sábado, 10 de julho de 2010

(Em competição mundial da Microsoft, os 25 mil brasileiros competindo representam cerca de 25% do total de competidores)

Compassionate Coding: Students Compete in Microsoft Competition to Write Humanitarian Apps [Slide Show]

At Microsoft's Eighth Annual Imagine Cup finals this week, 400 students from the around the world presented software that, among other things, improves health care delivery, aids rescue workers and tackles traffic jams

Scientific American - July 9, 2010 - By Larry Greenemeier

Microsoft, software

IMAGINE: Microsoft's Eighth Annual Imagine Cup finals wrapped up this week in Warsaw, Poland, with 400 high school and college computer programmers vying for $240,000 in prize money.

As society's reliance on information technology surges, software has become an indispensable component of any disaster response effort. This includes programs for maneuvering robotic subs (as with the efforts to contain BP's Deepwater oil disaster in the Gulf of Mexico) or sophisticated mapping tools for emergency-response crews using mobile devices to assess earthquake damage (as in Haiti). With the understanding that emergency, health care and other services' reliance on software will only grow over time, Microsoft has for the past eight years hosted a global competition that challenges high school and college students to develop applications that address some of the planet's most urgent needs.

The company's Eighth Annual Imagine Cup finals wrapped up Thursday in Warsaw, Poland, with 400 students vying for $240,000 in prize money. The Imagine Cup, of course, serves as a major promotional event for Microsoft, with the dual purpose of trying to ensure that the company's products are the tools of choice for the next generation of computer programmers.

The event's popularity has expanded rapidly—about 325,000 students from more than 100 countries registered to compete this year (with 400 students advancing to this week's finals). That is a far cry from the 1,000 or so students that the company says it signed up in 2003 for the inaugural competition in Spain. Imagine Cup projects are aligned with the United Nation's Millennium Development Goals, which include eliminating poverty, promoting education, improving health care, and providing clean drinking water by 2015.

Projects in this year's competition trended toward education and global health, although several teams tackled another pressing problem worldwide—traffic management—with applications for improving bus routes and a social networking tool for organizing car pools, says Jon Perera (pdf), Microsoft's general manager for education.

As one might suspect, a prerequisite is that all competitors develop their programs using Microsoft products, including software writing tools, databases and the Windows operating system. Increasingly, students designed their software to be hosted at Microsoft's data centers rather than on their school's local computers. This so-called "cloud" model meant the teams did not have to worry about whether their schools had enough servers, storage devices and networking capacity to meet their needs. This is the first year of the competition where students could use Azure or Windows 7 (both of which debuted in the past year—Azure is an operating system optimized for remotely hosted computing).

Some of the apps are finding immediate use in critical situations worldwide. Brno University of Technology in the Czech Republic developed the Geographical Information Assistant (GINA), which has allowed rescue workers in Haiti use mobile devices to overlay emergency locations on multiple maps, pull global positioning system coordinates for the places they need to go, and use touch technology to make notations on their maps, according to Microsoft.

Another application submitted for the Imagine Cup competition that is already being used in the field is a project to help Jordan's Ministry of Environment study how the desert in that country is expanding. German-Jordanian University's Project OaSys is designed to monitor and help solve that country's problem of "desertification," where once-green land dries up and is no longer agriculturally productive.

The Imagine Cup competition invites entries in five categories: software design, embedded software development, game design, digital media and IT challenge. These categories are a reflection of where Microsoft thinks the jobs will be when these students graduate. It is interesting to note that Brazil, a country whose economy is on the rise, contributed nearly 25 percent of this year's competitors (or about 80,000 students), Perera says.

The projects are judged based on a number of criteria, including how the students defined the problem, how well they designed their software, the quality of the user interface with that software, business viability, and a presentation during which the students describe and pitch their project to the judges. This approach reveals how well students understand the problem they are trying to solve and the demand for a potential solution, Perera says.

View a slide show of 2010 Imagine Cup finalists

====================================================================

AlterNet - July 10, 2010

325,000 Students Compete (in the Cloud) for $240,000 from Microsoft

Cloud

From Scientific American…

Compassionate Coding:

Students Compete in Microsoft Competition to Write Humanitarian Apps

With the understanding that emergency, health care and other services’ reliance on software will only grow over time, Microsoft has for the past eight years hosted a global competition that challenges high school and college students to develop applications that address some of the planet’s most urgent needs.

The event’s popularity has expanded rapidly–about 325,000 students from more than 100 countries registered to compete this year. The company’s Eighth Annual Imagine Cup finals wrapped up Thursday in Warsaw, Poland, with 400 students vying for $240,000 in prize money.

As one might suspect, a prerequisite is that all competitors develop their programs using Microsoft products, including software writing tools, databases and the Windows operating system.

325,000 high-school geeks hard at work for Microsoft, for an average “wage” of $0.75.

The relatively good news appeared later…

Increasingly, students designed their software to be hosted at Microsoft’s data centers rather than on their school’s local computers. This so-called “cloud” model meant the teams did not have to worry about whether their schools had enough servers, storage devices and networking capacity to meet their needs.

This was especially important in third-world countries like Brazil, where no less than 80,000 students competed for Microsoft’s meager prize, thanks to a vast (and relatively cheap) expansion of broadband by Luiz Inácio Lula da Silva’s leftist regime, and their program includes a robust public option!

The Brazilian government’s plan to provide cheap broadband Internet across the country will shake up the big five providers, forcing them to offer a more competitive service, said Rogerio Santanna, the president of Telecomunicacoes Brasileiras SA (TBH), or Telebras, Friday.

Cloud computing means that users like you manipulate distant computers over the internet, and it’s typically compared to the paradigm shift in electric power, when backyard generators were replaced by the familiar grid that connects you to your favorite utility.

The downside of this marvelous transformation is catastrophic systemic risk, as brilliantly illustrated by the virtual absence of electric power all over Iraq, where insurgents knock down power-lines as fast or faster than anyone can set them up, and the loudest sound in Baghdad (except for bombs) is the maniacal bap-bap-bap of tens of thousands of tiny two-stroke diesel generators, each of them belching forth its own tiny cloud of fumes.

Contrariando diretor da BM&F/Bovespa, site da bolsa diz que Telebrás está "operacional"

Ontem, este blog publicou a matéria citada abaixo, cujo extrato, com os comentários feitos, está colocado a seguir

Diretor da BM&FBovespa nega Telebrás no Ibovespa pelo fato de a empresa "não estar operacional"

Jornal do Comércio / Agência O Globo - 09/07/2010

A estimativa é do diretor de relações com as empresas da BM&FBovespa, José Antônio Gragnani.
...

Quanto à possível entrada da Telebrás no Ibovespa, o índice de referência, Gragnani reforçou que o comunicado da Bovespa vetando esta possibilidade "foi bastante claro e esclarecedor". A estatal não está operacional, e suas ações têm sido negociadas a partir de especulações de que a empresa pode ser usada para gerir o programa do governo de expansão da internet em banda larga.

---xxx---

Comentário:

Antes de qualquer conclusão precipitada, é necessário considerar que, na atual situação da Telebrás, a questão de estar ou não operacional não parece ser consenso dentro da área técnica da BM&FBovespa.


Além disso, a análise final que determinará se a empresa poderá compor ou não o índice, somente ocorrerá nas prévias de agosto. Até lá, já deverá ter acontecido a assembléia de acionistas que aprovará o estatuto, definirá a nova estrutura operacional., referendará os nomes de Rogério Santanna e César Alvarez, bem como aprovará outras matérias importantes para o pleno funcionamento da Telebrás. A propósito, há uma boa possibilidade de que essa assembléia seja convocada já na próxima semana.

Nesse período também já estarão definidas as primeiras 100 cidades pelas quais será iniciado o PNBL, podendo assim o trabalho prático já ser iniciado. Em síntese, quando da ocorrência das prévias já não haverá mais dúvidas sobre a operacionalidade da empresa.

*Leonardo Araujo - analista de informações


Hoje, pelo Twitter, o Sr. Souza observou ainda que no site da própria BM&FBovespa a situação da empresa consta como "Operacional", como pode ser visto abaixo.

Assim, questiona-se qual seria ou quais seriam os motivos para que o seu diretor de relações com as empresas, José Antônio Gragnani, fizesse tal afirmação...

Ou será que foi "o estagiário" quem preencheu a planilha?


