Caio Bonilha, essa infraestrutura está entre as mais modernas do mundo e é utilizada por grandes provedores internacionais. Ele destaca que o núcleo central da rede (Core) é composto por equipamentos, serviços com altos índices de capacidade e funcionalidades avançadas que permitirão alta disponibilidade aos provedores de internet e empresas parceiros da Telebras.

Os equipamentos que compõem a rede nacional de telecomunicações são da linha CRS-3 e ASR9k da Cisco. O primeiro possui uma capacidade de comutação de até 2,4 Tbps e, o segundo, de até 3,2 Tbps.

Bonilha lembra que a rede está pronta para ampliar a capacidade de transmissão, de acordo com a evolução da demanda, podendo chegar a enlaces de 100 Gbps nos equipamentos do Core IP. De acordo com o presidente da Telebras, essa abordagem coloca a empresa em um seleto grupo de provedores com tal recurso.

“A rede da Telebras começa a operar já preparada para atender a demanda crescente do Programa Nacional de Banda Larga (PNBL) e de transmissão de conteúdos multimídia”, salienta Bonilha. Ele acrescenta que a empresa também se antecipou ao esgotamento dos endereços IPv4 e que a sua rede está tecnicamente adaptada ao sistema de endereçamento IPv6.
Empresas dificultam acesso à internet popular, mesmo após acordo com o governo

Rádio CBN - 17/10/2011

domingo, 16 de outubro de 2011

Um empurrão na TV digital

Lento avanço da interatividade da tevê leva o governo a forçar fabricantes a adotarem software aberto para beneficiar usuário

Correio Brasziliense - 16/10/2011

Imagine que, ao chegar em casa depois de um longo e exaustivo dia de trabalho, tudo o que se queira é relaxar um pouco em frente à tevê. Mas, ao assistir ao comercial do seu banco, seu coração dispara assim que você se lembra que o depósito para cobrir um cheque não foi feito. A primeira reação seria correr para o computador e fazer a transação. Mas a modernidade do mundo digital já não exige nem mesmo que o telespectador abandone o sofá para colocar a vida em dia. Os que têm um aparelho digital cconectado à internet podem contornar esse tipo de problema com uma simples operação bancária feita a partir do controle remoto da tevê. Basta que a instituição financeira ofereça o aplicativo para a transação.

Mas, infelizmente, no Brasil essa não é a realidade da maioria, nem dos usuários nem de empresas prestadoras de serviços. Insatisfeito com a velocidade do avanço do uso da interatividade na televisão brasileira, o governo trabalha para dar um empurrãozinho nas empresas que exploram esse mercado. A proposta é tornar a inclusão do Ginga — um tipo de software que permite ao telespectador interagir com a programação — pré-requisito para os fabricantes que quiserem manter benefícios fiscais em tevês com tamanho acima de 32 polegadas. A nova estratégia se justifica. Cinco anos após o início da tevê digital no Brasil, a cadeia produtiva ainda se mostra bastante hesitante em apostar no segmento.

O principal entrave, no entendimento do setor privado, está na reduzida opção de tevês com o Ginga disponíveis no mercado. Fabricantes de eletroeletrônicos argumentam que a escala de domicílios cobertos pelo sinal digital, cerca de 45% do território brasileiro, inviabiliza investimentos robustos no setor. E, num efeito bumerangue, a baixa quantidade de telespectadores com acesso às tevês interativas desestimula empresas de aplicativos e produtores de conteúdo a oferecerem esse tipo de programação. Contudo, em 2016, as transmissões analógicas terão que ser obrigatoriamente desligadas no Brasil.

Transição
Maximiliano Martinhão, secretário de Telecomunicações do Ministério das Comunicações, avalia que o momento atual é o da transição entre uma primeira fase, em que o novo sistema de transmissão começou a ser oferecido, para uma etapa de criação de uma escala economicamente atrativa para a exploração das possibilidades de negócios atreladas à tevê digital. No entender dele, esse cenário configura o momento ideal para a inclusão do Ginga como pré-requisito aos benefícios do Processo Produtivo Básico (PPB), o mecanismo de incentivo governamental. “O maior estímulo à interatividade é a própria experiência do usuário”, diz Martinhão.