BM&FBOVESPA - Empresas Listadas

01125-8 TELEC BRASILEIRAS S.A. TELEBRAS ITR 31/03/2010 LS

Grupo 1 - Dados da Empresa - 06 - Características da Empresa

| 01- Identificação | 02 - Sede | 03 - Diretor de Rel. com Investidores | 04 - Referência/Auditor |

| 05 - Composição do Capital | 06 - Características da Empresa | 07 - Socs.Não Incluídas nas DFs.Consolidadas |

| 08 - Proventos em Dinheiro | 09 - Capital Subscrito e Alterações |

1 - Tipo de Empresa
Empresas Comerciais, Industriais e Outras
Instituições Financeiras
Seguradoras
2 - Tipo de Situação
Pré-Operacional Falida Em Liquidação
Operacional Liquidação Extrajudicial Recuperação Judicial
Concordatária Paralisada Recuperação Extrajudicial
3 - Natureza do Controle Acionário
Privada Nacional Estrangeira Estatal Holding
Estatal Nacional Holding Estrangeira Holding
4 - Código Atividade
1130 - Telecomunicações
5 - Atividade Principal
RESPONDENDO PELAS OBRIGAçõES INSTITUCIONAIS E CONTENCIOSO JUDICIAL
6 - Tipo de Consolidado
Total Não Apresentado Parcial

sexta-feira, 9 de julho de 2010

Rigor (para mudar o quadro nas telecomunicações)

Monitor Mercantil - 09/07/2010

O pouco caso como são tratados os consumidores pelas concessionárias de serviços públicos mostra que monopólio - quando necessário - só funciona com eficiente regulação. Não é isso o que ocorre no Brasil. Nenhuma agência reguladora age para proteger o cliente. Ao contrário, normalmente se vê uma cumplicidade muito grande entre empresas e aqueles que as deveriam fiscalizar.

Quando o governo tem uma atuação forte - caso, por exemplo, da expansão da banda larga via Telebrás - milagrosamente as empresas privadas se mexem e prometem universalizar o que chamam de banda larga (velocidade que seria considerada ridícula em outros países).

Na telefonia, em locais onde há concorrência, o serviço melhora um pouco e o preço baixa. O problema é que a maioria das empresas miram apenas o mercado corporativo, mais lucrativo, deixando o consumidor individual à mercê de um monopólio. Em outros casos, parecem agir como um cartel.

Bom exemplo é o do celular pré-pago, com as tarifas mais altas do mundo - e com vantagem tão grande para o segundo colocado que só um corte radical permitira deixar a vergonhosa liderança deste ranking.

Haja pressão da opinião pública para cobrar de governos e justiça rigor para mudar esse quadro.
O que significa “ressuscitar” a Telebrás

Hupomnemata - 09/07/2010

O governo Lula reativou, recentemente, a Telebrás, antiga estatal responsável pelos serviços de telecomunicações no Brasil, extinta após a abertura do setor às grandes empresas multinacionais de telecomunicações, as “teles” – Oi, Telmex, Telefônica, Vivo, Claro e a Embratel privatizada.

Por que fez isso¿ Para garantir a implementação democrática do serviço de banda larga, que essas empresas deveriam ter feito há cinco anos atrás e não fizeram.
A Telebrás ressuscitada tem o objetivo de atuar complementarmente a essas empresas. Ela fará isso da seguinte maneira: primeiramente, vai incorporar os troncos de comunicação por fibra óptica da Eletronet, hoje ociosos. Com isso, vai poder levar a infraestrutura de redes de alta velocidade a cerca de 4.200 municípios brasileiros.

As teles só atendem, hoje, a 400 municípios. Com isso, a Telebrás vai prestar um serviço de infra-estrutura. Por ele, cobrará um custo razoável, que permitirá, aos demais agentes privados ou públicos, alugar capacidade de rede para revenda a outros usuários, intermediários ou finais, a preços competitivos ou módicos.

O objetivo do governo é capilarizar a rede, permitindo que lugares mais distantes dos centros de riqueza possam ter acesso à banda larga. Essa decisão do governo foi louvável e corajosa.

Alguns jornalões e políticos têm dito que a “ressureição” da Telebrás inicia um processo de reestatização do setor das telecomunicações. Mas isso não é verdade. A Telebrás, tal como foi recriada, se torna um instrumento de equilíbrio do mercado em relação ao interesse público. Ela faz o que as empresas privadas não fizeram e nem querem fazer. Além disso, ela fomenta a concorrência no setor e multiplica os agentes privados no mercado.

*Fábio Fonseca de Castro é doutor em sociologia, professor da Faculdade de Comunicação da UFPA e pesquisador no programa de pós-graduação "Comunicação e Cultura na Amazônia". Como pesquisador, atua nos campos das sociologias e políticas da cultura, da comunicação e da identidade, com centro de pesquisa no espaço amazônico.
Diretor da BM&FBovespa nega Telebrás no Ibovespa pelo fato de a empresa "não estar operacional"

Bolsa de São Paulo quer atrair mais 4,5 milhões de pessoas físicas até 2015

Jornal do Comércio / Agência O Globo - 09/07/2010

Mesmo com todas as incertezas com o futuro de países da zona do euro e com a crise imobiliária dos EUA, de 2008, ainda no retrovisor, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) planeja aumentar seu número de investidores pessoas físicas dos atuais 556 mil para mais de 5 milhões até 2015.

A estimativa é do diretor de relações com as empresas da BM&FBovespa, José Antônio Gragnani. O salto de 809% implicaria a chegada de mais 4,5 milhões de investidores que, segundo os executivos do Bovespa, devem ser atraídos pela entrada de 200 novas empresas no mercado de capital nos próximos cinco anos.

O boom das pessoas físicas na Bovespa não surpreende o analista da Intrader, Leandro Silvestrini. Ele lembra que eventos importantes, como Copa do Mundo, que acontece em 2014, e as Olimpíadas, em 2016, vão impulsionar a entrada de novos agentes no mercado financeiro.

Em junho, os investidores institucionais lideraram a movimentação financeira na Bovespa (35,02%, ante 34,27% no mês anterior). Na segunda posição, ficaram os investidores estrangeiros (28%). As pessoas físicas movimentaram 26,19%.

"Acredito que possa chegar a este número de 5 milhões, sim. A cultura do mercado está começando a entrar no Brasil. De 1992 para cá o índice Bovespa subiu 6.000%. A pessoa olha essa evolução, e percebe que o mercado pode ser uma boa opção. O Brasil é ainda um país com recursos naturais abundantes e está, de certa forma, mais blindado a crises ambientais do que outros países. Acredito que a participação de pessoas físicas supere a de investidores estrangeiros em breve", afirma Silvestrini.

Para atrair novos investidores, Gragnani planeja, para os próximos cinco anos, aumentar em 50% a participação de empresas na bolsa brasileira - atualmente são 467 listadas nos mercados de capitais. O foco são as pequenas e médias corporações. Hoje o país tem mais de 15 mil empresas com faturamento entre R$ 10 milhões e R$ 400 milhões. Um potencial gigantesco.

"Se olharmos para o Canadá e para a Inglaterra, temos um mercado muito forte de empresas menores. Queremos e vamos desenvolver este mercado aqui. O Novo Mercado (listagem de empresas que se comprometem, de modo voluntário, com a adoção de práticas de governança corporativa, além das obrigações legais), há quatro anos, contava com apenas quatro empresas. Hoje temos 107 listadas", disse.

Apesar do momento de turbulência na BM&FBovespa, Gragnani é otimista em relação ao futuro. "A crise não chegou e tende a não chegar. Nossas condições macroeconômicas são muito superiores em relação a qualquer tipo de indicador. A situação do país é extremamente sólida. O Brasil se tornou um porto seguro para os investidores".

A economista Cristiana Pereira, diretora-adjunta de Projetos e Relações Internacionais da Bovespa, lembra que, de 2004 para cá, vários setores passaram a ser representados na Bovespa - empresas das áreas de saúde e educação apostaram abertura de seus capitais. "São novas oportunidades para o investidor", diz.

Quanto à possível entrada da Telebrás no Ibovespa, o índice de referência, Gragnani reforçou que o comunicado da Bovespa vetando esta possibilidade "foi bastante claro e esclarecedor". A estatal não está operacional, e suas ações têm sido negociadas a partir de especulações de que a empresa pode ser usada para gerir o programa do governo de expansão da internet em banda larga.
---xxx---

Comentário:

Antes de qualquer conclusão precipitada, é necessário considerar que, na atual situação da Telebrás, a questão de estar ou não operacional não parece ser consenso dentro da área técnica da BM&FBovespa.


Além disso, a análise final que determinará se a empresa poderá compor ou não o índice, somente ocorrerá nas prévias de agosto. Até lá, já deverá ter acontecido a assembléia de acionistas que aprovará o estatuto, definirá a nova estrutura operacional., referendará os nomes de Rogério Santanna e César Alvarez, bem como aprovará outras matérias importantes para o pleno funcionamento da Telebrás. A propósito, há uma boa possibilidade de que essa assembléia seja convocada já na próxima semana.

Nesse período também já estarão definidas as primeiras 100 cidades pelas quais será iniciado o PNBL, podendo assim o trabalho prático já ser iniciado. Em síntese, quando da ocorrência das prévias já não haverá mais dúvidas sobre a operacionalidade da empresa.

*Leonardo Araujo - analista de informações
Parte do dinheiro para compra da Vivo pode ser captado pela Telesp

DCI - 09/07/2010

LUXEMBURGO SÃO PAULO - O baixo endividamento da Telecomunicações de São Paulo (Telesp) pode ser o trunfo do grupo espanhol Telefónica para conseguir parte dinheiro no mercado e financiar a compra dos ativos da Portugal Telecom (PT) na Vivo. Tudo indica que o grupo espanhol Telefónica vai usar a Telesp, seu braço de negócios no Brasil, para captar dinheiro no mercado, caso ela consiga todos os requisitos para comprar a Vivo.

Hoje o endividamento da empresa está na casa dos R$ 3,6 bilhões, valor considerado baixo para esse mercado, por isso a empresa teria maior facilidade de atrair uma parcela dos aportes necessários para pagar pelos ativos da Portugal Telecom (PT) na Brasilcel, holding que controla a operadora Vivo. Já a receita operacional bruta da Telesp alcançou R$ 5,265 bilhões no primeiro trimestre e o lucro líquido de R$ 403 milhões - os números são do balanço da empresa no primeiro trimestre deste ano.

Segundo analistas do mercado, a estratégia da Telefónica de usar a filial brasileira para comprar a Vivo preservará o lucro da matriz, uma vez que as dívidas da companhia no mundo giram em torno de 58 bilhões de euros, considerando o endividamento de curto e de longo prazo.

Outra medida que deve ser adotada pelos espanhóis para tornar a operação mais viável seria a de integrar a Telesp à Vivo, não o contrário. Isso ocorreria porque a operadora móvel tem subsídio fiscal por perdas que chegam a 30% do faturamento anual da companhia e, caso os espanhóis integrem as operações da Vivo às da Telesp ou mesmo à matriz, eles perderiam esse direito, o que comprometeria parte das vantagens da Telefónica na compra dos ativos, segundo os analistas de mercado. Até 31 de março deste ano a empresa havia utilizado R$ 1 bilhão por meio deste crédito fiscal.

Para analistas de mercado de telecomunicações, o valor do crédito está na casa dos R$ 3 bilhões. A previsão de retorno do investimento também não é de curto prazo, ou seja, a Telefónica só verá recuperado o capital investido em um prazo de no mínimo 3 ou 4 anos. Especialistas também acreditam que a compra da Vivo dará aos espanhóis operação de vida longa, porque a Telefónica terá condições plenas de desenvolver novos serviços e ofertas no Brasil, também com vista a uma aprovação do Projeto de Lei voltado ao setor de televisão por assinatura, o PL 29/2007, além da perspectiva de forte crescimento previsto do setor de telecomunicações brasileiro nos próximos anos.

Segundo o analista da consultoria IDC, Samuel Rodrigues, o negócio será concluído visando a dois lados: "O financeiro e o estratégico", que, segundo ele, pode inclusive justificar uma nova oferta. "Dependendo da situação eles podem até aumentar um pouco mais o valor pela operadora."

A opinião dele é semelhante à da analista de mercado Rosangela Ribeiro, da corretora SLW. "Uma das vantagens para eles [Telefónica] é essa questão de benefícios fiscais [da Vivo]."

Decisão

Em julgamento, ontem, o Tribunal de Justiça da União Europeia considerou ilegal o uso das golden shares - ações com poder de veto - para barrar a venda do controle da Vivo à Telefónica. O Governo de Portugal possui 500 ações desta natureza na Portugal Telecom (PT) e usou-as para vetar o negócio entre o grupo espanhol e a PT, após aprovação de 74% dos acionistas da Portugal Telecom, pela venda dos 50% da PT na Brasilcel, holding que controla a Vivo.

De acordo com a decisão do tribunal, o fato de o governo português possuir ativos dessa natureza na PT "constitui uma restrição injustificada" ao livre movimento de capital, e deu àquele governo a capacidade de desencorajar investimentos de operadoras em outros países da União Europeia (UE).

Em seguida à decisão judicial, o governo português deverá se desfazer das ações prontamente. Se falhar em fazê-lo, a Comissão Europeia poderá implementar uma ação de execução de ordem antes de o tribunal considerar a aplicação de multas.

O tribunal reconheceu que as golden shares podem ser usadas no interesse da segurança nacional, mas elas devem ser adequadas ao objetivo específico. Após a reunião do Tribunal europeu, uma pessoa ligada ao governo português disse que "Portugal com certeza vai cumprir a decisão"; a fonte afirmou, porém, que o governo vai continuar defendendo o interesse nacional.

Recuo

Um dia antes do julgamento na União Europeia, Portugal Telecom e Telefónica anunciaram que vão continuar as negociações para buscar a melhor saída para ambas partes na disputa pelo controle da operadora brasileira Vivo.

Sobre a decisão da União Europeia de ilegalidade da golden share, o presidente da PT, Zeinal Bava manifestou-se assim: "É uma decisão que nos ultrapassa, não tem diretamente a ver com [a administração da] Portugal Telecom", disse, um dia depois de ter dado o primeiro sinal de recuo na posição de não vender os ativos da PT na Vivo. "Temos de ser pragmáticos (...) e encontrar a melhor saída para todas as partes", ressaltou Bava, sobre o assunto.

"Do ponto de vista meu e da direção da Portugal Telecom, nós temos de agir com base nos fatos, e eles são conhecidos, por isso nós temos, acima de tudo, de olhar para a frente", afirmou.

Além do sinal verde à compra da Vivo, a Telefônica teve, ontem (8), outra notícia favorável a sua expansão no País: o Conselho Diretor da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) concluiu que a empresa cumpriu as obrigações de melhoria da rede para comercialização do serviço de banda larga (Speedy). Ano passado, milhares de usuários da banda larga da Telefônica tiveram dificuldades de acesso ao serviço, fato que motivou a agência a interferir no processo de venda do produto, chegando mesmo a determinar a suspensão das vendas, o que prejudicou os resultados da empresa em 2009.

Em agosto do ano passado, a Anatel autorizou a retomada das vendas do Speedy mediante o cumprimento de determinadas obrigações relativas a planos de estabilidade da rede e de melhoria de comercialização e atendimento, que agora foi confirmado. No primeiro trimestre de 2010, o serviço de banda larga da Telefônica teve ganho líquido de 163 mil novos assinantes, representando crescimento de 6,2% em relação ao do último trimestre de 2009.
Banda larga móvel terá que entregar pelo menos 50% da velocidade contratada

Convergência Digital :: 09/07/2010

A Anatel está propondo mudanças na oferta de acesso à internet pelas operadoras móveis e deve fazer uma nova varredura nas redes das empresas para avaliar se elas têm condições de oferecer o que prometem aos consumidores. Essa análise faz parte das metas de aproximar as velocidades de acesso vendidas e efetivamente atingidas nas conexões 3G.

“A fiscalização vai verificar se as redes comportam o que as operadoras estão oferecendo aos clientes, ou seja, se são efetivamente capazes de entregar as velocidades vendidas”, explica a conselheira Emília Ribeiro, relatora da proposta de revisão do Plano Geral de Metas de Qualidade do Serviço Móvel Pessoal.

O norte é garantir que as empresas sejam capazes de atender as previsões contidas na proposta, de gradativamente ampliar as velocidades médias das conexões móveis. Atualmente, é prática no setor que as operadoras se comprometam a entregar somente 10% da velocidade contratada.

Esse panorama deve mudar a partir do próximo ano. O novo PGMQ do SMP vai entrar em consulta pública e terá validade 180 dias a partir de sua aprovação. Nele, a agência amplia para 30% a velocidade garantida num primeiro estágio. Em seguida, as operadoras devem sustentar que pelo menos 50% da velocidade seja efetivamente alcançada.

O novo PGMQ das móveis estabelece um indicador de Garantia da Velocidade Contratada entre os medidores de qualidade do serviço. Pelo que está proposto, as prestadoras devem garantir uma velocidade de conexão à banda larga, tanto no download quanto no upload, de, no mínimo:

1) 30% do valor máximo previsto no contrato a partir da entrada em vigor do regulamento – ou seja, 180 dias após sua aprovação;

2) 50% do valor máximo previsto um ano após a vigência da nova redação.

Esses percentuais valerão para os horários de maior uso. Nos demais horários, os percentuais são maiores – 50% a partir da vigência do novo regulamento e 70% seis meses depois.