O Ginga é um sistema aberto e gratuito. Ele pode rodar aplicações feitas por qualquer empresa ou ser transmitido por qualquer emissora. Mas enquanto o uso dessa plataforma patina no país, alguns fabricantes investem pesado em aparelhos com sistemas próprios de interatividade — são as chamadas tevês conectadas. A diferença entre os dois modelos é que, no segundo, o telespectador ficará restrito a aplicativos compatíveis com a marca do televisor.

Daniel Almeida, gerente de produtos da LG, considera que a vantagem da tevê conectada está na escala maior de potenciais compradores. “Conforme as conexões à internet tornam-se cada vez mais rápidas e disseminadas pelo país, há mais aceitação do público pelas televisões, já que nem todos têm acesso à recepção digital”, sustenta. Apesar de não contar com o Ginga, a plataforma da LG já atraiu o interesse de grandes empresas nacionais. Recentemente, a fabricante anunciou uma parceria com o Banco do Brasil que permite correntistas da instituição fazerem transações pela tevê.

Consultas médicas
Com a inclusão do Ginga no programa de benefício fiscal conhecido como Processo Produtivo Básico (PPB), o governo quer que, no ano que vem, 75% dos televisores já saiam das fábricas com o middleware de interatividade instalado. Em 2013, pelas projeções oficiais, esse percentual alcançaria 100% dos aparelhos. A plataforma interativa permite, por exemplo, que os telespectadores usufruam, além de som e imagens em alta definição, do uso de aplicativos para as mais variadas funções, tais como marcação de consultas médicas ou acesso a todo tipo de produto — o uso será bastante similar ao dos smartphones.

Popularização só com tempo

De olho no avanço das tevês conectadas, o governo estabeleceu que todos os modelos de televisores que disponibilizarem suporte IP (internet) deverão implementar também o sistema aberto Ginga — e não poderão restringir o acesso das aplicações baseadas nessa plataforma. Mas a popularização não será algo simples. Edmundo Oliveira, diretor de Relações Institucionais da Associação Brasileira de Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom), compara o avanço da interatividade na tevê digital com o início da propagação dos smartphones. “É preciso haver escala suficiente para que as empresas sintam confiança em investir”, defende.

Opinião semelhante tem David Brito, diretor de tecnologia da Totvs. “O mercado não pega fogo sozinho. É preciso um empurrãozinho”, admite. Ainda assim, a Brasscom é favorável à inclusão do Ginga no programa de benefícios fiscais do governo, por meio do Processo Produtivo Básico (PPB) como um estímulo à popularização da interatividade. “Estamos atrasados, passando do ponto. As emissoras já estão preparadas e o custo dos investimentos não é impeditivo. O que falta é as tevês interativas chegarem às casas das pessoas”, declara.

Hideraldo Dwight, gerente-geral da Unidade Gestão de Canais do Banco do Brasil, argumenta que o lançamento do aplicativo para tevês abre um novo leque de serviços de valor agregado voltado à comodidade dos clientes. “A tevê é o mais disseminado veículo de transmissão de conteúdo, e, agora, está se tornando um centro interativo e de realização de serviços”, diz. Para Roberto Franco, presidente do Fórum Brasileiro do Sistema de TV Digital, a tecnologia por si só é suficientemente atrativa para o desenvolvimento de aplicativos e produtos interativos. “Incentivos são bem-vindos, mas independentemente do que se faça, a popularização do serviço é uma questão de tempo”, diz.
Na telefonia, salto de 3.000% e desafio da internet

Treze anos após privatização, setor leva telefone fixo e celular a 100% dos municípios. Preços e banda larga são criticados

O Globo - 16/10/2011

Se, em 1998, estar conectado era esperar pelo menos dois anos para ter uma linha telefônica fixa, hoje, mais de uma década após a privatização das telecomunicações no país, navegar em um celular com internet já é acessível à grande parte dos brasileiros. O número de aparelhos móveis subiu de 7,3 milhões para 224 milhões nos últimos 13 anos após a venda do Sistema Telebrás à iniciativa privada - salto de quase 3.000%, fazendo do país o sexto maior mercado do mundo. Na fixa, o total de linhas dobrou, chegando a 42,5 milhões de casas, o quinto maior número do planeta.