A preocupação especial com o acesso à banda larga móvel é natural devido ao crescimento do serviço, que, segundo informações das empresas, já superou as conexões fixas como principal meio de acesso à internet. Além disso, a agência se baseia em indicadores que mostram que os principais motivadores de reclamação quanto à banda larga móvel são a falta de conexão (49%), a velocidade (33%) e a queda na conexão (9%).

Para que os consumidores possam verificar como as disposições do novo regulamento estão sendo atendidas, o texto prevê a oferta de medidores de conexão. “Cabe a prestadora prover ferramentas para o consumidor e para a Anatel avaliarem a velocidade instantânea e média de sua conexão, garantindo o cumprimento desta meta”, diz o texto.

A agência, no entanto, parece disposta a não ficar refém das informações repassadas pelas operadoras e pretende criar, em até dois anos, um “sistema de coleta centralizado na Anatel, através de uma rede digital integrada de dados que permita o acesso às redes de todas as prestadoras de serviço do SMP”. Ou seja, quer garantir o acesso remoto aos dados.
Negociação pela Vivo precisa atender interesses políticos

Valor - 09/07/2010

A "golden share" da Portugal Telecom parecia, até quarta-feira, o único entrave significativo para que a Telefónica conseguisse efetivar a compra da parcela portuguesa na Vivo por € 7,15 bilhões. Contudo, agora que espanhóis e portugueses se declararam dispostos a negociar privadamente, a conta dos interesses a serem atendidos só cresce.

A lista inclui, além dos objetivos de Telefónica e Portugal Telecom, a imagem do primeiro ministro de Portugal, José Sócrates. Caiu bem junto ao eleitorado a decisão de "defender os interesses nacionais". Por isso, o negócio a ser discutido precisa costurar todos os integrantes diretos e indiretos do debate.

Não estaria descartada a volta para as conversas de discussões sobre outros modelos de negócios. A Portugal Telecom poderia, por exemplo, tornar-se sócia minoritária relevante numa combinação entre Vivo e Telesp, ou mesmo sócia da própria Telefónica. Também não estaria descartado que os espanhóis, como participantes do bloco de controle da Telecom Italia, facilitassem a migração dos portugueses da Vivo para a TIM.

A Oi também é apontada como alvo potencial da Portugal Telecom. Em Portugal, o jornal "Diário de Notícias" trouxe entrevista ontem com o ex-ministro da Casa Civil de Lula, José Dirceu, defendendo esse negócio. Ele é apontado como facilitador de negócios no Brasil.

No mercado brasileiro, a decisão de Bruxelas foi recebida com entusiasmo. A ação preferencial da Vivo subiu 1,8%, para R$ 47,40, e a ordinária, 1,1%, para R$ 89,50.

A Telefónica disse, no seu comunicado de quarta-feira à noite, "estar disposta a continuar buscando soluções possíveis para levar a um bom fim a operação", desde que a Portugal Telecom também esteja interessada.

Como o ministro Sócrates se mantém ferrenho defensor da causa que o levou a usar a "golden share", ainda que Bruxelas tenha declarado que sua existência é ilegal, a negociação em curso entre Telefónica e Portugal Telecom terá de harmonizar os interesses políticos. A decisão de Bruxelas não anula atos já praticados, então será necessária uma solução jurídica segura para o conselho de administração da operadora portuguesa depois do veto já ter sido adotado.

As sócias da Vivo, após uma disputa pública quase litigiosa sobre a oferta, agora terão de resolver a questão juntas. Depois de tudo isso, nesses dois meses, o negócio ganhou contornos diplomáticos na União Europeia.

A Telefónica insiste que o que está na mesa, e somente até o dia 16, é a proposta de pagamento em dinheiro de € 7,15 bilhões pelos 30% da Portugal Telecom na Vivo. Já os portugueses têm diversas outras possibilidades para sentar e conversar com os espanhóis.

Neste momento, os principais executivos brasileiros das companhias-alvo do debate estão numa reunião anual de diretoria do grupo Telefónica, em Barcelona. O encontro começou ontem e termina hoje. Estão lá Antonio Carlos Valente, presidente da Telesp, e Roberto Lima, presidente da Vivo. Desta vez, Gilmar Camurra, diretor financeiro da Telefônica no Brasil, também foi chamado a participar.


PT pode vender Vivo e continuar sócia

Disputa pode ser resolvida se Telefónica aceitar manter portugueses na operadora, sem o controle, após fusão com fixa

Ontem, UE decidiu que veto de Portugal à proposta da Telefónica pela Vivo é ilegal; oferta vence no dia 16

Folha de São Paulo - 09/07/2010

A PT (Portugal Telecom) já pensou em pedir a ajuda da Telefónica para comprar a TIM. Essa seria uma condição para a venda de sua participação na Vivo aos espanhóis. Indiretamente, a Telefónica participa da TIM. Mas é outra a proposta que pode resolver rapidamente a disputa entre Telefónica e PT pelo controle da Vivo.

A Folha apurou que a ideia, que conta com a simpatia dos espanhóis, é vender os 30% da PT na Vivo à Telefónica por 7,15 bilhões sob a condição de que, após fusão da Vivo com a Telesp (operadora fixa da Telefónica), a PT seja sócia na "nova Vivo", mas sem o controle.

As outras possibilidades tomariam muito tempo: a compra da TIM, que pertence à Telecom Italia, e a entrada da PT na Oi.

No caso da TIM, o governo italiano possui poder de veto na Telecom Italia. Na Oi, há barreira política (a lei que rege o setor foi mudada para permitir o surgimento da supertele nacional formada a partir da compra da Brasil Telecom) e outra administrativa (seria preciso alterar o acordo de acionistas da Oi para a entrada da PT).

Para a Telefónica, ficar com o controle da Vivo é questão estratégica. Não por acaso, propõe pagar 115% a mais pela participação da PT. Isso porque ela tem de consolidar sua operação para competir com Oi e América Móvil, que vai fundir suas empresas no país (Embratel e Claro, num primeiro momento, e Net, futuramente).

Sem o controle da Vivo, ela não consegue lançar pacotes combinados (telefones fixo e móvel, internet e TV paga), algo que suas concorrentes já vêm fazendo. Além disso, com a Vivo, poderia ainda atuar em todo o território nacional. Hoje ela está restrita a São Paulo.

A disputa pela Vivo pode ser resolvida porque, pela primeira vez, as duas empresas estão negociando efetivamente. Antes do veto de Portugal, a Telefónica tratava com acionistas da PT, e não com os executivos nomeados pela operadora portuguesa.

A decisão pelo veto foi uma sinalização do governo de que não abriria mão da Vivo sem um acordo "bom para os dois lados". A Vivo representa 46% das receitas da PT. A Telefónica não está disposta a ceder a propostas que impliquem prazos longos para o encerramento do negócio. Sua oferta vence no dia 16 e conta em seu favor a decisão da União Europeia.

"GOLDEN SHARE"
Ontem, o bloco decidiu que o uso da "golden share" (ação de ouro) de Portugal na PT é ilegal porque fere o livre trânsito de capitais. Portugal disse que, por enquanto, não abrirá mão de suas "golden share" e do veto. A pressão aumenta porque acionistas minoritários da PT em Portugal e na Espanha ameaçam processar Portugal se o veto não cair.


Negócio é bom para o país, avalia governo

Concorrência deve aumentar no setor

O Globo - 09/07/2010

A compra de 50% do capital da Portugal Telecom na Vivo pela Telefónica poderá representar ganhos para o mercado de telecomunicações brasileiro, avaliou ontem um alto funcionário do governo. Segundo essa fonte, a empresa espanhola vai conseguir captar sinergias entre a Vivo e a Telefônica, concessionária de telefonia fixa do Estado de São Paulo. Com isto, será possível montar pacotes completos de serviços.

Além disso, como a Vivo está presente em todo o país, a empresa espanhola terá condições de ofertar o seu serviço de telefonia fixa em outros estados. Também aumentará a competição tanto nos serviços de telefonia fixa, quanto nos de telefonia móvel e banda larga no país.

Caso seja concretizada a compra das ações da Portugal Telecom pela Telefónica, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) terá que apreciar o negócio do ponto de vista de concentração de mercado.

Quanto à possibilidade de a Portugal Telecom comprar ações da Oi para não deixar o mercado brasileiro, caso decida vender suas ações da Vivo, a fonte comentou que isto daria uma "turbinada" na empresa nacional. Atualmente, o BNDES e os fundos de pensão têm 49% das ações da Oi. Os sócios privados, como os empresários Carlos Jereissati e Andrade Gutierrez, possuem o controle da companhia.

Um aspecto que talvez volte a ser analisado pela Anatel é a relação entre a Telefónica e a TIM. Em 2007, na Europa, a Telecom Italia, controladora da TIM, foi comprada pelo grupo espanhol Telefónica.

No Brasil, a Anatel decidiu aprovar a operação, mas impôs 28 condicionantes para garantir que a TIM Brasil e a Vivo continuassem a atuar como concorrentes. Entre as limitações impostas pela agência, estavam a de que a Telefónica não pode participar, votar ou vetar em deliberações da Telecom Italia e de empresas relacionadas a temas que envolvam o mercado brasileiro de telecomunicações.

A Vivo, até o fim de maio, tinha a liderança do mercado de telefonia móvel no país, com 30,25% e 55,5 milhões de clientes. A Claro estava em segundo lugar, com 25,4%; a TIM com 23,8%; e a Oi detinha 20,1%. O restante era dividido entre CTBC, Sercomtel e Unicel, com 0,35%.


Vivo: tribunal europeu condena veto português

Apesar da decisão, uso de "golden share" é mantido. Telefónica deve fazer nova oferta para ficar com operadora brasileira

O Globo - 09/07/2010

RIO e SÃO PAULO. O Tribunal de Justiça da União Europeia (UE) condenou ontem o uso das golden shares (ações com poder de veto) do governo português, que barrou a venda de parte da Portugal Telecom (PT) na Vivo para os espanhóis da Telefónica. Apesar disso, o ministro da Presidência de Portugal, Pedro Silva Pereira, disse que a decisão tem uma eficácia meramente declaratória, já que o veto está previsto no estatuto da PT.

Com isso, dizem fontes a par das negociações, a única saída para os espanhóis é negociar de forma amigável com a PT e o próprio governo português. As conversas, que vão se intensificar a partir de agora, incluem a possibilidade de se elevar a oferta já proposta pela Telefónica, de 7,15 bilhões. Essa fonte diz que o valor pode facilmente chegar a 8 bilhões, quantia defendida pelo banco estatal Caixa Geral de Depósitos, acionista da PT.

Ontem, o Tribunal da UE disse que a detenção de golden shares por parte do Estado português na PT "constitui uma restrição não justificada à livre circulação de capitais". O tribunal afirmou ainda que essas ações atribuem a Portugal "uma influência sobre as tomadas de decisão da empresa suscetível de desencorajar os investimentos por parte de operadores de outros Estados-membros".

Há anos, países como Alemanha, Holanda e Itália, além da própria Espanha, vêm ignorando o parecer judicial da UE. A Espanha, por exemplo, levou três anos, de 2003 a 2006, até retirar sua golden share da Telefónica. Foi por isso que o presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, pressionou, apelando ao governo português para tomar "o mais brevemente possível as medidas necessárias para cumprir integralmente a decisão do tribunal".

Pedro Silva Pereira disse que os estatutos da PT continuam em vigor, já que o acórdão tem efeitos meramente declaratório. Ele também classificou como positivo o comunicado da Telefónica, divulgado na quarta-feira, em que se diz aberta ao diálogo.

- Abre-se uma nova fase. A utilização de direitos especiais em empresas estratégicas, como as de telecomunicações, deve ser discutida na Europa e há vários Estados-membros com litígios junto às instituições europeias. A proposta (da Telefónica) é positiva. Se essa proposta não for alterada, a posição do governo português não pode ser diferente da que formalizou naquela assembleia geral - disse Pereira, em referência ao veto que barrou o negócio.

Na assembleia da PT, 74% dos acionistas minoritários aprovaram a oferta da Telefónica para comprar a parte da PT na Vivo. PT e Telefónica dividem meio a meio a Brasilcel, que controla a Vivo, com 60% das ações.

Analistas dizem que compra da PT é questão de tempo

O presidente executivo da PT, Zeinal Bava, disse ontem que é preciso olhar para a frente e encontrar plataformas que permitam maximizar as vantagens para todas as partes.

Analistas e envolvidos na operação estão confiantes no negócio, pois é apenas uma questão de tempo. Ontem, as ações da Telefónica fecharam em alta de 1,19%. As da PT caíram 0,56%. No Brasil, as ações ordinárias da Vivo (ON, com direito a voto) subiram 1,12%. Os papéis preferenciais (PN, sem direito a voto) fecharam em alta de 1,28%.

Camila Saito, analista da consultoria Tendências, destacou que caso se confirme a compra da participação da PT na Vivo pela Telefónica, a fusão das duas operadoras formará o maior grupo de telecomunicações do país em faturamento. Em 2009, a receita líquida combinada de Vivo e Telefônica foi de R$32,3 bilhões, superior aos R$29,9 bilhões da Oi (com a BrT) e aos R$22,5 bilhões da Claro-Embratel:

- A entrada da Telefônica no mercado de telefonia móvel vai permitir ofertas de pacotes com maior valor adicionado e sair de uma trajetória descendente que a operação de telefonia fixa mergulhou nos últimos anos.


Direito de veto do governo na Portugal Telecom é ilegal


Valor - 09/07/2010

O Tribunal de Justiça da União Europeia considerou ilegal o direito de veto do governo português nas decisões da Portugal Telecom. E pediu a retirada da "golden share" o mais brevemente possível. A decisão, se e quando acatada, encerrará uma discussão que teve início há quase cinco anos, em dezembro de 2005, entre a Comissão Europeia e Portugal.

A corte europeia, sediada em Bruxelas, declarou que a "golden share" (ação com direitos especiais de veto) dá ao país uma influencia injustificada sobre a companhia. E viola as regras de livre movimento de capitais dentro do bloco europeu formado por 27 países.

A definição chega em momento emblemático, apenas oito dias após o governo português ter usado pela primeira vez tal direito. Com as 500 ações que possui na Portugal Telecom, numa decisão surpreendente, o governo decidiu vetar a venda da Vivo pela empresa à Telefónica por € 7,15 bilhões.

A decisão de Bruxelas fortalece a opinião do conselho de administração da Portugal Telecom contra uso do veto e, especialmente, a da Telefónica, que considerou a decisão do governo português ilegal.

Para analistas, o caminho agora está aberto de vez para a concretização do negócio. As duas companhias estão em discussões. Contudo, o primeiro ministro português José Sócrates tem insistido que vai defender de todo jeito os interesses da Portugal Telecom.

O presidente da Comissão Europeia, o português José Durão Barroso, recebeu bem a decisao do tribunal, considerando que as "golden shares" são contra o mercado interno".

A porta-voz de mercado interno e serviços da União Europeia, Chantal Hughes, informou ao Valor que a posição sobre "golden share", ou direito especial numa companhia, tem nuances. Ela explicou que o instrumento em si "não é ilegal, mas precisa passar por testes muito estritos". Chantal exemplifica que a corte europeia considerou que as "golden shares" do governo belga nas companhias Distrigaz e SNTC (Société Nationale de Transport par Canalisations) eram legais.

Outras ações especiais são usadas em defesas de setores industriais, como da British Aerospace e da Rolls Royce, no Reino Unido, e nunca foram questionadas, segundo ela. Mas já sofreram denúncias de violação empresas na Itália, Espanha e Grécia, com o uso do instrumento.

A Comissão Europeia pediu em dezembro de 2005 que o governo português retirasse as "golden shares" da Portugal Telecom. Em abril de 2006, não satisfeita com a resposta negativa recebida do país dois meses antes, a Comissão encaminhou um parecer convidando-o a cumprir a decisão em dois meses. Como até julho daquele ano Portugal não acatou a recomendação, foi aberta uma ação no Tribunal de Justiça de Bruxelas.

Para o chefe da delegação europeia no Brasil, embaixador João Pacheco, a decisão de ontem é "muito cristalina". Ele disse que há mais de dez anos a Comissão Europeia vem dizendo que as "golden shares" são formuladas de forma ilegal a luz do direito comunitário, e Bruxelas ganhou na Justiça contra países que contestaram.

Esta é a oitava manifestação de Bruxelas com relação ao tema. Os argumentos contra a "golden share" do governo português, de acordo com o embaixador, seguem o princípio de inibir a discriminação e questiona o exercício do poder do Estado, reagindo ao poder ilimitado dado a essas ações especiais.

Pacheco lembra que o poder do Estado pode ser exercido, se for o caso, de outras maneiras por leis de cada país. (Colaborou Graziella Valenti, de São Paulo)

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Mais um conselheiro da Telebrás renuncia

BMFBovespa - 08/07/2010

TELEC BRASILEIRAS S.A. TELEBRAS - TELEBRAS
DRI: Rogerio Santanna dos Santos
Formulário de Referência - Em arquivo Atualizações previstas no art. 24 da IN480/09
Término do Exercício Social em curso 31/12/2010
Data do Envio 8/7/2010 - Protocolo nº252703
Motivo da Reapresentacao: Renúncia do Conselheiro de Administração Roberto Macedo de Siqueira
Portugal sustenta golden share, mas sinaliza intenção de negociar

Convergência Digital :: 08/07/2010

O governo Português respeitará a decisão do Tribunal de Justiça da União Europeia, mas afirma que ela é "meramente declarativa" e, por isso, não implica o fim da ‘golden share', não fixa prazos e não tem efeitos retroativos, afirmou o ministro da Presidência, Pedro Silva Pereira.