Tido pelos especialistas como o maior sucesso das privatizações iniciadas nos anos 90, por ter levado a telefonia fixa e móvel a 100% dos municípios, o setor tem desafios de sobra. Na lista, os preços elevados e a dificuldade em levar banda larga fixa a cidades menores.

- A universalização da voz é passado. É preciso levar internet aos lugares mais pobres. E esse processo está lento. O Brasil ainda está em uma posição modesta em relação aos indicadores mundiais - diz Virgílio Freire, ex-presidente da Vésper e Lucent.

Juarez Quadros, ex-ministro das Comunicações, compara a escassez do telefone fixo de 13 anos atrás com a falta de internet banda larga hoje.

- Devem-se buscar soluções, como têm feito outros países. Na Austrália, a solução para conectar a população em áreas remotas tem sido via satélite. Um dos desafios é baixar a carga tributária, que, em média, responde por 43% do preço final.

O elevado preço dos serviços é uma das principais críticas ao período pós-privatização. Além da elevada carga tributária, a baixa competição ajuda a explicar os valores pagos pelos brasileiros, diz Luiz Antonio Joia, diretor do Laboratório de Governo e Negócios Eletrônicos da FGV. Segundo o IBGE, o valor da tarifa do telefone fixo subiu 132,34% entre 1998 e 2010, acima do IPCA no período (122,78%).

- Há um cartel da mediocridade na telefonia, que mistura preços altos com serviços de baixa qualidade. E quem tem de fiscalizar isso, a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), não fiscaliza - diz Joia.

Empresas de telefonia lideram volume de queixas

João Moura, presidente executivo da Associação Brasileira das Prestadoras de Serviços de Telecomunicações Competitivas (TelComp), endossa os argumentos de Joia. Ele lembra da baixa velocidade da internet no país. Hoje, 29% das conexões têm velocidade de até meio mega.

- O número de lares com banda larga é baixo, assim como a velocidade na conexão. Deve haver uma maior concorrência. Enquanto isso, quem sofre é o consumidor - afirma Moura.

Mesmo com os desafios, as empresas privadas investiram pesado. Desde 98, os recursos aumentaram 41%, de R$12,3 bilhões para R$17,4 bilhões por ano. Com o maior número de clientes, vieram também as queixas. Não à toa, os serviços de telefonia encabeçam a lista das queixas, segundo o Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC), do Ministério da Justiça. Nos últimos 12 meses, o setor respondeu por 18,8% do 1,4 milhão de registros.

- As telefônicas estão oferecendo mais linhas do que a capacidade - diz Juliana Pereira, diretora do DPDC.

Muitas vezes, as queixas chegam à Justiça. No Rio, a Oi lidera a lista das empresas mais processadas, diz o Tribunal de Justiça. De janeiro de 2009 a setembro deste ano, ela só foi desbancada do 1º lugar em dezembro de 2010, pela Light. O diretor de Segmentos de Varejo da Oi, Maxim Medvedosky, atribui isso aos 66 milhões de clientes:

- Grande quantidade de clientes e competição ferrenha criam uma equação difícil.

A advogada Úrsula Goulart, do escritório Chalfin, Goldberg & Vainboim, diz que, com os serviços cada vez mais complexos, os clientes estão exigentes:

- Falta engajamento das empresas, preocupadas em retornos a curto prazo.

A competição, porém, deve aumentar. Em setembro, o setor comemorou a regulamentação do projeto que abre às teles o mercado de TV por assinatura. Eduardo Tude, presidente da consultoria Teleco, diz que as mudanças vêm tarde:

- Vamos ver uma maior competição por pacotes de serviços integrados ao consumidor.

E, por isso, esperam-se mais investimentos, chegando a R$30 bilhões em 2014. Este ano, serão R$20 bilhões. Antes da privatização, a Telebrás investia só US$2 bilhões por ano. Eduardo Levy Moreira, diretor-executivo do SindiTelebrasil, lembra de quando trabalhava na Telerj:

- A privatização trouxe muitos benefícios. Na época da Telebrás, o orçamento era congelado e a oferta não atendia à demanda. Uma linha fixa custava até R$10 mil no paralelo.

Os governos também saíram ganhando. O recolhimento de impostos do setor avançou 420%, passando de R$8 bilhões em 1998 para R$41,6 bilhões no ano passado.