"Os estatutos [da PT] permanecem em vigor, uma vez que é um acórdão [do Tribunal de Justiça das Comunidades Europeias] com efeitos declarativos", afirmou ainda Silva Pereira, durante o ‘briefing' do conselho de ministros. "Este acórdão não produziu nenhuma alteração em concreto da realidade", acrescentou.

Manifestando a "discordância [do Governo] com a interpretação jurídica" do Tribunal de Justiça Europeu - que nesta quinta-feira, 08/07, considerou ilegal a ‘golden share' na Portugal Telecom -, Silva Pereira insistiu que "o acórdão é meramente declarativo", ou seja, não tem efeitos retroativos (não anula o veto da assembleia geral da semana passada) e, tão ou mais importante, não revoga os estatutos da PT (onde a golden share está consagrada).

Ainda assim, reconheceu, a decisão "abre uma nova fase em que o Estado vai procurar soluções que permitam o integral respeito pelo direito comunitário e a salvaguarda do interesse nacional". Sem adianta que soluções podem ser essas, Silva Pereira sublinhou que o acórdão reconhece a existência de razões que justificam direitos especiais do Estado em algumas empresas, especialmente, nas Telecomunicações.

Por isso, destacou, "há várias possibilidades". Uma delas, confirmou, é a transferência dos direitos especiais do Estado na PT para o acionista Caixa Geral de Depósitos (CGD). Esse cenário, garantiu, "é compatível com os estatutos da PT".
PNBL: Política industrial e conteúdo são temas de reuniões

Tele.Síntese - 08/07/2010


Os grupos temáticos de Política Industrial, Desenvolvimento e Inovação e de Conteúdo, do Comitê Gestor do Programa de Inclusão Digital (CGPID), se reuniram ontem e hoje, em Brasília, para traçar planos de ação. O comitê é o órgão responsável pela definição de ações, metas e prioridades do Plano Nacional de Banda Larga (PNBL).

Na reunião de hoje, de política industrial, foi feito o levantamento de uma série de pendências para o desenvolvimento do setor. “Faltam regulamentos de isenções tributárias previstas no decreto que instituiu o plano e a definição da política creditícia, que será liderada pelo BNDES”, disse um dos participantes. Nova reunião foi marcada para o dia 22, quando os representantes dos ministérios de Ciência e Tecnologia e de Desenvolvimento devem apresentar propostas de redação das normas ainda necessárias.

A reunião do grupo que trata de conteúdo, realizada quarta-feira (7), serviu para colher os subsídios para estabelecimento de um programa de ação. Representantes dos ministérios da Cultura e da Educação decidiram abrir um prazo de 15 a 20 dias para que as entidades integrantes do Fórum Brasil Conectado, de suporte às ações do CGPID, possam contribuir para a criação de uma política de conteúdo para o PNBL. Nova reunião será realizada na próxima semana para definição das linhas de ação do grupo.
A escolha de Serra

Demétrio Magnoli - O Estado de S.Paulo - 08/07/2010

José Serra quase desistiu de disputar a eleição presidencial no fim de janeiro. Haveria motivos para a desistência. O País cresce à taxa de 6% e o consumo explode, sob o influxo do real valorizado e do ingresso de capitais de curto prazo, num cenário de déficit na conta corrente que será sustentado durante o ciclo eleitoral. Dilma Rousseff é a candidata de Lula, do núcleo do setor financeiro, dos maiores grupos empresariais e da elite de neopelegos sindicais. A decisão de seguir em frente revela a coragem política do governador paulista. Contudo, contraditoriamente, sua estratégia de campanha reflete a sagacidade convencional dos marqueteiros, não o compromisso ousado de um estadista que rema contra a maré em circunstâncias excepcionais.

Marqueteiros leem pesquisas como seminaristas leem a Bíblia. Do alto de seu literalismo fetichista, disseram a Serra que confrontar Lula equivale a derrota certa. Então, o governador resolveu comparar sua biografia à da candidata palaciana. Mas Dilma não existe, exceto como metáfora, o que anula a estratégia serrista. "Vai ficar um vazio nessa cédula e, para que esse vazio seja preenchido, eu mudei de nome e vou colocar Dilma lá na cédula", explicou Lula, cuja estratégia não é definida por marqueteiros. O pseudônimo circunstancial de Lula representa uma política, que é o lulismo. A candidatura de Serra só tem sentido se ele diverge dessa política.

O lulismo não é a política macroeconômica do governo, tomada de empréstimo de FHC, mas uma concepção sobre o Estado. A sua vinheta de propaganda, divulgada com dinheiro público pelo marketing oficial, diz que o Brasil é "um país de todos". Eis a mentira a ser exposta. O Estado lulista é um conglomerado de interesses privados. Nele se acomodam a elite patrimonialista tradicional, a nova elite política petista, grandes empresas associadas aos fundos de pensão, centrais sindicais chapa-branca e movimentos sociais financiados pelo governo.

O Brasil não é "de todos", mas de alguns: as máfias que colonizam o aparelho de Estado por meio de indicações políticas para mais de 600 mil cargos de confiança em todos os níveis de governo. Num "país de todos", a administração pública é conduzida por uma burocracia profissional. O Brasil do lulismo, no qual José Sarney adquiriu o estatuto de "homem incomum", não fará uma reforma do Estado. Estaria Serra disposto a erguer essa bandeira, afrontando o patrimonialismo entranhado em sua própria base política?

O Brasil não é "de todos", mas de alguns: Eike Batista, o sócio do BNDES, "o melhor banco de fomento do mundo", nas suas palavras, do qual recebeu um presente de R$ 70 milhões numa operação escabrosa no mercado acionário. Também é o país dos controladores da Oi, que erguem um semimonopólio a partir de privilégios concedidos pelo governo, inclusive uma providencial alteração anticompetitiva na Lei Geral de Telecomunicações, e se preparam para formar uma parceria com a Telebrás no sistema de banda larga. O lulismo orienta-se na direção de um capitalismo de Estado no qual o BNDES, as estatais e os fundos de pensão transferem recursos públicos para empresários que orbitam ao redor do poder. Teria Serra a coragem de criticar o modelo em gestação, inscrevendo na sua plataforma a separação entre o interesse público e os interesses privados?

O Brasil não é "de todos", mas de alguns: a nova burocracia sindical, cuja influência não depende do apoio dos trabalhadores, mas do imposto compulsório de origem varguista, repaginado pelo lulismo. Ousaria Serra defender a adoção da Convenção 87 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), declarando guerra ao neopeleguismo e retomando a palavra de ordem da liberdade sindical que um dia pertenceu ao PT e à CUT?

Num "país de todos", o sigilo bancário e o fiscal só podem ser quebrados por decisão judicial. No Brasil do lulismo, como atestam os casos de Francenildo Costa e Eduardo Jorge Caldas, eles valem menos que as conveniências de um poder inclinado a operar pela chantagem. Num "país de todos", a cidadania é um contrato apoiado no princípio da igualdade perante a lei. No Brasil do lulismo, os indivíduos ganham rótulos raciais oficiais, que regulam o exercício de direitos e traçam fronteiras sociais intransponíveis. Num "país de todos", a política externa subordina-se a valores consagrados na Constituição, como a promoção dos direitos humanos. No Brasil do lulismo, a palavra constitucional verga-se diante de ideologias propensas à celebração de ditaduras enroladas nos trapos de um visceral antiamericanismo. Estaria Serra disposto a falar de democracia, liberdade e igualdade, distinguindo-se do lulismo no campo estratégico dos valores fundamentais?

O lulismo é uma doutrina conservadora que veste uma fantasia de esquerda. Sob Lula, expandiram-se como nunca os programas de transferência direta de renda, que produzem evidentes dividendos eleitorais, mas pouco se fez nas esferas da educação, da saúde e da segurança pública. No país de alguns, os pobres não têm direito a escolas públicas e hospitais de qualidade ou à proteção do Estado diante do crime organizado. Teria Serra o desassombro de deixar ao relento os Eikes Batistas do mundo, comprometendo-se com um ambicioso plano de metas destinado a universalizar os direitos sociais?

Há um subtexto na decisão de Serra de comparar biografias. Ele está dizendo que existe um consenso político básico, cabendo aos eleitores a tarefa de definir o nome do gerente desse consenso nacional. É uma falsa mensagem, que Lula se encarrega de desmascarar todos os dias. Os brasileiros votarão num plebiscito sobre o lulismo. Se Serra não entender isso, perderá as eleições e deixará a cena como um político comum, impróprio para circunstâncias excepcionais. Mas ele ainda tem a oportunidade de escolher o caminho do estadista e perder as eleições falando de política. Nesse caso ? e só nesse! ? pode até mesmo triunfar nas urnas.

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Secretário inaugura internet sem fio gratuita em Noronha

SECTMA - 07/07/2010

Após anos sofrendo com serviços lentos e dispendiosos, os moradores do arquipélago de Fernando de Noronha, distante 545 km do Recife, finalmente terão acesso a uma conexão à internet pública e de qualidade. O secretário de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente, Anderson Gomes, inaugura nesta quarta-feira (7) a rede gratuita sem fio (wireless) na ilha, que irá beneficiar os 3,5 mil habitantes locais, além dos cerca de seis mil turistas que passam todo mês por lá.

O processo de implementação da rede sem fio no arquipélago foi iniciado há três meses pela CMTech Comércio & Serviços de Informática LTDA, empresa vencedora da licitação divulgada pela Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente (Sectma) no mês de fevereiro. Ao todo, estão sendo investidos R$ 585 mil na ação, utilizados para a compra e a instalação de equipamentos, análise local de viabilidade técnica (site survey), além de configuração de rede, testes e treinamento de técnicos. A administração da rede ficará a cargo da equipe de Tecnologia da Informação (TI) do arquipélago.

Atualmente, apenas 5% da população de Noronha tem acesso à internet. Com a instalação da rede, serão ofertados inicialmente cerca de 4 megas de velocidade a serem partilhados por todos os usuários, com previsão de chegar a 10 megas nos próximos três meses, o que irá possibilitar a conexão de até mil pessoas ao mesmo tempo a uma velocidade média de 300 Kbps. O sistema, que deverá cobrir toda a extensão de ilha com o padrão Wi-Fi (802.11b), consiste em um programa de controle de acesso à internet totalmente automatizado, não requerendo configuração do PC do cliente. Desta forma, ele proporciona simplicidade para os usuários e tranquilidade para os empreendedores.

Os primeiros 30 dias serão de acesso livre para qualquer pessoa que estiver na ilha. Esse período inicial servirá para um estudo sobre o comportamento da rede. Após essa fase, haverá segmentação na rede, criando login de acesso para moradores e turistas. Os habitantes locais terão acesso à internet pública por meio do número que consta na carteira de identidade de cada morador. Já os turistas, irão receber uma senha a partir da guia de controle migratório, no momento em que fizerem o cadastramento no site da ilha e pagarem suas taxas de permanência. Para eles, o acesso será limitado em até 2 horas por dia, já que a prioridade é para os moradores da ilha. Os empresários e as entidades farão um cadastro para receberem suas senhas.

A instalação da rede sem fio em Noronha irá auxiliar o monitoramento ambiental e o Telecentro Comunitário, com a disponibilização de cursos profissionalizantes em diversas áreas. Também dará suporte ao ensino dos 520 alunos da escola arquipélago; à Educação a distância; e ao projeto professor conectado. Serão 28 professores com acesso ao mundo digital 24 horas por dia. A rede também contribuirá para os serviços da Administração da Ilha.

Veja abaixo o depoimento da professora Luíza Valença, diretora da escola Aqruipélago, sobre a internet sem fio na ilha:



Brasil digital e as necessidades em infraestrutura de TI

O Jornal - 07/07/2010

O ano de 2010 começou muito promissor para o Brasil de um modo geral e para o mercado de TI e Telecom em particular. Driblamos a crise com maestria, o número de lares equipados com PCs continuou na rota do crescimento, e empresas e governos retomaram seus planos de investimento com força total. O governo renovou a “Lei do Bem”, o que acelera a inovação e a adoção de novas tecnologias pelo mercado, e agora trabalha o Plano Nacional de Banda Larga e a Banda Larga Popular.

Terminamos o ano passado com 67,5 milhões de brasileiros acessando a Internet, de acordo com pesquisa do Ibope. Já a 5ª Pesquisa Sobre Uso das Tecnologias da Informação e da Comunicação no Brasil (TIC Domicílios 2009), realizada pelo CETIC.br, aponta que o número de lares com computadores cresceu de 25% para 32% no ano passado – o computador doméstico também ultrapassou a LAN House como ponto de acesso para a população.

Um ponto crítico neste cenário – que tem potencial de enviar para o exterior boa parte dos serviços de Internet – é o desequilíbrio entre o número de PCs com acesso a Internet e o número de servidores existentes no país para suprir a demanda de dados. Ou seja, têm-se cada vez mais dispositivos acessando a Internet, mas o número de equipamento que fornecem os conteúdos continua com crescimento pequeno. Para fins de comparação, enquanto países desenvolvidos possuem um servidor para cada 25 PCs, no Brasil a média é de um servidor para cada 100 PCs, enquanto países considerados “emergentes”, como Rússia e Índia, possuem média de 70 PCs por servidor. Resultado direto deste desequilíbrio – quando aliado a problemas na infraestrutura de telecomunicações – são os acessos intermitentes, as quedas bruscas na velocidade das conexões, sites e serviços derrubados ao menor sinal de atividade acima do normal.

Outro reflexo se dá na nossa capacidade de oferecer Internet de Banda Larga a uma velocidade decente, essencial para que a população do Brasil tenha acesso aos mais modernos serviços oferecidos na rede. Uma pesquisa recente da consultoria Akamai coloca o Brasil na 35ª posição na velocidade média de banda larga, de uma lista de 45 países, com uma velocidade média de 1,08 Mbps. Consideravelmente abaixo da média mundial (1,7 Mbps) e de nossos vizinhos, como Chile (2,22 Mbps) e Colômbia (1,45 Mbps). Menos de 10% da velocidade média na Coreia do Sul, que é de 14,6 Mbps.

Como podemos pensar no crescimento do Brasil sem rever nossa infraestrutura básica de serviços de comunicação e Internet? Está na hora do país repensar esta estrutura e começar a investir de forma inteligente para melhorar a disponibilidade dos serviços e conexões, caso contrário o “Brasil Digital” que queremos não virá a se concretizar. Perderemos competitividade frente aos demais países emergentes e uma grande oportunidade para a educação, a cultura e os negócios no país. Começou a contagem regressiva para que o país trabalhe esta questão e não se veja em um beco sem saída digital.

O aquecimento virá neste ano. Além da Copa de 2010 – que é acompanhada online pela primeira vez por vários apaixonados pelo futebol – também teremos as primeiras eleições com campanhas no mundo virtual. A prova dos nove acontece dentro de poucos anos, com a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016. Em outras palavras, temos menos de meia década para absorver todos os novos milhões de brasileiros utilizando banda larga, resolver os gargalos na infraestrutura de comunicação e oferecer uma experiência online de qualidade para todos os cidadãos do mundo acompanhando estes grandes eventos.

*O autor, Maurício Ruiz, é Diretor para o Segmento Corporativo da Intel Brasil
Telefónica busca solução para compra da Vivo

Folha de São Paulo - 07/07/2010


A Telefónica afirmou nesta quarta-feira que está disposta a conversar com a Portugal Telecom sobre a oferta de compra da participação da empresa na Vivo, que está congelada pelo veto do governo português.

"A Telefónica está disposta a continuar buscando as soluções possíveis para a operação chegar a um bom termo, na medida em que exista a disponibilidade da Portugal Telecom para isso", informou a companhia espanhola em comunicado à imprensa.

A Corte Europeia de Justiça decide na quinta-feira sobre a legalidade do veto português sobre a operação proposta pela Telefónica.

Em 30 de junho, Lisboa impediu a venda da participação na Vivo recorrendo à "golden share" na Portugal Telecom depois que os acionistas da companhia apoiaram a oferta melhorada de 7,15 bilhões de euros (US$ 9,03 bilhões) feita pela Telefónica.

"A Telefónica promoveu seus melhores esforços para apresentar à Portugal Telecom uma oferta impecável para a aquisição de 50% das ações da Brasilcel", afirma a companhia espanhola no documento divulgado nesta quarta-feira.

A oferta da Telefónica é válida até 16 de julho, acrescenta a empresa na nota.

Na terça-feira, fontes do setor bancário informaram que a Telefónica está organizando um empréstimo sindicalizado de 8 bilhões de euros para financiar parte da oferta.

Telefónica e Portugal Telecom controlam mais de 60% da Vivo através da Brasilcel.

A combinação da Vivo com a operação de telefonia fixa da Telefónica no Brasil, Telesp, criará o maior conglomerado de telecomunicações do Brasil.
Nova banda larga móvel no Japão terá 42 Mbps

INFO Online - 07/07/2010

SÃO PAULO - A Emobile, operadora líder em banda larga móvel do Japão, vai disponibilizar aos seus clientes banda larga móvel com taxas que podem chegar a 42 Mbps.

O acordo atende a demanda provocada pelo uso crescente de smartphones e aplicativos móveis como vídeo, serviços bancários, compras, serviços de saúde e segurança.

A rede foi modernizada com a implementação da solução HSPA Evolution, da Ericsson, aumentando a capacidade da Emobile e ampliando sua oferta de serviços multimídia. O HSPA Evolution é uma tecnologia sucessora da banda larga 3G.

Com isso, os assinantes poderão usufruir uma experiência mais rica por meio de serviços de banda larga móvel, entre os quais acesso à internet em alta velocidade e vídeochamadas.

No Brasil, por enquanto, a velocidade padrão da banda larga móvel continua estacionada no 1 Mbps – alguns planos tops oferecem 7 Mbps. Para implantar novas tecnologias, as operadoras esperam a definição da Anatel sobre quais faixas de frequência estariam disponíveis para utilização.

Recentemente, a Ericsson realizou testes na Argentina para a implantação de uma rede mais rápida no país vizinho.

A Emobile é líder em usuários de banda larga móvel no Japão e leva os serviços de transmissão de dados para cerca de 2,5 milhões de assinantes. A nova rede HSPA Evolution foi implementada na maior região metropolitana do Japão, que inclui as cidades de Tóquio, Tokai e Osaka.
PT e Telefónica vão "dialogar" sobre futuro da Vivo

Diário Económico - 07/07/2010

A PT e a Telefónica vão retomar as negociações sobre o futuro da Vivo, respondendo assim ao apelo dos primeiros-ministros de Portugal e Espanha, disse ao Económico uma fonte ligada ao processo.

As duas operadoras vão tentar encontrar uma solução negociada para o impasse em que se encontra o negócio da venda da Vivo por 7,15 mil milhões de euros, na sequência do veto do Governo português na assembleia da PT de 30 de Junho, com recurso à ‘golden share'.

A proposta da Telefónica vigora até 16 de Julho e as duas empresas vão tentar encontrar uma solução até essa data, disse a mesma fonte.

No início de Junho, o conselho de administração da PT nomeou o ‘chairman' Henrique Granadeiro, o presidente-executivo Zeinal Bava e o administrador financeiro Luís Pacheco de Mello para discutir com a Telefónica a sua proposta de compra da participação da PT na Vivo.

Tanto o primeiro-ministro José Sócrates como o seu homólogo espanhol José Luis Zapatero defenderam nos últimos dias a necessidade de as duas empresas dialogarem.

Sócrates chegou mesmo a criticar a Telefónica por não ter tentado dialogar com a administração da PT e por ter preferido chegar a acordo com alguns accionistas privados da operadora, aquando da última subida da oferta pela Vivo, na véspera da assembleia de 30 de Junho.

Telebrás é a empresa com mais pessoas físicas acionistas no Brasil

Estadão - 7 de julho de 2010

Não é a Petrobrás nem a Vale. A Telebrás, estatal desativada que agora está em vias de ressuscitar, é a empresa mais popular do Brasil entre investidores pessoas físicas, com mais de 2 mil acionistas desse tipo, segundo levantamento elaborado pelo jornal Valor Econômico.

A pesquisa compara o número de acionistas pessoas físicas de 84 grandes empresas brasileiras e mostra que o enorme crescimento de 550% da participação desse tipo de investidor na Bolsa de Valores de São Paulo desde 2003 não foi suficiente para tirar as empresas de telecomunicações da liderança nesse segmento.

As cinco primeiras companhias do ranking são teles, ainda uma herança do tempo em que o consumidor ganhava ações quando comprava uma linha telefônica.

A Petrobrás, maior empresa do Brasil, é só a 8ª do ranking; a Vale, a 12ª. Entre as que abriram capital recentemente, a BM&FBovespa é a que tem mais acionistas pessoas físicas.

Conheça as empresas brasileiras com mais de 100 mil pessoas físicas como acionistas:

Empresa Nº de pessoas físicas acionistas (milhares)
Telebrás 2.097
Telesp 1.452
Tele Norte Leste 1.056
Vivo 875
Brasil Telecom 351
Bradesco 344
Banco do Brasil 331
Petrobrás 326
Telemar Norte Leste 288
Santander 199
Itaú Unibanco 193
Vale 181
Cemig 110

O ranking das 20 empresas com maior participação de pessoas físicas no seu capital está na página D1 do Valor Econômico.

Telefonica's Vivo Bid May Be Helped

Bloomberg - 06/07/2010

Telefonica SA’s 7.15 billion-euro ($9 billion) bid for Portugal Telecom SGPS SA’s stake in Brazil’s largest wireless operator may be bolstered by a European Union court reviewing Portugal’s ability to block the deal.

The European Court of Justice in Luxembourg will likely rule tomorrow that Portugal’s special rights in the country’s biggest phone company breach EU law, lawyers said. The court, the EU’s highest, has repeatedly struck down so-called golden shares that gave governments veto power at formerly state-owned monopolies.

“The EU court has had no sympathy for this type of restriction,” said Denis Waelbroeck, a partner specializing in EU law at law firm Ashurst in Brussels by telephone. Portugal will “face some difficulties in defending its special right.”

The Portuguese government on June 30 used its veto right through its control of 500 class “A” shares in Portugal Telecom to block Telefonica’s bid. The decision came after 74 percent of the shareholders present at their meeting in Lisbon accepted Telefonica’s sweetened offer for the Portuguese company’s stake in Brasilcel NV, owner of 60 percent of Vivo Participacoes SA.

Telefonica and Portugal Telecom have sought growth in Brazil as markets at home cooled. Vivo had 30 percent of Brazil’s 179 million wireless subscriptions at the end of March, according to Anatel, the country’s phone regulator.

Telefonica Chairman Cesar Alierta wants to combine Vivo’s mobile-phone network with Telecomunicacoes de Sao Paulo SA, or Telesp, the Spanish company’s fixed-line unit in Brazil.

Shareholder Leverage

A ruling striking down the veto rights “would give leverage” to Portugal Telecom shareholders “who want to see the deal pass to put pressure on the CEO and the board of directors to accept the deal,” said Robin Bienenstock, an analyst at Sanford C Bernstein in London. “It gives Telefonica more ammunition.”

Portugal’s power over the company, including the right to name a third of the board and to veto capital increases, bond issuances and dividend payments, breaches rules that allow the free movement of capital in the 27-nation region, Advocate General Paolo Mengozzi of the EU court said in a non-binding opinion in December.

A ruling upholding this view would force Portugal to abolish its special rights in the company, said Waelbroeck, who is also a professor of EU and antitrust law in Brussels.

“It would mean Telefonica could go ahead with its bid again,” he said.

Only When ‘Necessary’

Portuguese Prime Minister Jose Socrates on July 4 told Spanish newspaper El Pais he had expected Telefonica to negotiate with Portugal Telecom before announcing its bid. “The golden share is there to be used when necessary,” Socrates said June 30 on television channel SIC Noticias. The prime minister’s office declined to comment when contacted by Bloomberg News.

A ruling canceling the golden share might not force Portugal to drop its opposition immediately, said Michel Struys, a partner in the Paris office of law firm Allen & Overy LLP.

“Portugal could decide to sit on the judgment and play the clock and wait until the European Commission dares to initiate a new action,” Struys said. “There’s no time limit.”

If the government fails to comply with a court ruling, the commission, the EU’s executive agency, has the possibility to sue Portugal for damages at the EU court, which may delay any decision by at least two years.

‘Delaying Tactics’

While Portugal has “delaying tactics” at its disposal, a ruling against the veto rights would help Telefonica in a national court, Struys said. “It doesn’t abrogate the special rights, but the ruling has direct effect.”

The dispute goes back to 2008 when the commission sued Portugal, saying its power over Portugal Telecom breaches EU rules and makes investments less attractive. The dispute is part of a fight by the Brussels-based commission against governments using golden shares to control former state monopolies.

A string of EU court rulings on golden shares have forced countries including Spain, France, the U.K. and Italy to give up special rights in former public monopolies, such as Telefonica.

Two other lawsuits against Portugal are pending at the EU court over golden shares in Lisbon-based EDP-Energias de Portugal SA and Galp Energia SGPS SA, Portugal’s biggest oil and gas company. The government has special rights and veto powers that regulators say are unlawful and restrict investments.

The court has only allowed Belgium to keep its powers in a 2002 ruling that the nation’s golden shares in Distrigaz SA and Societe Nationale de Transport par Canalisations helped protect energy supplies in the event of a crisis. Golden shares must be of “legitimate public interest,” the EU court has ruled.

The case is C-171/08 European Commission v Portuguese Republic.